Como parte das comemorações do Centenário do Santos, o Sesc Santos abre hoje, às 20 horas, a exposição fotográfica “Imagens de uma paixão: 100 anos da Torcida do Santos”, que retrata a paixão do torcedor a uma das mais importantes instituições futebolísticas do mundo. O conteúdo fotográfico foi selecionado através de concurso e oficinas.

Estão previstas as presenças do artilheiro Serginho Chulapa, ídolo do Santos na época em que o time lotava estádios e batia recordes de público, e o presidente Luis Álvaro. Estarei lá, como mediador, relembrando com eles e com o público boas histórias da torcida santista.

O Sesc Santos fica na Rua Conselheiro Ribas, 136, bairro Aparecida, perto do Canal 6, em Santos. Telefone: (13) 3278 9800. e-mail:n email@santos.sescsp.org.br

Fico muito feliz com a união dessas duas grandes instituições – o Sesc e o Santos Futebol Clube – para uma exposição que mostra o talento fotográfico dos santistas e homenageia aquele que é o motivo da existência de um time de futebol, que é o seu torcedor. Espero ve-los lá.

Encerram-se hoje as inscrições para o Curta Santos

Se você tem um belo curta-metragem sobre o Sabntos e ainda não o inscereveu no Festival Curta Santos, um dos maiores festivais de curta-metragens do Brasil, o dia é hoje. Encerramp´se nesta sexta-feira as inscrições para a 10ª edição do Curta Santos, que neste ano está homenageando o Centenário do Santos Futebol Clube. Mais de 600 produções já foram enviadas à organização do Festival.

Os interessados devem ler o regulamento e preencher a ficha de inscrição no site oficial www.curtasantos.com.br. Dúvidas podem ser enviadas para o endereço eletrônico contato@curtasantos.com.br ou então esclarecidas diretamente pelo telefone (13) 3018-9020.

Segundo a diretora de mostras do Festival, Tássia Albino, a qualidade das produções recebidas até o momento evidencia uma grande disputa pela frente. “Será muito acirrada. Nota-se uma grande melhora em comparação ao ano passado”, explica. No primeiro balanço, realizado há um mês, o Nordeste liderava o número de envios. Agora o Sul e Sudeste estão lado a lado, no topo da lista.

As mostras especiais dedicadas ao Santos Futebol Clube, abertas para filmes de amadores ou profissionais, são duas: Curta Santos F.C., para filmes com até 10 minutos de duração, e Curta Minuto, filmes de apenas 60 segundos. Você tem um, mesmo feito em celular? Ficou bom? Então o inscreva. Mas tem de ser hoje!

O 10º Curta Santos – Festival de Cinema de Santos será realizado em setembro e contará com sete dias de programação totalmente gratuita. O Festival tem como objetivo fundamental oferecer ao público sessões de curtas, médias e longas-metragens com produções de qualidade, que estão fora do circuito comercial. Mesas redondas, oficinas e debates com profissionais da área sustentam a proposta. Será mais uma oportunidade de falarmos do nosso querido Santos Futebol Clube.

Dogão Calabresa, um clássico

Por falar em curtas-metragens, aproveito para lembrar um filme que considero um dos melhores já produzidos. Trata-se de “Dogão Calabresa”, de 2003, dirigido e editado por Pedro Asbeg, com fotografia de Andrea Cassola, Felipe Nepomuceno, Jorge Manrique e Pedro Asbeg e still de João Paulo.

Os caras foram ao segundo jogo da final do Campeonato Brasileiro de 2002 mas não entraram no estádio. Ficaram do lado de fora, ao lado das barraquinhas, captando a reação dos ambulantes – quase todos torcedores do alvinegro da capital – ao que acontecia em campo. Vale a pena rever:

Segunda-feira será lançado o livro do genial Coutinho. Prestigie!


Coutinho conta a sua história, em parceria com Cacá Fernando

O livro “Coutinho, o gênio da área”, escrito pelo jornalista Carlos Fernando Schinner, narrador da Band News, e editado pela Realejo Livros, de Santos, será lançado na próxima segunda-feira em São Paulo e no dia seguinte em Santos. Na segunda o evento será às 19 horas na livraria Saraiva do Shopping Eldorado, e na terça o reencontro com o artilheiro será às 18 horas, no Memorial das Conquistas da Vila Belmiro.

Nascido em Piracicaba e descoberto pelo técnico Lula quando atuava por um time chamado Palmeirinha, Wilson Honório – que a mãe chamava de “Coto” – veio para o Santos com apenas 14 anos e aos 16 já tinha ganhado a posição do craque Pagão.

Com 370 gols, Coutinho é o terceiro maior artilheiro da história do Santos. Seria titular da Copa de 1962 não fosse uma contusão de última hora. Todas essas histórias são contadas em um livro de 304 páginas, vendido por 48 reais.

É muito importante que estejam saindo tantos livros sobre o Santos e seus ricos personagens. Só mesmo assim se mantém a história e se consolida todas as conquistas de um clube de futebol. O que é esquecido acaba sendo apagado também da história. Parabenizo Coutinho e ao jornalista e amigo Cacá Fernando pela obra e lhes digo que, como todo livro, ele já é um sucesso pelo simples fato de existir e de significar o fim de um trabalho que certamente foi árduo e paciente.

Posso contar com você nesses eventos do Centenário do Santos?