http://youtu.be/3Uz8DzrUh1g
Judiação: Neymar faz grande jogada. Mas na hora de cobrar o pênalti, escorrega e manda a bola na lua.

Com três chances claras de gol até os 18 minutos do primeiro tempo – duas delas da marca do pênalti –, e vários contra-ataques desperdiçados, o Santos ficou no 0 a 0 contra o Universidad do Chile, na noite gelada e no gramado encharcado do Estádio Nacional de Santiago. Aparentemente o resultado foi bom, pois o Santos será campeão com uma vitória no jogo de volta, dia 26 de setembro, no Pacaembu. Em caso de empate, haverá prorrogação de 15 por 15 minutos e, persistindo a igualdade, decisão por pênaltis.

Veja no quadro abaixo o Regulamento da Conmebol para a Recopa:

5.2 DEFINICIÓN: En concordancia con el resto de los torneos de clubes organizados por la Confederación Sudamericana de Fútbol (Copa Libertadores de América y CopaConfederación Sudamericana de Fútbol – 2 – Reglamento Recopa Sudamericana 2012 Sudamericana), será declarado campeón el equipo que obtenga mayor cantidad de puntos. En caso de empate en puntos al término de las dos finales, se consagrará campeón el equipo con mejor saldo de goles. De mantenerse la igualdad, se recurrirá a un alargue de 30 minutos dividido en dos periodos de 15 minutos cada uno. Si al término de este alargue de 30 minutos suplementarios persistiera la paridad, se definirá al Ganador por definición de tiros desde el punto penal, conforme a las normas estipuladas por FIFA.

O que eu acho? Sinceramente, vi como uma grande bobeada o Santos deixar escapar a vitória nessa primeira partida da decisão da Recopa. La U não ficou toda lá atrás, como alguns adversários recentes do Alvinegro Praiano. Deu chance para as avançadas de Neymar, Patito, André, Ganso. Faltou ao Alvinegro Praiano acertar o chamado último passe – ou seria o último chute? – para voltar ao Brasil com 80% do título garantido.

De qualquer forma, se não houver mudanças significativas nos times até o jogo no Pacaembu, creio em uma vitória santista por mais de um gol. Com o gramado seco e o grito dos torcedores que mantêm os jogadores mais atentos, o triunfo e o título não escaparão. Apesar de alguns jogadores do Alvinegro carecerem de uma técnica mais apurada, no todo a diferença entre os times é flagrante.

Não fosse o sabão em que se transformou o gramado do Nacional e dificilmente Neymar teria perdido o pênalti, aos 18 minutos, depois de uma jogada espetacular, na qual passou por dois adversários na lateral direita e avançou para o gol (o teipe mostrou que a falta foi cometida poucos centímetros fora da área).

Antes, Neymar já tinha desperdiçado uma boa chance ao driblar o goleiro e não sentir firmeza para bater de esquerda. Pouco depois foi a vez de Ganso limpar a jogada da marca do pênalti e, cara a cara com o goleiro, chutar por cima. Será que ambos estavam calçando as chuteiras de trava alta, próprias para o gramado pesado? É uma pergunta que fica no ar.

La U só passou a ter mais posse de bola no segundo tempo. Até os 10 minutos da segunda etapa, 90% dos ataques chilenos tinham sido pela ponta direita, explorando a dificuldade de marcação de Juan e Durval. Depois, o time chileno passou a pressionar mais pela esquerda e isso forçou Bruno Peres a alguns erros, como aos 34 minutos, quando tinha a bola dominada, a perdeu e cometeu falta na entrada da área. Felizmente a cobrança saiu por cima do gol.

Ganso não deveria ter jogado

Sem mobilidade, errático, chegando a perder bolas dominadas, Paulo Henrique Ganso novamente foi um peso morto para o Santos. Mas seria pedir muito que Muricy Ramalho tivesse a coragem de deixá-lo no banco e colocar o garoto Felipe Anderson no seu lugar. Além de tudo, o gramado escorregadio pedia o ótimo chute de fora da área de Felipe, recurso que o Santos não utilizou em nenhum momento.

O técnico só foi colocar Felipe Anderson em campo aos 42 minutos do segundo tempo, mas no lugar de Patito. Ganso continuou passeando até o fim. Mesmo com pouquíssimo tempo para mostrar alguma coisa, Felipe participou de uma jogada na qual arrancou para a área e poderia ter chutado a gol, de esquerda, mas preferiu servir a Neymar, que tentou encobrir o goleiro a acertou o travessão.

Aos 20 minutos da segunda etapa o técnico fez bem ao colocar Miralles no lugar de André. O atacante argentino vinha de um ótimo retrospecto contra a Universidad do Chile. Mas desta vez Miralles fez muito pouco. Ficou evidente que André é mais versátil, pois pode sair da área e iniciar uma jogada, fazer uma tabela, habilidades que o argentino não possui.

Neymar foi escolhido pela Fox como o personagem do jogo, mas se fosse um pouco menos fominha em alguns lances, se servisse seus companheiros mais bem colocados, provavelmente o Santos teria criado mais oportunidades e feito ao menos um gol.

No mais, gostei da disposição de Bruno Rodrigo, que não vi perder uma bola pelo alto. Rafael não teve problemas, mas poderia aprender a repor a bola. Nem tiro de meta ele acerta. Seus chutões nunca caem nos pés dos santistas. No meio, Adriano foi o carrapato de sempre e Arouca puxou bons contra-ataques. Se tivesse um passe bom, teria deixado os atacantes na boca do gol.

Durval chutou para onde estava virado, o que até se entende devido ao estado temerário do campo. Patito de mexeu bem, mas às vezes foi individualista. Com um pouco mais de jogo coletivo o Santos fatalmente acertaria jogadas que resultariam em gols.

A presença do torcedor santista será muito importante no jogo de volta, no Pacaembu, pois este Santos tem a tendência inexplicável de se acomodar com o transcorrer da partida. A motivação será importante, pois daqui a um mês o Universidad deverá ter de volta alguns titulares agora machucados. Outro detalhe é que La U consegue jogar bem também fora de casa.

Até lá provavelmente o Santos já terá aprendido a viver sem o Ganso, que, se não for para o São Paulo, irá para qualquer outro time. Está na cara que ele não quer mais jogar pelo Alvinegro Praiano e tem pisado em ovos, com medo de sofrer mais uma contusão.

Assim, pressionado pelas circunstâncias, talvez Muricy Ramalho escale um time mais rápido e solidário, capaz de fazer em São Paulo o que não conseguiu em Santiago.

E você, o que achou de La U 0, Santos 0?