Não farei coro àqueles que estão achando um erro o Santos acabar com o futsal e o futebol feminino justo no ano de seu Centenário. É triste, reconheço, mas sei que de nada adiantaria o clube ser campeão mundial nessas duas modalidades em 2012, se o seu futebol principal passasse a temporada caindo pelas tabelas. Não há perspectiva de patrocínio? Não dá para manter o time de Falcão e das Sereias da Vila? Paciência. O jeito é fechar mesmo. Ou um dia as finanças explodirão.

Concordo com o presidente Luis Álvaro Ribeiro quando ele diz que faltou apoio do mercado ao futsal e ao futebol feminino do Santos. Equipes campeãs, bases das respectivas Seleções Brasileiras, não deveriam ter ficado sem patrocinadores. Representavam a esperança de crescimento dessas modalidades no País, com a provável inclusão de outros clubes de tradição no futebol. Com a desistência do Santos, o futsal e o futebol feminino brasileiros dão um largo passo para trás.

O fato em si não é tão preocupante para o Santos. Afinal, que outro clube brasileiro gastava tanto com essas modalidades? O que me preocupa é que no momento só ouvimos falar de contenção de despesas no Santos. Será que o elenco é mesmo intocável? Creio que não, e sei que muitos santistas estão insatisfeitos, principalmente com os jogadores de defesa.

Manter o mesmo elenco que tomou uma sova do Barcelona é uma faca de dois gumes. Pode provar que o time continua sendo um dos melhores do mundo, apesar da derrota acachapante, mas também pode revelar uma equipe desmotivada, já que o seu grande objetivo não foi alcançado.

Acho que a diretoria, o grupo gestor, o presidente, ou quem quer que defina as diretrizes do Santos, está perdendo uma ótima oportunidade de remodelar e rejuvenescer o elenco. Talvez eu esteja errado, mas acho que alguns jogadores não conseguirão jogar melhor do que têm jogado, e mantê-los por mais um ano no Santos não ajudará o time a render mais.

O caso Ganso

O Santos agiu bem em não adquirir os 10% do passe de Paulo Henrique Ganso. Ele abusou da paciência da diretoria e dos torcedores. Se quer ir embora, que vá com Deus, mas antes peça para seus representantes conseguirem ao menos uma proposta concreta por seu passe. Até agora sua valorização só dependeu de matérias falsas em jornais e programas sensacionalistas.

Por mais que eu admire o futebol cerebral de Ganso, a verdade é que há um ano e meio ele tem mais ficado na enfermaria e causado problemas ao clube do que jogado bola. Desde que foi ingrato com Giovanni, que o trouxe para a Vila Belmiro, a torcida ficou com um pé atrás com relação a ele. Muitos já tinham me prevenido de que Ganso não sairia pela porta da frente. Temo que isso vá acontecer…

A prioridade é manter Neymar e rechear o time com jogadores que, além de terem boa técnica, suem a camisa, estejam conscientes do valor e da honra de defender o Santos. Ganso é um craque, como Elano, mas ambos estão jogando a 20 por hora um esporte em que os outros estão praticando a mais de 100. Por falar em velocidade, Durval e Dracena se incluem entre os mais lentos e não imagino como possam se tornar mais rápidos com a idade.

Porém, no final de sua entrevista, Luis Álvaro deixou uma esperança no ar ao admitir que aprendeu com a lição de Yokohama. Disse ele: “Este ano devem subir três ou quatro jogadores da base. O Muricy Ramalho e eu estamos conversando para decidir os detalhes. Depois da lição no Japão, aprendi que temos que copiar o modelo de sucesso do Barcelona”.

Muito bem. Antes tarde do que nunca. E, como dizem os grandes generais, às vezes recuar em uma batalha é a melhor maneira de ganhar a guerra. Tomara. O Centenário do Time dos Sonhos merece isso.

E você, o que achou da entrevista de Luis Álvaro Ribeiro?