José Carlos Peres, de pé, à esquerda, explicando a Ricardo Teixeira e outros dirigentes a necessidade histórica de se ratificar os títulos brasileiros desde 1959 (Foto: Assessoria de Imprensa da CBF).

Do primeiro ao último minuto de amanhã, terça-feira, este blog estará oferecendo o “Dossiê – Unificação dos Títulos Brasileiros a Partir de 1959” pela metade do preço. De R$ 60,00, por apenas R$ 30,00. E por que isso? Porque a manutenção da história depende de quem se interessa por ela, e acho que os leitores deste blog estão entre os mais interessados em preservar a Unificação que foi obtida com muito custo em dezembro de 2010, por meio de um trabalho realizado por José Carlos Peres e por mim.

Com o início de mais um Campeonato Brasileiro, percebe-se claramente os veículos de imprensa que respeitam a história oficial do futebol brasileiro, e os que desrespeitam, tentando criar uma situação mentirosa, favorável a alguns clubes. O Brasil tem campeões nacionais desde 1959. Essa é a única realidade. Isso está provado e oficializado, em documento chancelado pela CBF, Conmebol e Fifa. Qualquer tentativa de esconder esse fato deve ser repudiada pelo amante do futebol.

Ao anunciarem os confrontos diretos dos times que jogam o Campeonato Brasileiro, os veículos se denunciam. Quem conta apenas a partir de 1971 está burlando a história oficial. Vimos exemplos bons e ruins nessa primeira rodada do Brasileiro. Para que não se continue ignorando a vrdadeira história, o único remédio é o conhecimento, e este está inserido no Dossiê. Nossa obrigação é divulgá-lo.

Não se pode obrigar jornalistas a serem profissionais, se hoje nem ao menos há a obrigatoriedade do diploma universitário para exercer a profissão. Mas se pode exigir, sim, que não mintam e sejam éticos. A história dos campeões brasileiros e, consequentemente, dos confrontos diretos em competições nacionais deve ser contada desde 1959, ano da primeira Taça Brasil, que definiu o Bahia como o primeiro campeão nacional e primeiro representante do País na Copa Libertadores da América.

Seja um fiscal da Unificação


Minha explanação no Itanhagá Golf Club, durante cerimônia da CBF que anunciou a Unificação dos Títulos Brasileiros (imagem tirada da tevê)

Com o Dossiê em mãos, você pode ser um fiscal da Unificação, pode cobrar a divulgação da verdadeira história dos campeões brasileiros e também informar aos jornalistas de sua cidade que não tenham o Dossiê (infelizmente, os jornalistas, que deveriam ser os mais interessados, costumam ser os mais ignorantes, preguiçosos e presunçosos, pois dificilmente adquirem um livro para aumentar seus conhecimentos na área em que atuam. Sabem que no Brasil basta “achar”).

E conto com você, porque já deu para perceber que os presidentes e as diretorias dos clubes contemplados com a Unificação – Bahia, Botafogo, Cruzeiro, Fluminense, Palmeiras e Santos -, que tanto comemoraram o feito, pouco ou nada têm feito para que a história se consolide. Peres e eu já adivinhámos essa postura e por isso decidimos imprimir o Dossiê e oferece-lo, como livro, a todos os interessados.

Com o inestimável apoio da Stil Graf, uma das gráficas mais conceituadas de São Paulo, produziu-se uma obra que nas livrarias não custaria menos do que 100 reais. Neste blog o Dossiê está sendo oferecido por R$ 60,00, praticamente o preço de custo, e amanhã, só amanhã, repito, poderá ser adquirido por apenas R$ 30,00. Só para que você o tenha e divulgue a história, antes que consigam apagá-la novamente.

O santista tem como perfil enfrentar os maiores obstáculos e não desistir nunca. Pois agora é preciso mais um esforço para que os títulos brasileiros anteriores a 1971 – conquistados justamente na época áurea do nosso futebol – não sejam jogados para baixo do tapete. Por isso, adquira o seu Dossiê e divulgue o seu conteúdo. Se já o tem, compre-o e faça uma doação a um jornalista de sua cidade. Se eles não vão até o conhecimento, que o conhecimento vá até eles.

Posso contar com você?