Nestes dias, quando respondeu que ficará no Santos no mínimo até agosto do ano que vem, Neymar brincou e, sorrindo, disse que poderia ficar mais se o Santos aumentasse seus rendimentos. Não sei se é o salário que o manterá na Vila Belmiro, mas, uma coisa é certa: perder Neymar por falta de dinheiro seria muita incompetência.

Além dos abundantes e potenciais patrocinadores interessados em te-lo como garoto-propaganda, há uma energia muito mais poderosa que age para que o Menino de Ouro permaneça na Vila Belmiro: a vontade sincera de milhões de santistas e não santistas.

Neste blog um leitor já escreveu que o Santos poderia criar uma “Campanha Neymar Esperança” e atrair contribuições espontâneas de milhares, milhões de brasileiros que fazem questão da permanência de Neymar no nosso país. Pense bem o que isso pode significar…

Se 100 mil pessoas depositarem 10 reais por mês para engrossar o já gordo salário do garoto, ele teria um milhão a mais na conta, o que já tornaria seus rendimentos bem maiores do que poderia conseguir na Europa. E se a contribuição mensal fosse de 20 reais ou mais, o menino se tornaria o jogador de futebol mais bem pago do mundo. Outra primazia na conta do Santos…

Não sei você, mas eu daria muito mais para ter o prazer e a tranqüilidade de saber que Neymar seria do Santos por anos a fio. Permitir que um craque de 19 anos, 20, 21 anos, vá embora do Brasil é uma vergonha que o santista não pode passar.

Tanto ou mais prazeroso do que ganhar um título mundial seria saber que o melhor jogador do Brasil defende o Santos e atrai, a cada dia, mais e mais torcedores para o Alvinegro Praiano. Para o marketing a longo prazo de um clube de futebol, Neymar significa muito mais do que títulos.

O que mais o Santos pode fazer para manter o ídolo

Sei que o Santos cobra uma porcentagem dos rendimentos de Neymar com publicidade. Acho que 20%. Eu cortaria isso. Na Europa pode funcionar. Mas no Brasil, em que a prioridade de torna manter o ídolo diante da pressão globalizada para que vá embora, não tem sentido tirar uma fatia dos seus rendimentos.

O Santos também pode pressionar a Umbro para uma campanha nacional em torno da camisa de Neymar, tipo: “Vista a camisa de Neymar até a Copa”. A idéia seria, com a venda das camisas, cobrir as propostas internacionais e manter o discípulo de Pelé no País ao menos até a Copa de 2014.

Antes de vender Neymar, há uma lista enorme de jogadores do Santos que podem ser negociados sem nenhuma grande perda técnica. Infelizmente, somos obrigados a incluir Elano e Paulo Henrique Ganso entre os hoje negociáveis. Além de não estarem jogando bem, têm passado mais tempo na enfermaria do que no campo.

Também não há sentido em pagar um alto salário para Ibson, um jogador comum, menos criativo do que o garoto Felipe Anderson e menos marcador do que outro jovem vindo da base, Anderson Carvalho.

Quem, na hora da renovação, quiser um salário acima de sua realidade, que seja colocado à venda. Caso do limitado Durval, que cismou de receber 200 mil reais por mês. É preciso que os companheiros entendam que Neymar não recebe só pelo que rende como jogador, mas pelo que representa como ídolo.

A visibilidade que Neymar empresta ao Santos – como se constatou mais uma vez ontem, em Uberlândia – não pode ser negociada por alguns dinheiros. Vender Neymar é entregar de bandeja a galinha dos ovos de ouro, é abrir mão de uma grandeza que não se sabe quando baterá novamente na porta do Santos.

Dagoberto vem pra ser titular

Por três milhões de luvas e 300 mil reais por mês, o atacante Dagoberto deve se mudar para a Vila Belmiro. Apesar da personalidade um tanto contraditória e um estilo de jogo às vezes exageradamente individualista, é um bom jogador e deverá ser útil, assim como Renteria, também recentemente contratado.

Caso se confirme a contratação, Dagoberto substituirá Alan Kardec, tornando o ataque do Alvinegro Praiano bem mais técnico e envolvente. Alan Kardec e Renteria seriam opções interessantes e bons reservas nos casos de contusão e suspensão dos titulares.

Borges na Seleção

Com a contusão de Leandro Damião, ontem, é quase certo que Borges, artilheiro do Campeonato Brasileiro, será convocado hoje para a Seleção. Mesmo não sendo tão técnico como outros grandes centroavantes brasileiros – casos de Coutinho, Tostão e Careca –, Borges tem o faro do gol, como Vavá, bicampeão mundial em 1958/62, o que acaba sendo decisivo em jogos amarrados. Algo me diz que ele terá longa vida no Escrete.

No mínimo cinquentinha por mês eu daria para ter a certeza de que Neymar continuará no Santos. E você?