O texto a seguir extrai de um comentário de Geraldo José Silva Santos, leitor assíduo do blog que foi a Volta Redonda com a família ver Santos e Fluminense. Achei interessante torná-lo um post.

Caros Santistas

Como moro no Vale do Paraíba paulista, vou poucas vezes à Vila Belmiro. Hoje fui a Volta Redonda, Vale do Paraíba fluminense, com minha família e um amigo. Meu filho, que já entrou com o time na Vila em 2009, mais uma vez conseguiu ficar na boca do túnel esperando a entrada em campo. Isso salvou meu sábado. Mas…

Faço algumas colocações para saber se os Santistas que não foram a estádio enxergaram o jogo como eu.

1) O público santista era excelente, havia santista do Vale do Paraíba paulista e fluminense e também do sul de Minas Gerais, ocupamos todos os espaços permitidos, sentando inclusive nas escadas de acesso às arquibancadas, só não ocupando mais assento porque a PM não permitiu uma aproximação maior com a torcida do fluminense. Os paulistas foram muito bem tratados pelos fluminenses (para os que não são da região, fluminenses são todos os habitantes do interior do Estado do Rio de Janeiro), inclusive pela PM que teve muita paciência com um ou outro Santista mais exaltado. Havia também uma torcida feminina, com várias garotas que torciam para o Santos, apenas pelo Neymar.

2) Jogaram muito bem Neymar, Adriano e Arouca. O Renteria também entrou bem.

3) A atuação da zaga e do Elano foi péssima.

4) Ibson e Alan Kardec praticamente nada produziram, salvo Kardec que deixou o Borges na cara do gol, e ele perdeu. Hoje Borges não jogou bem.

5) Adriano tem que ser titular de qualquer jeito. Se não tem qualidades técnicas, é vital na marcação e de uma dedicação impressionante. Os dois volantes tem que ser Adriano e Arouca, como na reta final da Libertadores.

6) Alan Kardec é fraco tecnicamente, podendo no máximo ser um reserva para o Borges, entrando como um jogador de área trombador para o jogo aéreo. Nada mais.

7) Nossa zaga tem a velocidade de uma tartaruga doente. Por pior que sejam o Bruno Aguiar e o Vinícius, eles tem velocidade, de modo que ao menos um deles tem que jogar.
Nome não ganha jogo. Não é possível que o Muricy mantenha nossos dois zagueiros lesmas, mantenha o Adriano no banco, deixando o Henrique de titular, insistindo com Ibson. O Renteria vai ocupar a posição do Kardec. O Ganso, se voltar bem, com vontade, deixa o Elano no banco. Ibson é um zero à esquerda, nada produz. Não é possível o Muricy tirar o Arouca, que era disparado o melhor do meio campo, para colocar o inútil do Ibson.

8 ) Dos contratados após a Libertadores, hoje só seria titular o Borges e talvez o Renteria, no mais tem que manter o time do título, pois as contratações hoje nada rendem de bom ao time. É preciso que o Muricy tenha coragem de valorizar o time campeão, sem escalar por nome (Dracena, Elano, etc) ou porque ele indicou (Ibson, Henrique e Kardec). O Muricy insiste em não valorizar a base. A injustiça de manter Adriano no banco é gritante.

9) Um caso à parte foi a estréia do lateral-esquerdo Eder. Seu futebol é medíocre. Marca mal e no ataque é péssimo. Várias vezes o vi de perto parado em frente ao jogador do fluminense, sem coragem de partir para cima e até sem coragem de cruzar, isso sem nem chegar à linha de fundo. Além de tudo é lerdo. No final cedeu um escanteio de forma estúpida. Perto dele, o Pará parece um Nilton Santos. O Eder deve ser comparado ao Rodrigo Possebom, ambos são péssimos, restando saber quem foi o gênio que os indicou ao Santos. Ambos devem ser mandados embora imediatamente, pois nunca produzirão e ainda inibirão a experiência com jogadores da base. Não é possível que não exista na base um volante e um lateral-esquerdo melhores do que o Possebom e o Eder.

Para finalizar, ou o Muricy tem coragem e um mínimo de bom senso de escalar os melhores, e não os que tem nome ou foram por eles indicados, ou passaremos vergonha no restante do Brasileiro e depois correremos o risco de sermos humilhados no Japão.

Desculpe me alongar, mas leio diariamente este blog e tenho poucas oportunidades de assistir o Santos pessoalmente.

E você, concorda com o Geraldo, ou acha que ele pegou muito pesado?