Contra o Comercial, mais do que controlar o jogo, o Santos mostrou uma atitude diferente. O time se empenhou, correu, caprichou mais. Muricy ficou de pé o tempo todo, mostrou interesse, gritou, saiu daquele marasmo. O resultado – 2 a 0, gols de Íbson, em grande jogada de Neymar, e Durval, em cruzamento perfeito de Elano – representou uma vitória convincente e animadora. Sinto que o santista já está começando a acreditar no Tri-Tri.

Último tricampeão paulista, em 1967/68/69, o Santos também foi tri em 1960/61/62. Ou seja, está bem perto de um feito histórico que muito abrilhantaria o seu Centenário: ser três vezes tricampeão do campeonato estadual mais forte do futebol brasileiro não é para qualquer um. O São Paulo jamais conseguiu, o Palmeiras foi tri apenas uma vez (1932/33/34) e o alvinegro da capital é o único tri-tri, mas isso já aconteceu há 63 anos, quando ainda tratavam diabete com rapadura.

Deu pra perceber que o Ganso resolveu que vai jogar bola. E como Neymar está sempre bem disposto, mais da metade da força do Santos está garantida. Na defesa, o seguro Fucile e o regular Juan tomaram conta das laterais, apesar de o uruguaio ter demonstrado muita dificuldade para apoiar.

No meio, nenhum dos três volantes – Henrique, Arouca e Íbson – tem se destacado, mas sou obrigado a reconhecer que o Íbson deu uma melhorada. E o Elano também tem entrado mais esperto.

Continuo achando que o meio-campo ideal do Santos será composto por dois volantes e dois meias – no caso Paulo Henrique Ganso e Felipe Anderson. Para que jogar com três volantes contra o Comercial?

Acho até que se o Borges continuar tão mal, a ponto de não ter forças nem para chutar a gol, Muricy bem que poderia priorizar o toque de bola, imitar o Barcelona, e experimentar jogar sem centroavante. Como? Ora, com os volantes Arouca e Íbson; os meias Ganso, Felipe Anderson e Elano, e o atacante Neymar.

Ao avançar, todos encostariam em Neymar para fazer as jogadas. Felipe Anderson se entende bem com o Menino de Ouro; Ganso, nem se fala; Arouca e Elano podem tentar e até o Íbson aprendeu a aproveitar as arrancadas de Neymar para buscar o gol.

Na zaga, Durval e Dracena estão tentando evitar os chutões para sempre. Dracena tem sido mais feliz. No gol, Aranha rifou bem menos a bola na quarta-feira. Como já disse, acho que ele está no mínimo no mesmo nível de Rafael.

Enfim, o Santos está se aprumando. Mais importante do que vencer por 2 a 0, foi domianr completamente a partida. Sinto que a postura dos jogadores e de Muricy é outra. Fiquei mais otimista com o que vi e passei a considerar o Tri-Tri plenamente possível. E você?

Você também acredita no Tri-Tri? Será que agora o time embala?

Santos e Comercial até o jogo de ontem

Por Wesley Miranda

Santos e Comercial já se enfrentaram 56 vezes na história, e o Peixe obteve 38 vitórias contra 9 vitórias do Leão do norte e 9 empates. O Santos marcou 136 gols e sofreu 55.

Em Campeonatos Paulistas são 45 jogos com 33 vitórias santistas contra 6 vitórias do bafo e 6 empates. O Peixe marcou 114 gols e sofreu 44.

O Comercial jamais venceu o Santos fora de seus domínios

Santos: V, E, D
Paulistão 33, 6, 6
Taça SP 1, 1, 1
Amistoso 4, 2, 2

O primeiro confronto
O primeiro confronto entre Santos e Comercial foi um amistoso no dia 21/05/1922 em Ribeirão Preto, 2 a 2 com gols de Constantino e Edgard para o Santos FC.

Em Paulistas foi no dia 14/08/1927 goleada santista na Vila Belmiro por 4 a 0, com 4 gols de Feitiço.

