Até anotei para não esquecer. Discursando no seu programa “Bem, amigos”, Galvão Bueno disse e fez questão de repetir que “O Brasil não tem nenhum protagonista em nenhum time importante do mundo”. Todos os presentes, como sempre, concordaram sem dizer um pio. Mas o que esta frase, dita pelo locutor número um da rede de tevê mais importante do país, quer realmente dizer?

Em primeiro lugar, que o Brasil não tem nenhum time importante. O Santos é campeão da Libertadores, único representante do continente no Mundial da Fifa, tem a história mais rica de um time de futebol no planeta, mas, para Galvão Bueno, não é importante. Flamengo e Corinthians têm duas das maiores torcidas do mundo, mas não são importantes. O São Paulo é três vezes campeão do mundo e tem um patrimônio enorme, mas não é importante. Para Galvão, importantes são os europeus Real Madrid, Barcelona, Internazionale, Milan, Bayern, entre outros, e, para ele, os times brasileiros deveriam vender todos os seus melhores jogadores para eles.

Essa opinião do veterano locutor é o aposto da versão dada pelo departamento comercial da Globo em uma recente encontro em São Paulo, no qual se justificou o aumento da audiência do Campeonato Brasileiro pelo retorno ao País de jogadores que atuavam na Europa e pela manutenção no Brasil de jovens craques como Neymar, Paulo Henrique Ganso e Lucas.

Aumento de audiência quer dizer faturamento maior com publicidade. E ainda há a possibilidade de a Globo vender melhor o Brasileiro para o exterior, competindo com os campeonatos europeus. Portanto, para a Globo não é interessante ter um futebol brasileiro esvaziado, como é a intenção de Galvão Bueno.

Mônaco fica longe de São Paulo e Rio

Fiquei imaginando o que pode fazer com que um locutor de futebol que fez sua carreira transmitindo jogos de clubes brasileiros, possa ser tão mal agradecido àqueles que lhes deram o pão de cada dia. Será que é porque ele já tinha um plano europeu para a sua pré-aposentadoria e a nova situação do futebol, que permite a manutenção de jovens ídolos no Brasil, fará com que o altere?

Como agora ele mora em Mônaco, terá de vir para São Paulo e Rio de Janeiro para fazer o seu programa de entrevistas, o que deverá aborrecê-lo profundamente. Com Neymar, Ganso e Lucas nos clubes europeus, as estradas seriam melhores e menos longas.

Hoje, quem perseguirá Neymar?

Como os protestos dos torcedores chegou até a direção de esportes da Rede Globo, Galvão Bueno resolveu pegar leve e no último jogo da Seleção Brasileira deixou o serviço sujo de criticar Neymar para o comentarista Casagrande. E hoje, contra o México, o que ambos – narrador e comentarista – falarão do maior ídolo do futebol brasileiro no momento?

Não que eu ache que Neymar nunca deva ser criticado, mas pegar justamente ele pra Cristo é burrice. O garoto é o único que mostra talento, vontade e está sempre indo pra cima da defesa contrária em busca do gol. Com tanto perna de pau no time, perseguir o Menino de Ouro é sacanagem pura de quem quer jogar a torcida contra ele para que fique mais fácil sua ida para a Europa. Mas o torcedor, que não é burro, já percebeu a manobra.

Você concorda com Galvão Bueno, quando ele diz que o Brasil não tem nenhum time importante? E hoje, será que ele e Casagrande pegarão de novo no pé do Neymar?