Acho que os deuses do futebol escolheram esse jogo a dedo para que eu queimasse a língua. Depois de uma bela jogada a dois minutos de partida, quando fez o lance que originou o gol de Dimba, Felipe Anderson desapareceu. Nada produziu, perdeu bolas bisonhas, deixou-se assustar demais com as broncas de Muricy e com a vitalidade dos adversários. Mostrou que o técnico está certo ao deixá-lo eternamente na reserva. Falta-lhe personalidade para ser titular.

Outro que se esforçou um pouco mais, mas cometeu a falha constrangedora que ofereceu o gol de virada ao Mogi Mirim foi o zagueiro Vinícius Simon, que também já defendi muito por aqui. Depois da atuação desastrosa dessa tarde, terá de jogar muito para merecer minha confiança.

O bom Mogi Mirim mereceu vencer e eu diria que 3 a 1 foi pouco, pelo tamanho do domínio do melhor time do Interior. Fico aqui imaginando o que faz um time correr tanto e o outro assistir, parado. Será só problema de falta de entrosamento? Mas e quando está só o jogador e a bola? O que pode fazer com que não consiga dominar a gorduchinha? Há jogadores do Santos que não sabem nem andar em campo.

Por falar em parado, acho que deveria ter uma cláusula no contrato dos jogadores obrigando-os a correr uma distância mínima por jogo. O Elano está de brincadeira. Armou dois contra-ataques ao adversário que só não terminaram em gols devido a defesas impossíveis de Aranha. No final, uma bola passou a 20 centímetros do Elano e ele não conseguiu pegar. É triste ver um ídolo do clube se arrastar, tropegamente, pelo campo. O jeito é intenar o Elano em um spa com direito a preparação física e tratamento psicológico. É evidente que o rapaz não consegue mais jogar futebol. Aliás, faz tempo…

Dizem que o melhor restaurante do Santos é o do CT Rei Pelé. A comida lá é excepcional mesmo. Será que tem jogador do Santos exagerando? Sei lá, mas o Mogi parecia flutuar em campo, como um bando de sapos voadores, enquanto os santistas pareciam baleias cansadas, gordas e sonolentas.

Muricy fez bem de escalar os reservas

Se jogasse com os titulares e ganhasse o jogo, o Santos assumiria a liderança do campeonato. Por isso, sei que muitos vão dizer que Muricy Ramalho deveria escalar os titulares. Eu já acho que se fosse um clássico, tudo bem, mas não valeria a pena levar os titulares a Mogi, já que jogarão quinta-feira pela Libertadores. Por outro lado, esses reservas tinham a obrigação de apresentar um futebol melhor.

Para não dizer que todos decepcionaram, eu direi que, além de Aranha, gostei da volta de Adriano, aplicado como sempre. Ele é o único dos jogadores que atuaram contra o Mogi que poderá pleitear uma vaga de titular, talvez no lugar de Henrique. Se bem que eu, para ser franco, não mexeria em ninguém do time de cima. Esses reservas foram reservas demais para o meu gosto. Parece que nem assistiram ao jogo contra o Inter, no meio da semana. Parecia que o Mogi é que era o Santos.

E você, o que tem a dizer sobre essa aula do Mogi no nosso Alvinegro?