O estreante Miralles e Felipe Anderson no treino de sexta-feira (fotos de Ricardo Saibun – Santos FC)

A última vez em que Miralles enfrentou o Inter, pelo Grêmio, foi no segundo turno do Gauchão. O Inter venceu por 2 a 1 e Miralles, que começou jogando no ataque, ao lado de André Lima, acabou substituído por Marquinhos, ex-Santos. No Alvinegro Praiano Miralles fez um único coletivo e já foi escalado. Uma grande atuação sua hoje, ao lado de Dimba, seria uma surpresa, quase um milagre.

Sem Neymar, Ganso e Rafael, servindo à Seleção Olímpica, e ainda sem Edu Dracena e Léo, machucados, o Santos dependerá de garotos como Bruno Peres, Felipe Anderson e Dimba e do argentino Miralles, que faz sua estreia, para buscar um bom resultado contra o Internacional, às 16 horas, em Porto Alegre. A missão seria ainda mais ingrata se o adversário também não estivesse muito desfalcado.

Mas o Inter, do técnico Dorival Junior, também estará desfalcado de D’Alessandro, Oscar e Leandro Damião, o que tornará as coisas mais equilibradas. Dorival deverá escalar a equipe com Muriel, Nei, Bolívar, Índio e Fabrício; Elton, Guiñazu, Lucas Lima, Mike e Jajá; Dagoberto.

O professor Muricy Ramalho deverá levar a campo Aranha, Bruno Peres, Bruno Rodrigo, Durval e Juan; Adriano, Arouca, Henrique e Felipe Anderson; Miralles e Dimba.

Nada menos do que 16 jogadores que atuaram no confronto pela Libertadores que o Santos venceu por 3 a 1, na Vila Belmiro, não estarão presentes na partida de hoje.

A arbitragem será de Wagner do Nascimento Magalhães (RJ), auxiliado por Fabrício Vilarinho da Silva (Fifa/GO) e Rodrigo Henrique Corrêa (RJ).

Minha previsão

O fato de jogar em casa aumenta as chances de vitória do Inter, mas o Santos costuma jogar bem e obter bons resultados lá no Beira-Rio, onde já conseguiu cinco vitórias. Como o time gaúcho também estará bem desfalcado e o Santos tem um sistema defensivo mais firme, acredito que no mínimo o Alvinegro Praiano voltará de Porto Alegre com um pontinho.

Estou curioso para ver como se sairão Felipe Anderson, Miralles e Dimba. Torço muito pelo trio, mas sei que é difícil se entrosar bem logo na primeira vez que atuam juntos. É isso. Vamos pro jogo!

História do confronto Santos x Internacional

Por Wesley Miranda

Santos e Internacional se enfrentaram 60 vezes ao longo da história, e o Alvinegro ganhou 24, contra 20 vitórias coloradas e 16 empates. O time santista marcou 81 gols e sofreu 77. O Santos nunca perdeu para o Inter jogando na Vila Belmiro. Em 15 jogos, foram 11 vitórias.
Em Brasileiros, desde o Torneio Roberto Gomes Pedrosa de 1967, são 50 jogos, com 21 vitórias do Santos, 17 do Internacional e 12 empates. O Peixe marcou 65 e o Colorado 62.

Santos V, E, D
Copa Libertadores 1, 1, 0
C. Brasileiro: 21, 12, 17
Copa do Brasil: 1, 1, 2
Sulamericana: 0, 1, 0
Amistosos: 1, 1, 1


Neymar superou Pelé e é o maior artilheiro contra o Colorado

O artilheiro do Santos no confronto
O artilheiro santista no confronto é Neymar, com 5 gols. Em 7 jogos contra o Internacional, a Jóia venceu dois jogos contra uma derrota e quatro empates. Na vice artilharia vem Pelé com 4 gols. O Rei atuou em 8 partidas, vencendo 5, perdendo 2 e empatando 1. Com 3 gols cada, dois centroavantes com bastante faro de gols: Paulinho Mclaren, artilheiro do Brasileirão 1991 (15 gols) e o artilheiro do Brasileiro 2008, Kléber Pereira (21 gols).

