O Santos enfrenta o Náutico neste domingo, às 18h30m, no Estádio dos Aflitos, em Recife, e o jogo realmente deverá conter muita aflição. Os dois times estão pertinho da zona de rebaixamento e o Alvinegro Praiano ainda não conseguiu uma vitória fora de casa. Pior do que isso: ainda não marcou nenhum gol atuando no campo do adversário. Será que desta vez o time desencanta?

As perspectivas não são muito animadoras. O meia atacante Bernardo, que deveria voltar nesta partida, sentiu novamente a distensão e ficará mais alguns dias fora do time. Com isso, o ataque deverá ser formado pelo garoto Victor Andrade e o centroavante Bill (a única alteração prevista é a entrada de Miralles no lugar de um ou outro). A armação das jogadas dependerá do garoto Felipe Anderson.

A lógica é mais um 0 a 0, que seria o oitavo do Santos em 13 jogos. Mas, quem sabe, em uma bola parada, ou em um lance fortuito, o Alvinegro Praiano consegue uma vitória que seria muito importante.

Retrospecto de Santos e Náutico

Por Wesley Miranda

Santos e Náutico se enfrentaram apenas 28 vezes ao longo da história, com 12 vitórias santistas contra 8 vitórias pernambucanas e 8 empates. O Alvinegro Praiano marcou 48 gols e o Alvirrubro 30.

Em Brasileiros, desde o primeiro encontro, nas semifinais da Taça Brasil 1966, aconteceram a maioria dos confrontos. Em 26 jogos, foram 14 vitórias do Peixe contra oito vitórias do Timbu e quatro empates.

Os principais artilheiros
O artilheiro santista do confronto é Toninho Guerreiro, com sete gols. Ele marcou os gols nas semifinais de 1966. Em seguida, Edu e Dino Furacão, com quatro gols cada.

Os primeiros encontros
Mesmo disputando o Campeonato Paulista, o Santos conciliou o calendário para “dar um pulo” em Pernambuco em 1955 para enfrentar a elite do estado; Náutico, Santa Cruz e Sport. O primeiro jogo foi contra o Timbu, na Ilha do Retiro, no dia 21/10/1955, empate em 1 a 1, tendo o ponteiro Tite anotado o tento santista. Na excursão, o futuro campeão paulista de 55 empatou com o Santa Cruz em 1 a 1 e o Sport Recife em 2 a 2.

O segundo encontro entre Santos e Náutico aconteceu da mesma forma, uma rápida excursão no Nordeste em plena disputa do Campeonato Paulista de 1957. O jogo aconteceu no dia 04/10/1957 e novamente um empate, esse sem gols.

Na excursão, o Santos também enfrentou duas vezes o Sport Recife, vencendo uma por 2 a 1 e empatando a outra por 1 a 1. No intervalo dessas partidas, foi até São Luis, no Maranhão, enfrentar o Sampaio Corrêa e vencer por 2 a 1, com dois tentos do iniciante Pelé. Essa foi a primeira excursão no Nordeste da então promessa santista.

Toninho Guerreiro x Bita
Se os primeiros encontros entre Santos e Náutico aconteceram amistosamente, nove anos depois os confrontos foram decisivos: as semifinais da Taça Brasil de 1966.

Para chegar às semifinais, o então atual campeão Brasileiro, o Santos, conquistou o Campeonato Paulista de 1965. O Náutico eliminou o Vitória da Bahia vencendo os dois jogos (3 a 0 e 3 a 2) na final do Grupo Norte/Nordeste. E quando todos esperavam mais uma semifinal entre Santos e Palmeiras (a terceira consecutiva) o time pernambucano surpreendeu e eliminou o alviverde em uma série de três jogos (0x0, 0x0 e 3×0).

A primeira partida das semifinais da Taça Brasil de 1966 aconteceu em Recife no dia 09/11. O Santos venceu por 2 a 0, com gols de Pelé e Pepe. Com esse resultado, bastava apenas um empate no jogo da volta, no Pacaembu, para os comandados de Lula se qualificarem para a grande final.

Mas o time alvirrubro endureceu a disputa e ganhou por 5 a 3, com quatro gols do artilheiro Bita e um de Miruca. Toninho Guerreiro marcou os três gols do Santos nessa partida do dia 17/11. Essa é considerada pelo torcedores do Timbu como uma das maiores glórias do Náutico.

Dois dias depois, no mesmo Pacaembu, as duas equipes voltaram para a grande decisão. Mais uma vez, brilhou a estrela de Toninho Guerreiro, que marcou os quatro gols da vitória por 4 a 1. Bita anotou o tento do Náutico, chegando ao décimo. Com os outros três gols na grande final contra o Cruzeiro, Toninho Guerreiro também chegou ao décimo tento e terminou artilheiro do certame junto com o artilheiro pernambucano.

O Santos já teve por 10 vezes o artilheiro de uma edição de Brasileiro, e é o recordista.

1961 – Pelé 7 gols
1962 – Coutinho 7 gols
1964 – Pelé 7 gols
1966 – Toninho Guerreiro e Bita(Náutico) 10 gols
1983 – Serginho Chulapa 22 gols
1991 – Paulinho Maclaren 15 gols
1993 – Guga 14 gols
1998 – Viola 21 gols
2008 – Kleber Pereira, Keirrison(Coritiba) e Washington(Fluminense) 21 gols
2011 – Borges 23 gols

Os opostos
Na conquista do Roberto Gomes Pedrosa, o Robertão de 1968, o Santos enfrentou o Náutico na Ilha do Retiro e ganhou por 3 a 0, com gols de Edu (2) e Pelé.

