Amigos, a Olimpíada mexe comigo. Minha formação como jornalista esportivo foi cobrindo, pelo Jornal da Tarde, o que chamavam de “esportes amadores”, que eram todos os esportes, menos o futebol. Vejo no atleta olímpico o amor mais puro ao esporte. Como não se emocionar com as façanhas da piauiense Sarah Menezes e do paulista do ABC Arthur Zanetti, dois pequenos gigantes do esporte e da vida?

Entendo o drama, a aflição do esportista no momento decisivo. Perdoo a desistência de Fabiana Murer; a bobeada das meninas maravilhosas do handebol, que ficaram muito perto de vencer as campeãs olímpicas; o erro de estratégia do fantástico santista Robert Scheidt. Só quem competiu, mesmo em provas estudantis, sabe como a emoção, a volúpia pela vitória, pode nos trair.

Mas também é nos grandes momentos que se descobre os grandes homens. E é lindo ver e ouvir um sujeito simples e determinado, como o pugilista Esquiva Falcão, dizer que garantir a medalha não lhe basta. Que quer o ouro. E se quer tanto, quem sabe os deuses do ringue não o premiam?

No Brasil, daqui a quatro anos, será diferente. O que não deu certo agora, dará, e o Brasil lutará pela terceira posição no quadro de medalhas. Podem achar que estou maluco ao escrever isso, mas aguardem e depois me cobrem, se estivermos vivos até lá. E estaremos…

Logo mais o futebol brasileiro estará em campo. Meninos de todos os cantos do País em busca de uma façanha inédita, em busca de deixar o nome na história. E torcerei, e me emocionarei com eles.

A diretoria e o técnico do Santos precisam de Neymar para salvar as aparências? Azar deles. Que sejam mais competentes, ou ao menos se mexam para salvar o nosso Alvinegro Praiano e façam jus aos altos salários que destinaram a si próprios, sem merecer. Pois eu quero que o Brasil e Neymar brilhem hoje contra a perigosíssima Coreia do Sul que eliminou os anfitriões.

Quero muito que o Brasil e Neymar sejam campeões olímpicos. Depois haverá tempo para o Santos fugir do rebaixamento. Que até lá o técnico e os dirigentes do Alvinegro usem suas desculpas para explicar o inexplicável, um talento que têm desenvolvido com maestria.

E você, torcerá pelo Brasil, ou quer que a Seleção se exploda?