Quanto Renteria empatou, aos 38 minutos do segundo tempo, e o Santos tinha um jogador a mais, a Suzana se empolgou. Falou que o time ia virar. Eu respondi: “Quer que eu seja sincero? O empate está bom. Mesmo com um a mais, o Santos vai se encolher e é mais fácil o Fluminense marcar o segundo”.

Ela disse que eu era pessimista, respondi que já vi centenas de jogos do Santos assim. Então, fiquei torcendo para o time segurar a bola. No único contra-ataque, um santista foi pela direita (Ibson?) e ao invés de tocar, saiu com bola e tudo. No último instante do jogo, o jogador do Fluminense estava de costas para o gol. Éder Lima veio e chutou para escanteio, sem necessidade.

Preveni a Suzana de que para o Santos era como se fosse um pênalti contra. Era segurar aquele escanteio e ao menos um pontinho estava salvo. Qual o quê… Veio lá de trás um zagueiro do Fluminense e mesmo diante de jogadores altos, como Edu Dracena, Durval e Eder Lima, fez o gol da vitória. Outro sábado amargo. Menos do que o da semana passada, mas ainda assim amargo.

Os pecados do Santos

A teimosia de Muricy
Ganhar muito título acho que fez mal para a cabeça do técnico Muricy Ramalho. Ele acha que pode escalar um time sem meias. Deve considerar um volante improvisado na posição melhor do que o jovem Felipe Anderson, o único meia-armador do time. O certo é que o meio-campo do Santos esteve despovoado e dependeu dos recuos de Neymar. O técnico também tirou Arouca para colocar Ibson. Hummm…. A não ser por contusão, nunca se pode fazer uma substituição dessas. E por que não fazer o óbvio, que seria colocar Felipe Anderson no lugar de Elano ou Alan Kardec?

A apatia de Elano
O ex-Menino da Vila repatriado continua jogando mal, andando em campo, vivendo de bolas paradas. É bobagem escalar um jogador assim. Aliás, é bobagem manter um jogador assim. A relação custo x benefício não está valendo a pena. Elano ainda tem um nome, talvez seja possível trocá-lo por um jogador de mais vontade. Se eu fosse o Elano, ficaria treinando cobrança de faltas duas horas por dia, no mínimo. É o único fundamento que pode mante-lo no time e ainda lhe dar uma chance no futebol profissional. Não sei se ele percebeu, mas sua carreira corre perigo. Precisa tentar colocar a cabeça no lugar.

Ibson, Alan Kardec e Henrique foram contratações ruins
Essas três novas contratações pouco ou nada melhoraram o time. Foram maus negócios, essa é a verdade. Coincidência ou não, o Santos não consegue ganhar uma com Ibson em campo. Quando ele entrou, confesso que temi pelo pior. Se foi o Muricy que indicou, errou triplamente. Melhor do que Ibson, e com 10% do seu salário, é o garoto Felipe Anderson; e melhor do que Henrique, ou pelo menos no mesmo nível, é Anderson Carvalho. Portanto, o Santos poderia ter valorizado seus jogadores da base e economizado um bom dinheiro se o seu departamento de futebol tivesse mais visão.

Rafael não é mais o mesmo
Desde que foi convocado para a Seleção Brasileira, o goleiro Rafael começou a falhar. Continua saindo mal do gol e mesmo as bolas de longa distância, que antes não entravam, agora entram. Mas é claro que a culpa não é só dele. A defesa parece que voltou aos seus piores momentos. É o segundo jogo seguido que o time sofre três gols.

Só Neymar não dá
Pelé teve a dádiva de ter um Coutinho do lado, mas Neymar está sozinho no ataque e no time do Santos. Sem Ganso, o Menino de Ouro é o único craque do time, único jogador habilidoso e cerebral. Borges é um definidor, mas dificilmente consegue fazer uma tabela. Alan Kardec é um guerreiro desnorteado. No segundo gol do Fluminense a câmera mostrou o desânimo de Neymar. Deve ser duro para o garoto jogar ao lado de tanto jogador ruim e sem vontade. Para que ele queira continuar no Santos, não é só questão de dinheiro, mas de lhe dar companheiros de um nível melhor.

As coisas boas da derrota

Ótima estréia de Renteria
Forte, menos grosso do que Alan Kardec, em poucos minutos Renteria mostrou que deverá ser uma opção melhor para formar o trio atacante ao lado de Borges e Neymar. Seu gol deveria ao menos garantir um pontinho ao Santos, não fosse a indecisão da defesa e do meio-campo depois do empate.

A zona de rebaixamento está longe
Ainda bem, pois parece que este Santos vive de solavancos. Teve uma longa séria invicta, agora perde duas seguidas – e nas duas sofre três gols. Vem outra pergunta: do que adianta jogar com tanto volante e ainda tomar três gols? Assim, da mesma forma que se colocou na briga pelo título, o Santos está se distanciando dela por seus próprios erros. Deixou escapar no mínimo quatro pontos nos dois últimos jogos. Vamos ver como se anima para a próxima partida.

Lições que ficam

Não vejo como, apenas com esses jogadores que atuaram hoje, o Santos possa ter alguma chance no Mundial do Japão. Não creio que se possa esperar mais do que Elano tem apresentado. Ibson, Henrique e Alan Kardec me parecem casos perdidos. O máximo que podem jogar é pouco para o Santos. Durval e Edu Dracena não inspiram confiança. Se Muricy não tiver coragem para usar os jogos que faltam no Brasileiro para fazer mudanças e tentar montar um time mais aguerrido e competitivo, o Santos irá passear no Japão e voltará para casa sem jogar a final. É melhor prevenir antes do que remediar depois…

Estou sendo pessimista, ou você também concorda que com esse futebol que mostrou hoje o Santos não irá longe no Mundial do Japão?