Vi o vexame do futebol do Brasil nos Jogos Pan-americanos e fiquei preocupado com Felipe Anderson. Todo mundo sabe que o considero com potencial para se tornar um craque, mas seu alheiamento me deu raiva. Não era jogo para se esconder, era para se atirar à luta e comandar o time, até porque usava a sagrada camisa 10. Era, enfim, para correr, se mexer e ser, sempre, uma boa opção para o passe.

Acho que o Felipe Anderson está cansado de me ouvir falar isso, pois sempre que o encontro, ou sempre que converso com ele pelo twitter, repito o mantra de que é imprescindível ser, sempre, uma boa opção de passe – principalmente quando se trata de jogador novo, que precisa aparecer, como ele.

Não basta jogar bem só com a bola no pé. É preciso lutar por ela, pedi-la e não ter medo de toca-la como um homem confiante toca uma mulher. Craques não podem ser tímidos ou covardes. Os deuses do futebol lhes deram o dom de jogar bola, mas eles precisam fazer a sua parte. Quem me disse isso foi simplesmente o Rei do Futebol.

Sim, minha conversa de uma hora com Pelé me rendeu ensinamentos para a vida toda. E ele disse que ouviu de seu pai, Dondinho, que por ter nascido com o dom, deveria treinar mais do que os outros, para não perde-lo. Veja que Pelé, ao invés de se acomodar por ser um privilegiado, obrigou-se a treinar ainda mais.

Não sei se você, querido leitor e leitora, se lembra, mas Paulo Henrique Ganso também era assim. Às vezes sumia do jogo. Mas, de tanto que lhe preveniram, eu inclusive, passou a se movimentar mais sem a bola e aí seu futebol aflorou. É isso que falta a Felipe Anderson. Quem se torna uma opção melhor para o passe, recebe mais bolas e aparece mais.

Ontem o 10 do Brasil ficou escondido na lateral-esquerda da Seleção. Ora, garoto, você é o que tem mais habilidade e visão de jogo desse time, e por isso tinha de ter partido para cima, corrido como um maluco e só sair de campo morto de cansaço. O time tinha um a menos. Você precisava correr por dois. Mas, tudo bem. Foi uma lição e espero que a tenha apreendido. Do contrário, terei de concordar com o técnico Muricy Ramalho quando diz que você veio da base com defeito de fábrica.

Hino do Santos em japonês

Vá se preparando. No Japão, o hino do Santos se canta assim:

E você, o que achou de Felipe Anderson e da Seleção do Brasil no Pan?