Segura os hómi: André, Ganso e Neymar estão juntos de novo!

Eu ia fazer um texto pedindo descanso ao Neymar, mas pelo que li e vi o próprio jogador está curtindo esse negócio de voltar de jatinho da Europa para jogar hoje à noite contra o Figueirense, em Florianópolis. Então, como diria minha avô Isaura, tudo que é de gosto é regalo da vida. Assim, com a volta de Neymar e Ganso ao time, além da volta de André, que andou surfando por alguns clubes antes de voltar para casa, por empréstimo, e com o simpático Patito Rodríguez, o Alvinegro Praiano tentará sua primeira vitória fora de casa neste Brasileiro.

Digo vitória porque me recuso a lembrar que o Santos sequer marcou um gol atuando no campo dos adversários. Quando o fato é muito vergonhoso, o melhor é tentar esquecer. E digo vitória porque Santos e Figueirense jamais empataram. Hoje, tudo indica que um ou outro levará os três pontos (se bem que para o professor Muricy o empate, mesmo em 0 a 0, não será considerado um mau resultado).

O santista gostaria de ver um time mais agressivo e muitos sugerem a entrada de Leandrinho no lugar de Adriano – que marca como um carrapato, mas que passa, dribla e chuta a gol também como um carrapato. Seria mesmo muito bom ver um time, do meio de campo para a frente, com Arouca, Leandrinho, Patito, Ganso, Neymar e André. Aliás, é o óbvio ululante, qualquer torcedor de boteco sabe disso, mas o nosso phd em futebol, o professô Muricy jamais abrirá mão de dois volantes, o que porá Leandrinho no banco e Adriano no time.

Na defesa, estou certo que se o Santos fosse escalado pela vontade dos torcedores, jogaria com Bruno Peres na lateral-direita, Émerson Palmieri ou Geuvânio na lateral-esquerda e dois zagueiros vindos da base. Está na hora de dar oportunidades a outros defensores. Durval é muito limitado para ser titular absoluto. No gol? Tanto faz Aranha ou Rafael.

Confrontos entre Santos e Figueirense

Por Wesley Miranda

Santos e Figueirense se enfrentaram 19 vezes ao longo da história, com 11 vitórias do Peixe contra 8 vitórias do figueira. O time santista marcou 38 gols e o time catarinense 28 gols.
Em Campeonatos Brasileiros com o primeiro encontro tendo acontecido em 1976, o confronto está empatado com 8 vitórias de cada lado. O alvinegro da Vila Belmiro marcou 31 gols e o Furacão do Estreito 28.

Artilheiro
O artilheiro santista na história do duelo alvinegro, é Robinho com cinco gols. Claudio Adão, Jonas Eduardo Américo o Edu, Elano e o guerreiro Léo com dois gols cada figuram na lista dos principais artilheiros do Peixe no confronto. Veja o restante:

Torneio Roberto Santos (Taça cidade de Salvador)
Para preencher o calendário dos times que não estavam classificados para a segunda fase do Brasileiro de 1975, o Governo do Estado da Bahia promoveu um torneio com as respectivas equipes: Santos, Bahia, Vitória, Atlético-MG, Vasco, Remo, Figueirense e Coritiba.
Na primeira fase, o Santos enfrentou no primeiro jogo o Bahia, e empatou em 1 a 1, com Pelé voltando a vestir a camisa do Santos por apenas 45 minutos. O Rei era embaixador do Torneio.
Na segunda partida do Santos no torneio, sem Pelé em campo, aconteceu o primeiro encontro com o Figueirense. O Peixe venceu os catarinenses por 3 a 2 com gols de Claudio Adão(2) e Brecha.
O Santos que saiu campeão do Torneio Roberto Santos ainda enfrentou o Atlético MG duas vezes (1×0 e 0x0 – pênaltis 4 a 3) e o Vitória na decisão (3 a 0)

Primeiro confronto em Brasileiros
O primeiro jogo em Brasileiros aconteceu no dia 04/09/1976 no Orlando Scarpelli. Vitória do Santos por 4 a 1 com gols de Edu (2), Tata e Aílton Lira.
O Peixe formou com Wilson; Mário Válter, Neto, Bianchi, Fernando, Carlos Roberto; Toinzinho, Zé Mário (Juary); Aílton Lira, Edu e Tata.
Primeiro gol em Brasileiro
O primeiro gol no prélio, aos 44 minutos da primeira etapa, foi de Tata, hoje, auxiliar do técnico Muricy Ramalho.
Zé Mário foi substituído pelo garoto Juary.

