O santista Vinicius Andrade e outros participantes do Fórum Santista, um site de discussões dedicado ao Santos, me fizeram prometer que publicaria neste blog o protesto do site deles contra a manutenção dos jogadores de defesa do Santos. Em suma, acham que o setor defensivo do time deveria ter sido reformulado em 2011 e ficaram revoltados com a decisão da diretoria de manter os jogadores que têm atuado, sob a alegação de que o Alvinegro Praiano está “bem servido” para este setor.

Como este blog se propõe ser democrático e como a manifestação é educada e legítima, o protesto segue publicado abaixo. Antes, porém, gostaria de fazer algumas considerações, a favor e contra os argumentos dos protestantes.

A favor, concordo que o momento é propício para uma mudança em um setor que desde o final do ano passado é o mais frágil do time. Lembro-me que no Campeonato Brasileiro de 2010, o lateral Léo, mais de uma vez, insinuou que não conseguia jogar o tempo todo e que logo seria substituído pelo jovem Alex Sandro. Hoje, Alex Sandro se foi, Léo vem sendo substituído pelo improvisado zagueiro Durval e o problema da lateral-esquerda continua.

Também concordo que a dupla Edu Dracena e Durval não inspira grandes confianças. No primeiro semestre de 2010 o Santos foi campeão do Campeonato Paulista tomando três gols do Santo André no jogo decisivo, e por muito pouco não perde o título mesmo jogando em casa, pelo empate e contra um time menor. Na Copa do Brasil, novamente perdeu o jogo e sofreu dois gols do Vitória.

Em 2011 o rendimento melhorou, com as entradas de Jonathan e/ou Danilo na lateral direita e o Santos foi campeão do Paulista e da Libertadores com vitórias nos jogos finais, mas sempre levando um gol e passando por momentos de apreensão. Agora, porém, sem Jonathan, o time ficará também sem Danilo, vendido ao Porto. A lateral direita volta a ficar carente.

Por outro lado, é preciso confiar em quem comanda o time. Se Muricy Ramalho acha melhor manter os defensores que tem, deve ter boas razões para isso. Na verdade, ao olharmos o mercado, não vemos outros zagueiros tão melhores do que os que servem ao Santos. Tanto é assim que o São Paulo acaba de reformular toda a sua defesa, e mesmo times campeões não têm jogadores de defesa que se destacam, a não ser Dedé, do Vasco. E se trocar e piorar? Esse é um risco que Muricy não quer correr.

Bem, isso posto, segue o protesto de Vinicius Andrade e seus colegas do Fórum Santista:

Protesto contra a nossa linha de zaga

De Vinicius Andrade e participantes do Fórum Santista

Visamos, com este manifesto, divulgar a insatisfação da torcida do SANTOS Futebol Clube com a nossa atual linha de zaga e com as recentes declarações de dirigentes do clube (entre eles, o presidente Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro) de que contratações não serão feitas, que estamos “bem servidos” para esse setor. Os redatores deste manifesto são membros do Fórum Santista, um site dedicado a discutir tão-somente o SANTOS. Muitos dos integrantes do fórum são sócios do clube e acompanham de perto o cotidiano da nossa grande paixão.

Além disso, insistimos no caráter pacífico de nosso protesto. Não temos como meta ofender ou agredir ninguém, pois, à diferença de outras torcidas de clubes paulistas, não acreditamos que intimidação é o melhor caminho. Acreditamos no incentivo aos jogadores durante os noventa minutos de cada jogo e acreditamos em diálogo maduro e construtivo com a diretoria do SANTOS Futebol Clube.

É do nosso entender que é preciso que se realizem, sim, novas contratações para esse setor, pois nós, torcedores do SANTOS, nos sentimos receosos e temerosos, sabemos que entraremos pelo terceiro ano consecutivo com uma zaga que sempre nos proporcionou momentos de tensão em toda sorte de jogadas, sejam elas pelo alto, por baixo, tentativas frustradas de linhas de impedimento, escanteios e assim por diante.

É do nosso entender que Léo, Durval e Dracena já não podem mais ser, simultaneamente, titulares do SANTOS. Eis os nossos argumentos:

Quanto ao nosso Guerreiro da Vila, pensamos que a idade dele já se lhe tornou um obstáculo intransponível: suas arrancadas ofensivas ainda são, por vezes, frutíferas, mas já não têm mais o índice de aproveitamento de outrora. Além disso, quando é necessário voltar à defesa (a chamada “recuperação”), já não o faz com a mesma rapidez. Em jogadas defensivas, vem se caracterizando por marcar à distância, sem “diminuir”, permitindo que o jogador adversário tenha segundos preciosos para começar uma tabela ou efetuar um cruzamento mais preciso. Para um dentre muitos exemplos dessa maneira de jogar, convidamos o leitor a assistir novamente aos gols do Flamengo no jogo SANTOS 4 x 5 Flamengo, pelo Campeonato Brasileiro de 2011, em especial o primeiro gol adversário.

O passado glorioso, o respeito que adquiriu pela torcida e pela diretoria não podem ser as razões pelas quais o Léo ainda é escalado como titular. Para que ele não macule mais a sua história dentro do clube que ama, é preciso que ele seja reserva de um novo lateral esquerdo a ser contratado.

