Ninguém duvida que a fórmula do turno e returno, com pontos corridos é, teoricamente, a mais justa para o Campeonato Brasileiro. Porém, do jeito que o calendário nacional é organizado, ela acaba sendo tremendamente desfavorável para os times que chegam às fases finais da Copa do Brasil e da Copa Libertadores da América, obrigados a usar reservas nas primeiras rodadas do Brasileiro.

Isso está provocando uma situação no mínimo insólita após quatro rodadas do nacional. O lanterninha é o Corinthians e o vice-lanterna é o Palmeiras, ambos com apenas um ponto ganho. O Santos, que jogou com reservas, perdeu para o São Paulo por 1 a 0, no Morumbi (gol de Paulo Miranda, de cabeça, logo no início da partida), não está muito melhor, com três pontos e nenhuma vitória.

Estes três grandes paulistas estão sendo obrigados a poupar seus titulares, enquanto clubes que já foram eliminados tanto da Libertadores, como na Copa do Brasil, estão se valendo do fato de poder utilizar sua melhor formação para saltar para as primeiras posições.

É claro que os técnicos devem mesmo poupar os melhores jogadores para as competições que tem mais peso, mas isso pode provocar situações constrangedores. Já aconteceu várias vezes antes e, pelo jeito, este ano veremos novamente finalistas da LIbertadores e da Copa do Brasil passarem boa parte do Brasileiro lutando para sair da zona de rebaixamento.

Isso costuma ocorrer por dois motivos principais: 1 – Devido ao equilíbrio do Brasileiro, é muito difícil tirar uma diferença de 10, 12 pontos para os líderes, mesmo tendo muitos jogos pela frente. 2 – Os jogadores saem esgotados física e psicologicamente de uma fase final de Copa do Brasil e Libertadores, e depois é muito difícil manter a motivação nos jogos do campeonato nacional.

Uma fase final com oito equipes seria ideal

Do jeito que o calendário está, seria bem mais plausível que os oito mais bem classificados do Brasileiro disputassem uma fase decisiva para chegar ao título. Ou em jogos eliminatórios, como em 2002, ou em uma divisão de dois grupos de quatro, saindo dois times de cada um para as semifinais.

O fato de poder lutar pelo título colocando-se ao menos no G8 na fase de classificação daria uma motivação bem maior aos times que hoje só entram verdadeiramente no Brasileiro depois que encerram suas participações na Copa do Brasil e na Copa Libertadores.

Você não acha que o Brasileiro deveria ter um octogonal decisivo?