A maior dupla do futebol mundial
O artilheiro do confronto é Pelé com 17 gols, seguido de perto por Coutinho com 15 gols. O gênio da área por duas vezes marcou 4 gols em um único jogo, em 1962 e 1966, e igualou o recorde de Feitiço. Não é à-toa que ambos tinham o mesmo apelido; Feitiço da Vila.

Os números do goleador máximo do confronto também merece destaque, sempre merece. Em 15 jogos contra o Comercial, Pelé venceu 13 contra 1 derrota e 1 empate. Média de 1,13 gol por jogo. Não é à-toa que é Rei.

Hóspede indesejável
Em jogo do Paulistão no dia 14/10/1964 o Comercial enfrentou o Santos na inauguração de seu estádio, o Francisco de Palma Travassos. Aos 12 minutos Paulo Bim marcou o primeiro gol do estádio. Tudo corria bem para o time comercialino, até Pelé empatar aos 40 minutos. No 2º tempo o Santos virou com Toninho Guerreiro aos 24 minutos. Mas Ditinho tranquilizou os donos da casa empatando o prélio novamente dois minutos depois. Quando o empate parecia irreversível, Pepe aos 39 minutos deu números finais. Santos 3 x 2 Comercial!

Contando com a Vila, esse foi o 10º estádio que o Santos inaugurou de 22 na história. Em 15 saiu vencedor, em 3 perdedor e em 4 empatou.

Longa ausência de duelos
Depois de anos de confronto seguidos, Santos e Comercial ficaram sem se enfrentar de 1986 quando o time do interior venceu o Santos por 2 a 1, mas caiu para segunda divisão no Paulista, até o amistoso em Bebedouro em 1996, vencido pelo Santos por 3 a 1 com gols de Camanducaia, Anderson e Robert. 10 anos sem o confronto.

O primeiro gol de um ídolo e carimbo na faixa
Quase 6 anos depois do último confronto, o recém contratado técnico Émerson Leão promoveu outro encontro entre as duas equipes no dia 13/07/2002. O teste da equipe que iniciaria o Brasileirão pouco dias depois foi extremamente satisfatório com a goleada de 5 a 0 com gols de André Luis, Diego, Elano, Julio César e Robinho. Esse último, o primeiro gol do rei do drible nos profissionais, o primeiro dos 94 gols com a camisa do Santos. Era o começo de tudo.

Émerson Leão nunca escondeu o carinho pela cidade que nasceu e o time que iniciou a carreira, e como forma de agradecimento voltou para enfrentar o Comercial após a conquista do épico Brasileiro de 2002. Só que dessa vez deu Comercial por 1 a 0. Uma bela carimbada na faixa dos já consagrados Robinho, Diego e Cia.

Curiosidades
Segundo o amigo Evaldo Rodrigues, o Santos já enfrentou ao longo do seus quase 100 anos, seis “Comerciais” diferentes, sendo eles: Comercial do Tietê(SP), Comercial do Mato Grosso do Sul, Comercial do Paraná, Comercial de Araraquara, Comercial de Araras e o adversário de ontem. Da-lhe homônimo!

A primeira vez do rei no gol
Todos sabem que Pelé já se aventurou no gol por quatro vezes, e nunca foi vazado. E foi contra um desses “Comerciais”, que o Rei debutou em baixo das traves!

O jogo que Pelé foi para o gol aconteceu em 04/11/1959 Santos 4×2 Comercial FC (São Paulo). Aos 64′ quando estava 3 a 2 para o Santos o goleiro Lalá(Carlos Pierin) bateu com a cabeça na trave e desmaiou. Então pela primeira vez, Pelé foi para o gol(reparem na foto dos artilheiros do confronto e veja Pelé já com a camisa de Lalá).

O rei defendeu 3 bolas chutadas em direção ao gol e no finalzinho Dorval marcou o 4º gol. Fonte Guilherme Nascimento

(Não deu tempo para publicar ontem, mas a pesquisa do Wesley é sempre bem-vinda)