Copa do Brasil 1997
Sem confrontos por longos 21 anos, as duas equipes voltaram a se encontrar pela primeira fase da Copa do Brasil 97. Na primeira partida, no Orlando Scarpelli, no dia 13/03, o Santos ganhou por 1 a 0 com gol do paraguaio Baez aos 45 minutos do primeiro tempo.
O time do técnico Luxemburgo formou com Zetti; Ânderson Lima, Ronaldão, Narciso, Cássio; Marcos Assunção, Robert, Vágner, Alexandre (Caíco) Macedo e Baez (João Fumaça).
O autor do gol, o paraguaio Edgar Baez, foi contratado em 1996 e ficou até 1997 atuando em 28 jogos, marcando 7 gols.
Uma passagem discreta se não fosse a confusão dada na sua contratação. A diretoria achava que estava contratando o jogador da seleção paraguaia Richart Baez, e só descobriu que contratou o Baez errado depois do contrato assinado.

Jogo da volta
Com a vantagem da vitória em Santa Catarina, o Santos enfrentou o Figueirense na Vila Belmiro no dia 18/03 e venceu novamente, se classificando para as oitavas de final da competição. O time formou com Zetti; Ânderson Lima, Ronaldão, Sandro, Rogério Seves (Ronaldo Marconato); Marcos Assunção, Robert (Caíco), Vágner, Alexandre, Macedo e Baez (João Fumaça). Os gols da vitória por 3 a 2 foram de Alexandre, Macedo e Vágner.

A volta em Brasileiros
Pela terceira rodada do inesquecível Brasileiro de 2002, o Santos que havia ganho a primeira partida contra o Botafogo na Vila (2 a 1) e perdido a segunda para o Juventude no Sul (2 a 1), se reabilitou na Vila Belmiro no dia 21/08 com a vitória de 3 a 0 com gols de Léo, Renato e Douglas.
O jovem time do Santos do técnico Emerson Leão formou com Júlio Sérgio; Maurinho, Preto, Bernardi e Léo; Paulo Almeida, Renato, Elano (Willian) e Diego (Wellington); Robinho e Alberto (Douglas).

A primeira vitória
Somente na quarta partida da campanha do vice Brasileiro de 2003, que o Santos obteve sua primeira vitória no certame. E foi na Vila Belmiro, na antevéspera do aniversário de 91 anos do Santos FC que o peixe bateu o Figueirense por 2 a 0 com gols do meia improvisado na lateral direita Elano, e do centroavante Ricardo Oliveira.
O Peixe formou com Fábio Costa; Elano, Alex, André Luís e Léo; Paulo Almeida, Renato (Alexandre), Diego e Nenê (Wellington); Robinho (Rubens Cardoso) e Ricardo Oliveira.

No segundo turno no Orlando Scarpelli, no dia 16/08, o técnico Leão colocou na reserva o atacante Robinho que estava em má fase. O peixe saiu derrotado por 1 a 0 e perdeu a chance de assumir a liderança do campeonato.

Goleada longe de casa
Sem poder atuar na Vila Belmiro decorrente a punição de um rojão estourado em campo contra o São Paulo, o Santos teve que atuar na cidade de Mogi Mirim no dia 22/08/2004. Mesmo longe de sua casa, o Peixe goleou o Figueirense por 4 a 1 com gols de Robinho(2) Elano e Deivid e assumiu naquele momento a liderança do difícil campeonato Brasileiro 2004.
O Santos do técnico Luxemburgo formou com Tápia, Paulo César, André Luis, Antônio Carlos e Léo; Fabinho, Preto Casagrande, Ricardinho (Luis Augusto) e Elano (Basílio); Deivid (William) e Robinho.

Pela terceira rodada no primeiro turno, no dia 28/04, o Santos havia perdido no Orlando Scarpelli por 2 a 1 com gol de Robinho para o Santos. O time atuou com 10 jogadores durante quase todo segundo tempo. O volante Clayton foi expulso quando a partida estava 0 a 0.

Despedida do Robinho
Na dolorosa despedida da Vila Belmiro em sua primeira passagem, Robinho marcou dois gols de pênaltis na vitória por 4 a 3. A melancolia pela despedida do ídolo parecia não ter abatido o time, pelo menos nos primeiros minutos de jogo. O Peixe abriu 4 a 0 ainda aos 30 minutos iniciais. Élton e Giovanni (que fez excelente exibição) completaram o marcador. No segundo tempo o time catarinense reagiu e antes dos 15 minutos já tinha diminuído a diferença para 4 a 3. O Santos se segurou e garantiu a vitória que serviu de consolo para os mais de 18 mil santistas presentes naquela noite.
O time do técnico Alexandre Tadeu Gallo formou com Saulo; Bóvio, Ávalos, Luiz Alberto e Wendel; Zé Elias, Élton (Gavião), Ricardinho e Giovanni (Léo Lima); Robinho e Diego

No segundo turno, no dia 04/12, jogando no Orlando Scarpelli, sem pretensões no campeonato as duas equipes só cumpriram tabela, e o Figueirense venceu por 3 a 1 tendo o zagueiro Luiz Alberto anotado o tento santista.