– Quanto a Durval e Dracena, trata-se de dois zagueiros com características semelhantes, portanto a crítica pode ser unificada: ambos são lentos, de pouca qualidade técnica quando exigidos, não vão bem no jogo aéreo defensivo (quanto a Edu Dracena, anotou gols marcantes, e é preciso que essa ressalva seja feita. Contudo, jamais um zagueiro poderá ser titular apenas em razão disso, afinal, antes de fazer gol, sua função primordial é defender, e isso, nós assim entendemos, ele não faz bem). As recentes performances dos dois zagueiros na final do Mundial contra o Barcelona são exemplos cabais do seu despreparo técnico.

Ainda sobre Edu Dracena, é preciso destacar que ele se caracteriza por ser um dos líderes do time, dentro e fora de campo, inclusive portando a tarja de capitão em todas as partidas. Nós, torcedores, entendemos que, assim como o passado não é argumento (no caso do Léo), a liderança também não pode sê-lo, pois a discussão mais importante que se deve fazer é de caráter técnico e, insistimos, no que se refere ao aspecto técnico, Edu Dracena não é um jogador do nível que o SANTOS precisa se almeja a maiores conquistas no futebol. Além disso, nada impede que um jogador exerça sua liderança do banco de reservas, na concentração, no ônibus, isto é, em todos os outros espaços de convívio dos atletas.

Sabemos também que a decisão a respeito de quem será o capitão de um time é feita baseada mais em características pessoais, de comportamento, do que técnicas. Sendo assim, é oportuno que, aqui, lembremos a infelicíssima declaração do nosso capitão, Edu Dracena, ao afirmar que a derrota vergonhosa para o Barcelona era o “máximo” que o time poderia ter feito. Para nós, torcedores, essa declaração é sintoma de falta de motivação e falta de respeito à instituição que ele representa e defende. De um capitão espera-se justamente o contrário: que honre o time pelo qual joga, que motive os demais companheiros, que represente a torcida que sempre anseia por vontade de vencer, por gana, por inconformismo em caso de derrotas vexatórias. Em razão dessa declaração (e não só por conta dela), não pensamos ser adequada a permanência de Edu Dracena como capitão do SANTOS e tampouco nos sentimos representados por ele.

A dupla de zaga é lenta: frequentemente perde jogadas de um contra um ou não consegue acompanhar o ritmo dos atacantes adversários. A dupla é de pouca qualidade técnica: tem dificuldades para jogar futebol, são especialistas apenas no desarme mais rude, faltoso. A dupla não vai bem no jogo aéreo defensivo: vários são os gols de bola aérea que tomamos desde 2010 por conta da nossa dupla de zaga mal posicionada ou que pouco sobe para cortar cruzamentos. Acreditamos que ambos não podem ser titulares, jogarem juntos. Poderiam, contudo, render mais se tivessem ao seu lado um zagueiro mais rápido, com mais vigor e melhor saída de bola.

Embora a nossa dupla de zaga não seja a única responsável por gols sofridos, atingimos alguns resultados lastimáveis que precisam ser trazidos à baila. Por exemplo, tivemos uma média de 1,45 gol tomado por jogo no Campeonato Brasileiro e, no ano de 2011, chegamos a 94 gols em 77 jogos (fonte: site do SANTOS). Além disso, fomos a oitava pior defesa no Brasileiro de 2010 e a quinta pior defesa no de 2011. Esses últimos dois dados são os mais importantes, uma vez que são comparativos, e mostram, inegavelmente, que, embora sejamos um dos melhores times do Brasil, estamos, sim, entre os piores quando o quesito é se defender. De maneira a fundamentar ainda mais nossa argumentação, lembramos que, nos Campeonatos Brasileiros de 2010 e 2011, as duas melhores defesas foram dos dois primeiros colocados, isto é, não basta que tenhamos apenas os melhores meias e atacantes. O segredo de um grande time está no conjunto: se a zaga não inspira confiança, os jogadores de meio campo se veêm compelidos a procurar protegê-los mais, prejudicando nosso poderio ofensivo neste setor, isso acarreta nas ligações diretas (“chutões”) em direção ao Neymar, o que nem sempre dá certo e minimiza nossa posse de bola, além de sobrecarregar nossa principal estrela.

É do nosso entender que há motivos para que nos preocupemos, e muito, para a Libertadores de 2012. Não seremos mais surpresa para nenhum adversário. Atualmente, é possível que qualquer técnico, numa breve pesquisa pela internet, repare que muitíssimos gols que tomamos ocorrem por conta da lentidão ou da baixa qualidade técnica de nossos defensores. Não nos surpreendeu que o Barcelona tenha concentrado seus ataques no lado esquerdo de nossa defesa, pois sabia que lá estava nosso ponto fraco: na lentidão e falta de fôlego de Léo e no baixo nível técnico de nossos zagueiros.

Por fim, sabemos que a história do SANTOS de 2010 para cá está marcada por títulos, porém, esse desempenho recente não só não esgota nossa sede por maiores conquistas como não pode, de maneira alguma, servir para encobrir erros ou falhas presentes no time e no clube, de maneira que invocar as conquistas desse elenco não é argumento suficiente para desacreditar este protesto.

E você, concorda com o protesto contra os titulares da defesa do Santos?