Poucos jogos na história
Por se tratar de dois times centenários e de grande destaque no cenário nacional, a marca de 60 partidas é pequena, já que o primeiro confronto aconteceu apenas em 1935, em um empate de 1 a 1 no Rio Grande Sul. Tendo Sacy marcado o primeiro gol do Santos na história do duelo.
O segundo jogo demorou mais 14 anos para acontecer: 4 a 0 para o Santos, no Rio Grande Sul. Gols do arquiteto da bola Antoninho Fernandes, Arthurzinho, Telesca e Juvenal.
O terceiro confronto só foi acontecer 12 anos depois, em 1958, mais uma vez no Rio Grande do Sul, e dessa vez, com vitória gaúcha por 5 a 1. Essa é até hoje a maior goleada do Inter do confronto. Mas teve vingança…

A maior goleada do Santos
Quase nove anos depois, no Torneio Roberto Gomes Pedrosa de 1967, o Robertão, o Brasileiro da época! E foi, digamos, com um gostinho especial, já que era março e o Santos já tinha jogado na Argentina, na Colômbia, nos EUA, no Chile, no Peru e nas duas primeiras rodadas do Robertão, em Minas (Atlético-MG) e Rio Grande do Sul (Grêmio), mas ainda não tinha atuado para sua torcida! E o jogo no Pacaembu, na noite de 15 de março de 67, apresentou uma goleada de 5 a 1 do Alvinegro Praiano, com gols de Toninho Guerreiro, Copeu (2), Edu e, para delírio da torcida, aos 43 minutos, Pelé de pênalti! O suficiente para os jornais estamparem em suas capas: o Rei voltou!
E com imagens raras do primeiro tempo, destaco este jogo da maior goleada santista do confronto.

Santos no Beira-Rio
Se o Internacional nunca conseguiu a vitória jogando na Vila Belmiro, o Santos já obteve cinco triunfos no Beira-Rio em 27 jogos. Foram 10 empates e 12 vitórias coloradas.
A primeira vitória santista no Beira-Rio, por 2 a 1, foi pelo quadrangular decisivo do Torneio Roberto Gomes Pedrosa de 1968. A segunda ocorreu no dia 28/11/1973 pelo Campeonato Nacional. O Peixe bateu o time gaúcho por 2 a 0, com gols de Mazinho e Pelé.

Fase final
No campeonato Brasileiro de 1974 Santos e Internacional terminaram empatados em pontos, mas Santos teve melhor saldo de gols, terminando em terceiro lugar.
Veja o confronto no quadrangular final que praticamente sacramentou a eliminação do time colorado. Vitória do Santos por 2 a 1 com gols de Brecha e Fernandinho. Claudiomiro marcou para os gaúchos.

O fim de um jejum
Pelé tinha parado em 1974 e desde então o Santos não tinha mais vencido equipes de Porto Alegre, Belo Horizonte e Rio de Janeiro em Brasileiros. E foi contra o atual campeão, o forte Internacional de Falcão, que o Peixe encerrou o jejum em 27/03/1980, no Morumbi, pela oitava Rodada do grupo C: 1 a 0 com gol de Nilton Batata. A vitória deu também o título do grupo e colocou o Santos como segundo na classificação geral!

O jejum do Internacional
O Inter ficou de 1978 a 1995 sem vitórias sobre o Santos. Nesse período foram disputados sete jogos, com quatro vitórias santistas e três empates. O jogo mais curioso desse período foi, certamente, o de 1992…..
Logo aos 18 minutos de jogo o goleiro paraguaio Gato Fernandez tentou catimbar em cima de Paulinho McLaren, batendo a bola perto de seus pés. Paulinho, que era matador e tinha sido artilheiro do Brasileiro de 91, esperou a hora certa do segundo quique da bola, acabou com a brincadeira e colocou a bola no fundo do barbante. Pronto, ali começou a confusão, e no meio dela foram expulsos Marquinhos, Gérson (aquele mesmo revelado pelo Santos na Taça SP 84) e o próprio causador do problema, Gato Fernandez. Mas mesmo jogando contra apenas oito jogadores, o Santos encontrou dificuldades para furar a defensiva do Inter e só aumentou o placar aos 12 minutos do segundo tempo, com Cilinho, que também marcou aos 15. Axel completou aos 21 minutos. Todos em arremates e rebotes de longa distância, devido ao congestionamento da defesa colorada. Faltando menos de 10 minutos para o fim do prélio, os jogadores do Inter, Canhoto e Lima, se “contundiram”. Com seis jogadores em campo pelo lado do Inter o árbitro José Roberto Wright encerrou a partida.