Por vaga na Libertadores
No dia 21/10/2006, o Santos venceu o Figueirense na Vila Belmiro por 2 a 1 com gols de Rodrigo Tabata e Wellington Paulista e entrou na zona de classificação da Libertadores.
O Peixe de Luxemburgo formou com Felipe; Manzur, Ronaldo Guiaro e Luiz Alberto; André Oliveira, Cléber Santana, Zé Roberto, Rodrigo Tabata (André Luiz) e Kléber; Wellington Paulista (Rodrigo Tiuí) e Reinaldo (Jonas).

No primeiro turno, no dia 12/07, no Orlando Scarpelli, o Santos havia perdido por 2 a 1 com Rodrigo Tiuí anotando o tento santista.

Estreia de Kleber Pereira no time titular
No dia 22/07/2007, na Vila Belmiro, o Santos venceu o Figueirense por 3 a 1 com gols de Kléber Pereira (2) e Pedrinho. O artilheiro do prélio fez sua estreia no time titular. Ele havia jogado alguns minutos na partida anterior contra o Palmeiras.
O time formou com Fábio Costa; Alessandro (Dionísio), Domingos, Adaílton e Kléber; Rodrigo Souto, Adriano, Tabata (Carlinhos) e Pedrinho; Marcos Aurélio e Kléber Pereira (Moraes)

No segundo turno, no dia 21/10, no Orlando Scarpelli, o Santos foi derrotado por 1 a 0 com gol contra do lateral Kleber, e perdeu a oportunidade de assumir a vice liderança.

Duelo dos desesperados
Santos e Figueirense se enfrentaram na Vila Belmiro no dia 25/10/2008 para se livrarem da zona de rebaixamento. O Santos venceu o prélio por 3 a 0 com gols de Molina, Bida e Rodrigo Souto e subiu para a 12ª posição com 39 pontos. O Figueirense que seria rebaixado, ficou com 34 pontos, apenas dois pontos acima da zona de degola.
O Santos do técnico Márcio Fernandes formou com Fábio Costa; Pará, Adaílton, Fabão e Kleber; Rodrigo Souto, Roberto Brum (Adriano), Bida e Molina (Lima); Robson (Michael) e Kléber Pereira.

O Peixe devolveu o resultado de 3 a 0 sofrido no primeiro turno, no Orlando Scarpelli no dia 16/07.

Os últimos encontros
Sem poder contar com Neymar, Ganso e Elano que se juntaram ao grupo da seleção, o então recém campeão da Libertadores, ainda em clima de festejos, perdeu para o Figueirense por 2 a 1 no dia 29/06/2011 no Orlando Scarpelli. Richelly marcou o único tento santista que formou com Rafael, Pará (Tiago Alves), Edu Dracena, Durval e Alex Sandro; Adriano, Arouca, Danilo e Roger Gaúcho (Felipe Anderson); Rychely (Renan Mota) e Borges.

No segundo turno, na Vila Belmiro, no dia 24/09 o Santos sofreu nova derrota para o Figueirense, 3 a 2 tendo Borges e Léo anotados os gols santistas.
O Santos formou com Rafael; Danilo, Edu Dracena, Durval e Léo; Arouca, Henrique, Felipe Anderson (Pará) e Ibson (Tiago Alves); Alan Kardec (Diogo) e Borges.

Dossiê da Unificação também está nas livrarias Cultura!


José Carlos Peres, eu e o Dossiê que unificou os títulos brasileiros.

Além das livrarias Saraiva, também as livrarias Cultura estão vendendo os livros do Dossiê que restituíram seis títulos brasileiros ao Santos, quatro ao Palmeiras e um a Botafogo, Fluminense, Cruzeiro e Bahia – Todos agora reconhecidos pela CBF, Conmebol e Fifa e que dão a esses campeões a mesma pontuação dos atuais campeonatos brasileiros.

O Dossiê está sendo oferecido nas livrarias Cultura de São Paulo (avenida Paulista, 2073, e nos shoppings Villa Lobos, Market Place e Bourbon) Curitiba, Fortaleza, Salvador, Brasília (duas lojas), Recife, Porto Alegre e Campinas. O Dossiê também está à disposição dos interessados na loja virtual deste blog.

E o que você espera do Santos no jogo desta noite, contra o Figueira?