E se o Santos terminou como campeão do certame (o sexto título nacional), o Náutico ficou com última posição da tabela. Em 16 jogos, foram duas vitórias, quatro empates e 10 derrotas.

Chulapa
Em jogo válido pela Copa Brasil, o Campeonato Brasileiro de 1984, Santos e Náutico se enfrentaram na Vila Belmiro. O Peixe contava com a volta de Serginho Chulapa, que desfalcara a equipe nos dois jogos na Colômbia válidos pela Libertadores (3 a 0 Atlético Jr e 0 a 1 América de Cali).

O time do técnico Chico Formiga ganhou por 4 a 2 de virada com gols de Serginho Chulapa (2) Paulo Isidoro e Gersinho.

Veja os gols da partida e, ao final, uma entrevista com o irreverente e polêmico Chulapa, então novo artilheiro da competição com 12 gols.

www.youtube.com/watch?v=0yhTJxeAHis

Classificação com show de Dino Furacão
Sem contar com o gripado Serginho Chulapa, o técnico Chico Formiga escalou em seu lugar Dino Furacão, que estava na Vila Belmiro por empréstimo junto ao São Bento de Sorocaba. E foi com o desconhecido atacante que o Santos goleou o Náutico por 5 a 0 na Vila Belmiro pela Copa Brasil, Campeonato Brasileiro 1986.

O jogo
O Peixe abriu o marcador só aos 28 minutos do primeiro tempo, com Dunga. O capitão do Tetra acertou um belo chute cruzado. Aos 46 minutos, entrava em cena Dino Furacão. O atacante partiu do meio campo, deixando o lateral Beto para trás e driblando o goleiro Rafael para marcar o segundo tento santista. Na segunda etapa, Dino marcou aos 10′, 24′ (pênalti) e aos 40′, fechando a goleada de 5 a 0 e chegando a artilharia do Santos no campeonato, com cinco gols. O atacante já tinha marcado um na vitória de 3 a 0 sobre o Operário MT.

Com o resultado, o Santos garantiu a classificação para a outra fase do Campeonato Brasileiro.

Curiosidades
Os quatro gols de Dino Furacão nos 5 a 0 de 1986 fez o glorioso baiano ser um dos maiores goleadores santistas de um jogo de brasileiro.

Neymar, na vitória de 4 a 1 contra o Atlético PR, em 2011, igualou a façanha.

Antes, Coutinho marcou os quatro tentos na vitória de 4 a 0 sobre o Sport Recife na Taça Brasil 1962 e Toninho Guerreiro, também contra o Náutico, na Taça Brasil de 1966, na vitória de 4 a 1. Guerreiro também marcou quatro gols contra o Bahia na vitória de 9 a 2 do “Robertão” de 1968. E Pelé com quatro gols contra a Portuguesa na vitória de 6 a 2 do “Robertão” de 1969.

Vitória nos Aflitos em 92
Em partida válida pelo Brasileiro de 1992, Santos e Náutico se enfrentaram no Estádios dos Aflitos. Depois de um primeiro tempo sem gols, o placar só foi movimentado aos 24 minutos do segundo tempo, quando o recém chegado Guga fez assistência para Paulinho Maclaren marcar e se redimir do pênalti que tinha perdido aos 5 minutos do segundo tempo. Nos acréscimos, João Paulo, o papinha da Vila, tocou para Paulinho fechar o marcador.

www.youtube.com/watch?v=3zFtEzvp6_k

De virada em 2007
Santos e Náutico se enfrentaram pela 34ª rodada do Brasileiro de 2007, e o Santos venceu de virada, 2 a 1, com gols de Kleber Pereira e Pedrinho, ficando bem perto de conseguir classificação para a Libertadores 2008.

www.youtube.com/watch?v=hqE-Lhauhw8

Vitória nos acréscimos
No último encontro das duas equipes no estádio dos Aflitos, o Santos contou com gols de Neymar e de Rodrigo Souto, aos 46 minutos do segundo tempo, para vencer o Náutico por 2 a 1.

www.youtube.com/watch?v=eEyHEOFYJ6I

Neymar volta e dá vitória ao Santos
Sem vencer nas últimas cinco rodadas e com risco de rebaixamento, o Santos contava com a volta de Neymar, que servira a Seleção Brasileira Sub-17. Mas foi o experiente Kleber Pereira, convertendo penalidade aos 19 minutos do primeiro tempo, que abriu o marcador no Pacaembu. No segundo tempo, Neymar, que havmia entrado no lugar de Jean, marcou o segundo tento santista depois de assistência de adson. O Timbu ainda assustou quando Airton diminuiu na cobrança de pênalti aos 22 minutos. Mas Neymar, aos 43 minutos, marcou mais um golaço depois de nova assistência de Madson e definiu a vitória por 3 a 1.

O Santos chegou aos 45 pontos e afastou o risco de rebaixamento. O time pernambucano terminou o Brasileiro de 2009 rebaixado para série B.

www.youtube.com/watch?v=WYg0f8Tz4ZE

E você, o que espera de Santos e Náutico?