Goleada do Santos
Brasileirão 1997, grupo B, segunda fase, Santos e Internacional. No Morumbi, o Santos aplicou um sonoro 4 a 0, com gols de Alexandre, Muller, Marcos Assunção e o ex-colorado Caíco. Mas a nota principal do jogo foi a expulsão de Luxemburgo pelo árbitro Cláudio Vinicius Cerdeira. O técnico reclamou da atuação do árbitro, que desfalcou o Santos de cinco titulares para a partida seguinte.

O artilheiro dos gols bonitos
Em uma das quatro vitórias do Santos no Beira-Rio, por 2 a 1, no dia 02/10/1999, aconteceu um dos gols mais bonitos do confronto! O golaço de Dodô vale a pena ser conferido de novo!

Algoz do Santos
Apesar da vantagem alvinegra em confrontos, o Inter eliminou o Santos em duas Copas do Brasil. Em 1997 o Alvinegro Praiano venceu na estreia do enfim reformado gramado da Vila por 2 a 0, com gols de Macedo e Robert. No Beira-Rio, entretanto,o Santos perdeu pelo mesmo placar e a disputa foi para os pênaltis. E depois de Marcos Assunção, Robert e Sandro perderem suas penalidades, o Inter eliminou o Santos ganhando por 3 a 2.
Em 2002, na Vila Belmiro, houve empate de 3 a 3, com gols de Oséas(2) e Odvan. No Sul o Santos perdeu por 1 a 0 e deu adeus à competição.

Segunda jamais
A situação do Santos no Brasileiro de 2008 era complicada e o jogo contra o Internacional era um divisor de águas. Na 35ª rodada, o Inter foi à Vila e perdeu por 1 a 0, com um gol pra lá de estranho. Michael Jackson Quiñónez do arrematou muito torto, mas Gustavo Nery desviou contra o próprio gol, aos 24 minutos do segundo tempo. Com o resultado, o Santos abriu seis pontos da zona da degola. O Peixe não venceu mais nos últimos 3 jogos (1 derrota e 2 empates), mas essa vitória foi suficiente para mantê-lo na primeira divisão!
Mesmo com a péssima campanha de 2008, o Santos venceu seus dois jogos contra o Internacional. No primeiro turno, em Porto Alegre, na estréia de D’ Alessandro, Maikon Leite marcou o único gol do jogo. Reveja:

Um jogo épico
Em partida válida pelo Campeonato Brasileiro de 2011, o Colorado do técnico Dorival Jr, abriu 3 a 0, jogando no Beira Rio. Parecia que a vitória era inevitável. E foi só aos 31 minutos do segundo tempo que Borges diminuiu. Parecia inacreditável, mas Alan Kardec fez o segundo aos 35 e Borges empatou aos 41 minutos com um golaço, o seu 14º gol no certame! Um épico na história do confronto.

Show de Neymar
Em partida válida pela 1ª fase da Libertadores 2012, Neymar fez mais uma de suas belas exibições, marcando os três gols da vitória santista por 3 a 1 na Vila Belmiro. Os dois últimos tentos da Jóia foram de placa.

Quem já sentiu o gostinho
Do atual elenco santista, só Neymar sentiu o gostinho de marcar contra o time gaúcho, além do auxiliar do Muricy, o Tata, que marcou o único gol na derrota santista por 3 a 1, em 1976, em um Morumbi tomado pela torcida do Alvinegro Praiano.

E você, o que espera do Santos de Miralles hoje no Beira-Rio?