Laércio Alves é um escultor de São Vicente que usa uma técnica original, com arames. Fui apresentado a ele pelo pessoal do Memorial das Conquistas e o levei ao marketing do Santos. A ideia original era a de que, se o Santos fosse campeão da Copa Libertadores no ano passado, a cidade teria esculturas dos jogadores espalhadas pelas ruas.

Acho que pelo pouco tempo disponível, não foi possível realizar o plano (se bem que a ideia continua boa). De qualquer forma, Laércio Alves foi convidado para fazer a estátua de Neymar no Memorial – uma imagem metálica, como um cavaleiro cibernético, bem moderna mesmo.

Agora, nesta madrugada de quarta-feira, recebo o seu convite para a exposição de suas obras no Memorial das Conquistas. Claro que tenho de lhe dar o espaço devido. A arte tem tudo a ver com o Santos (ainda espero, neste Centenário, falar de poesia, teatro, músicas do Santos. Artistas, por favor, mãos à obra).

Peço que os santistas prestigiem a obra de Laércio Alves, um escultor da terra que está usando sua arte para divulgar o time que é símbolo do futebol-arte. Não é preciso convite para ter acesso à exposição. Em todo o caso, o convite está aí abaixo. Divirta-se.

Agora veja o ídolo Neymar na visão do escultor Laércio Alves:

Quem é Laércio Alves

O artista Laércio Alves, paulista de Rio Claro, conta que começou a trabalhar com arame em 1997, era funcionário da Robert Bosch, em Campinas:

“Eu fazia os brindes promocionais para a empresa, aproveitando material reciclado. Certo dia, quando estava escolhendo o material que me seria útil para fazer meu trabalho, deparei-me com alguns rolos enormes de fios de cobre. Observando aquele material que tinha nas mãos, logo deduzi que poderia me utilizar daqueles fios para confeccionar minhas esculturas: arte que eu sonhava desenvolver.”

Laércio confessa que, no começo, não foi nada fácil realizar o que ele pretendia. As dificuldades, contudo, não o desanimaram. Com determinação e muita paciência, o artista foi pouco a pouco adquirindo habilidade de lidar com aquele material ao mesmo tempo em que criava sua própria técnica. Sua força de vontade fez com que seu trabalho fosse se aperfeiçoando cada vez mais!

Pensou em fazer a escultura de Pelé durante a Copa de 2010 e desde então o futebol tem sido uma de suas inspirações.

Laércio estudou desenho artístico na Escola Arquimedes, de Campinas, em 1987; e cenografia no Centro de Pesquisa Teatral Antunes Filho, em São Paulo, no ano de 1997.

Perguntei-lhe se era santista, e ele me respondeu:

“Confesso que fui me tornando santista desde muito jovem ainda. Santista sobretudo de coração, emoção e identidade, algo que não dá pra definir em palavras. Tenho muita admiração pela história do clube e dos jogadores do Santos. Aprendi a ter essa admiração com meu velho pai, que me contava e me conta até hoje do orgulho de assistir ao Santos jogar, mesmo sendo ele um cruzeirense daqueles. Essa admiração pelo Santos é nata em todos que admiram o verdadeiro futebol arte. A beleza de uma boa jogada que se materializa em poesia e manifesta- se no ousado e inesperado, genialidade humana que se auto supera!”

Você não acha que arte e Santos tem tudo a ver?