Há santistas que são mais importantes para o clube do que muita gente que tem cargo e salário. Um deles é o João Henrique Zanardi, de Orlândia. A festa pelo Centenário do Alvinegro Praiano que o João Henrique organizou domingo em Orlândia, cidade a 50 quilômetros de Ribeirão Preto, no Interior de São Paulo, foi de tirar o chapéu. Mais de 400 convidados, presença do ídolo Edu, jantar e música ao vivo, tudo de primeira. Nem em Santos ou na capital se viu festa assim.

“Nem eu sabia que Orlândia tinha tantos santistas”, confessou João Henrique, um anfitrião como poucos, um santista que tem o respeito e a simpatia da comunidade. Uma embaixada santista em Orlândia está pingando na boca do gol. E será um sucesso, tenho certeza.

Passei momentos de grande alegria lá. Ao lado do João, do Edu, do Luiz e dos novos amigos Pretinho, Ricardo, Eduardo, Ivan e muitos outros para os quais já peço desculpas por não lembrar-lhes os nomes. Espero as fotos que prometeram para que eu possa fazer um post sobre o jantar.

Fiquei com ótima impressão de Orlândia, cidade sem edifícios, organizada, e voltei para casa, com a Suzana, comentando o óbvio: como o Interior de São Paulo é rico e que dádiva o Santos tem de possuir tantos torcedores justamente nos mercados mais prósperos deste País, que são o Interior e a capital de São Paulo.

Pra cama Zagalo – tem 13 letras

Bastou surgir a possibilidade de que Marco Polo del Nero assuma a presidência da CBF, em substituição a José Maria Marin, que os cariocas estão em polvorosa. Galvão Bueno, paulista que se bandeou pro outro lado, tratou de levar Mário Jorge Lobo Zagalo ao seu “Bem, Amigos”, em um evidente lobby para que o decano dos técnicos de futebol assuma a CBF e seja, mais uma vez, um testa de ferro dos homens que há décadas dominam nosso futebol.

Ora, Zagalo mal consegue se expressar. Com todo o respeito, o velho lobo está mais para uma cansada e sonolenta ovelha. Deixem o Zagalo tomar a sua papinha e ir pra cama cedo. Administrar o futebol brasileiro é pra quem tem experiência e vitalidade.

Não sei porque esse medo todo de que São Paulo tenha o presidente da CBF. No mínimo seria justo que o Estado que mais contribuiu para o sucesso do futebol brasileiro, também comande o esporte. Garanto que ao menos a ética será maior, ao mesmo tempo em que diminuirão os favorecimentos. E algo me diz que Marco Polo del Nero pode ser um presidente bem melhor do que os últimos que passaram pelo cargo.

A Globo teve de abrir as… ou melhor, a cabeça

Santos e São Paulo, ao contrário do que a TV GLobo queria, farão o grande clássico desse domingo, em um jogo com muito mais atrativos do que seria o confronto do alvinegro com o alviverde da capital. É mais uma lição que, espero, a rede de tevê aprenda: a regra que deveria nortear a divisão de cotas para os clubes é a meritocracia e não a quantidade hipotética de torcedores. Garanto que o ibope de Santos e São Paulo baterá todos os recordes do ano. Como já dizia Joãozinho Trinta, “povo gosta de luxo, quem gosta de miséria é intelectual”. Futebol de bom nível dá muito mais ibope. Não adianta empurrar porcaria pro povo.

E você, o que acha disso?