Meu primeiro contato com os jornalistas argentinos especializados em esporte – nos Jogos Pan-americanos de Porto Rico, em 1979 – me deu a certeza de estar diante de profissionais mais bem preparados do que nós, brasileiros. E também de mais bom gosto, que, apesar de toda rivalidade que pode existir entre equipes e países, sabem valorizar o mérito, o nível técnico superior, a arte.

Não me surpreende a capa de hoje do jornal Olé, escancarando a foto de Neymar e anunciando, com a surpresa autêntica de todo amante do futebol bem jogado, a resposta que o Menino de Ouro e o Santos deram ao Bolívar depois dos maus tratos recebidos em la Paz.

Não podemos nos esquecer que foram os argentinos, mais precisamente seus exigentes críticos de futebol, que elegeram o Santos dos anos 60 como o melhor time de futebol de todos os tempos. A revista El Gráfico, a melhor de futebol na América do Sul, ouviu especialistas da América do Sul e da Europa em uma enquete abrangente e imparcial, como só uma imprensa séria poderia fazer.

Perceba que ao divulgar Neymar e o Santos, a imprensa argentina também já está promovendo, de forma positiva, o duelo entre Santos e Vélez Sarsfield, pelas quartas de final da Libertadores. Alguém tem dúvida de que o primeiro jogo entre ambos, na Argentina, terá casa cheia?

Aplausos para o torcedor do Santos que foi à Vila Belmiro

Havia o motivo, a oportunidade e a certeza da impunidade. Como o Santos foi muito mal tratado na Bolívia e como a Conmebol tudo permite às torcidas, só mesmo o caráter e a disciplina dos santistas que foram à Vila Belmiro impediram que as cenas vergonhosas de La Paz se repetissem.

Além do show em campo – uma inesquecível aula de futebol aos bolivianos -, os torcedores do Santos também deram um espetáculo nas arquibancadas, preocupando-se apenas com o Alvinegro Praiano e tratando com a merecida indiferença os adversários que não sabem o que é futebol.

Gostou da capa do jornal Olé? Por que no Brasil não fazem capaz assim?