O garoto Neymar, educado e simpático como só ele, fez uma gentileza e disse que é fã de Ronaldinho Gaúcho. Sim, da mesma forma que Pelé, um dia, disse que era fã de Zizinho. Mas, para a Globo, que quer espanholizar o futebol brasileiro – e para isso precisa supervalorizar o alvinegro de São Paulo e o rubro-negro carioca -, bastou esta frase polida de Neymar para que o repórter Tino Marcos fizesse uma matéria colocando Ronaldinho acima do jogador do Santos.

“Ídolos e fãs”, diz Tino Marcos em determinado momento, tentando dar algum significado poético a uma intenção essencialmente marqueteira de desvirtuar a verdade para valorizar um jogador em visível decadência. Amante de baladas, fôlego cansado de quem troca o dia pela noite – motivo de sua briga com o técnico Vanderlei Luxemburgo -, Ronaldinho Gaúcho, aos 31 anos, não é nem sombra do que já foi e não consegue se destacar nem no limitado futebol carioca.

Com a bola nos pés, sem marcação, ainda consegue fazer grandes jogadas? Sim, mas qual adversário – a não ser o Santos naqueles malucos 5 a 4 na Vila Belmiro – dá libertade ao jogador talentoso? Se este não tiver rapidez, mobilidade, velocidade, não faz nada. Aí está a grande diferença entre Neymar e Ronaldinho. O garoto é agil, rápido nos reflexos e nos músculos; enquanto o gaúcho joga parado, tolhido pelos próprios limites físicos e pelos excessos extra-campo.

Só mesmo a Globo, com sua infinita maquiavelice, para colocar Neymar, o maior ídolo do futebol brasileiro no momento – bem adiante de qualquer outro -, como fã de um jogador decadente e derrotado, que há uma década vem tentando repetir na Seleção Brasileira os 15 minutos de bom futebol contra a Inglaterra, na Copa de 2002, quando deu uma assistência e fez um gol sem querer.

Que Bósnia…

Sei que é preconceito, mas depois da carnificina que promoveram em pleno século XX, em uma Europa que já julgávamos livre dessas barbáries, sempre que ouço falar em Sérvia e Bósnia penso e temo a violência. Hoje, só espero que nossos garotos Neymar e Paulo Henrique Ganso se livrem da belicosidade dos rivais e voltem para casa sãos e salvos.

E para você, quem é mais ídolo hoje: Ronaldinho Gaúcho ou Neymar?