No Paulista de 2010 vivi um de meus momentos mais gratificantes como torcedor. Vi, ao lado da Suzana, no Pacaembu, o Santos, sem Neymar e Robinho, sair perdendo e marcar 9 a 1 no Ituano do Juninho Paulista. Que vitória fantástica! Do jeito que um santista gosta. Com o técnico Dorival Júnior colocando o time pra cima do adversário o tempo todo. Lembro disso porque faz tempo que o Santos não goleia ninguém.

A verdade, meus amigos e amigas, é que o técnico Muricy Ramalho, que hoje reassume o time, depois de longas férias que começaram depois da vitória sobre o Kashiva Reysol, não tem cacoete para goleadas. E como ainda há a bela desculpa de que o time que joga hoje é de reservas, então, santista, se prepare para um empolgante 1 a 0, 2 a 1, ou mesmo um mísero empate.

Já imagino os comentários; Pôxa, Odir, mas o time é de reservas, no começo de temporada, você está pegando no pé do Muricy. Então, vá deixo claro que eu amo o Muricy e sempre o amarei pelo que ele fez no primeiro semestre do ano passado. Porém, mesmo entre irmãos, pode haver divergências, não é mesmo? Posso gostar de alguém e posso criticá-lo, certo?

Reservas do Santos representam mais do que os titulares do Ituano, com todo respeito aos jogadores do time do Interior. Imagine o contrário. O Ituano não seria mais respeitado se pudesse contar com um time formado por Aranha; Maranhão, Vinicius Simon, Bruno Rodrigo e Émerson; Anderson Carvalho, Ibson, Felipe Anderson; Tiago Alves, Alan Kardec e Rentería? E não seria até normal o Santos perder para um time desses? Pois então, ganhem. Melhor, goleiem! Como me gritava um rapaz na arquibancada no Pacaembu: “Aqui é Santos, pô…”.

Esse negócio de empatezinho, de vitoriazinha de 1 a 0 é pros outros. No Santos, ou vai ou racha. E hoje, no Anacleto Campanella – aliás, por que lá e não no Pacaembu, alguém pode me explicar? –é noite de decisão para esses reservas. Ou mostram que são jogadores de futebol, ou se inscrevam no telecurso segundo grau e vão procurar o que fazer na vida.

Santos e Ituano na história

Por Wesley Miranda

Santos e Ituano se enfrentaram 21 vezes e a vantagem é do Peixe, com 13 vitórias, contra apenas duas vitórias do Galo e seis empates. O Santos marcou 51 gols e sofreu 22.

O primeiro confronto foi um amistoso, em 23/2/1954, e o Santos goleou o time do goleiro Mão de Onça por 4 a 1, na Vila Belmiro. Álvaro marcou duas vezes, Urubatão e Paulino completaram o marcador.

Em Campeonato Paulistas, de 1990 a 2011, os dois times se enfrentaram 19 vezes, com 11 vitórias do Santos, seis empates e apenas duas derrotas.

O artilheiro

O artilheiro do confronto é o santista Guga, com seis gols. Ele marcou em 3 partidas para chegar a esse número. Na primeira, em 13/09/1992, fez o primeiro no empate em 2 a 2 no Novelli Jr. Na segunda, em 20/2/1993, também em Itu, Guga marcou três vezes (o outro foi de Cuca) na goleada por 4 a 1. E na, em 09/5/1993, marcou mais 2 gols na goleada por 5 a 1. Quer ver esta? Lá vai:

Vitória com a fama de Itu

A maior goleada do encontro foi recente, e foi tão grande quanto a fama da cidade do Interior. Um sonoro 9 a 1! Mesmo sem Robinho e Neymar, o Santos ganhou de virada com gols de André (3) Ganso (2), Madson (2), Maikon Leite e Zé Eduardo no feliz 21/03/2010, um domingo de sonho no estádio do Pacaembu. Relembre e sinta saudade:

http://youtu.be/LUYnnaMPme8

E hoje, dá para acreditar que Muricy colocará o time pra frente?