O Santos, com a volta de Neymar e Arouca da seleção sanguessuga de André Sanchez, Mano Menezes, Ronaldo & Cia, e o ar blasé emprestado dessa sua administração atual, finge que a proximidade com a zona de rebaixamento é apenas um infortúnio passageiro. Já o Flamengo, depois de sofrer por anos seguidos o risco iminente de cair para a segundona, tem encarado a partida de hoje, às 22 horas, na Vila Belmiro, como um duelo de vida ou morte. O Santos tem um time menos ruim e joga em casa, mas parece tão desfocado da importância do jogo, que pode ser surpreendido.

Enquanto Dorival Júnior, técnico do Flamengo que está na corda bamba depois de três derrotas seguidas, programou coletivos para anteontem e ontem, Muricy Ramalho, mais prestigiado a cada insucesso, promoveu os seus já tradicionais rachões, que não passam de peladas nas quais até integrantes da comissão técnica participam.

Neymar, a grande – e talvez única – esperança de vitória do Santos, está de volta da Seleção e, obviamente, tem presença garantida, assim como Arouca. Com a volta de Bruno Rodrigo, que estava suspenso, a dupla de zaga volta a ser ele e Durval. David Braz e Ewerton Páscoa, que foram bem contra o São Paulo, voltam para o banco.

Gosto de ver o meio-campo com Adriano e Arouca protegendo a área para dar mais liberdade a Patito e Felipe Anderson, que deverão encostar em Neymar e André. Assim o time se torna mais ofensivo e tem a tendência de criar mais oportunidades de gol. Espero que os faça antes de começar com as gracinhas.

O Flamengo é um catadão no qual se destacam Léo Moura, Ibson e Vagner Love, além do goleiro Felipe. Ah, o filho do Bebeto, Mattheus, está escalado.

É aquela velha história: se igualar na luta, o Santos deve vencer, mas a gente nunca sabe como estará o ânimo do time. Se perder, o rebaixamento será uma possibilidade concreta, pois nenhum dos times abaixo do Santos está jogando tão mal.

O Santos deverá iniciar a partida com Rafael, Bruno Peres, Bruno Rodrigo, Durval e Léo; Adriano, Arouca e Felipe Anderson; Patito, Neymar e André. O Flamengo terá Felipe, Léo Moura, Welinton, Frauches e Ramon; Muralha, Luiz Antonio, Ibson e Mattheus; Adryan e Vagner Love.

No primeiro turno o Alvinegro Praiano foi derrotado graças a um pênalti mandrake assinalado sobre Ibson no final da partida. Desta vez, o trio de arbitragem será formado por Márcio Chagas da Silva, auxiliado por Fabrício Valarinha da Silva e Kléber Lúcio Gil.

Retrospecto de Santos x Flamengo

Por Wesley Miranda

Santos e Flamengo fazem o duelo de número 110 em 92 anos de clássico. São 41 vitórias do Peixe, 29 empates e 39 vitórias flamenguistas. O Alvinegro Praiano marcou 168 gols e o Rubro Negro carioca 152.
Em Brasileiros desde o primeiro confronto em 1964, são 59 jogos, com 20 vitórias do Santos, 17 empates e 22 vitórias do Flamengo. 69 gols foram alvinegros e 63 rubro-negros.

Os artilheiros do Santos no confronto
O artilheiro máximo do Santos com 12 gols no confronto é simplesmente Edson Arantes do Nascimento. O Rei do futebol enfrentou o rubro-negro carioca em 16 oportunidades vencendo oito, empatando três e perdendo cinco. Por duas vezes marcou três gols, a primeira em 1961, na vitória santista por 7 a 1 em pleno Maracanã – história que contaremos abaixo. Também contaremos sobre a segunda vez que o rei marcou três gols, em plena final da Taça Brasil de 1964.
O vice artilheiro do confronto é o famoso artilheiro dos gols bonitos, Dodô, com 7 gols. Com 4 gols vem Álvaro Valente, Pepe, Coutinho, Robert e Deivid.

O primeiro encontro
O primeiro duelo entre as duas equipes foi uma sonora goleada do Santos em cima do Flamengo, 6 a 0 em amistoso na Vila Belmiro no dia 04/07/1920. O Flamengo era a base da seleção Brasileira que disputaria a Copa América de 1920.
O Peixe formou com Tuffy; Cícero e Bilú; Pereira, Marba e Ricardo; Millon, Constantino, Ary, Castellano e Arnaldo. Os gols foram de Ary Patuska (2), e Castelhano (2), Haroldo Domingues e Constantino (pênalti).

A maior goleada do confronto
Foi em 11 de Março de 1961 que o Santos aplicou a maior goleada da história do confronto. A partida valida pelo Rio-SP foi disputada no Maracanã, na presença de 90 mil pagantes e terminou 7 a 1 para o Santos com gols de Pelé(3) Pepe(2) Coutinho e Dorval. O duelo foi só seis dias depois de Pelé marcar o “gol de placa” contra o Fluminense no mesmo Maracanã.
O Peixe formou com Laércio; Dalmo, Mauro (Formiga) e Fioti (Feijó); Zito (Urubatão) e Calvet; Dorval, Mengálvio, Coutinho, Pelé e Pepe

Os primeiros encontros em Brasileiros
O Primeiro encontro entre as duas equipes em Brasileiros, aconteceu na Final da Taça Brasil 1964, com a vitória do Santos por 4 a 1 no Pacaembu e o empate no Maracanã em 0 a 0.
Para chegar na final, o campeão Carioca de 1963, venceu o Ceará nas semifinais nos dois jogos (2×1 e 3×1). O Peixe, tricampeão da Taça Brasil, estreou nas quartas-de-finais vencendo as duas partidas contra o Atlético MG(4×1 e 5×1)e passando pelo então campeão Paulista Palmeiras nas semifinais(3×2 e 4×0).
Goleada no primeiro jogo
No dia 16/12/1964, jogando no Pacaembu, para um público de 26.897 torcedores, o Santos goleou impiedosamente por 4 a 1 , com três gols do rei e um de Coutinho. Paulo Choco, que substituiu Berico diminuiu para o Flamengo. Bastava apenas um empate para o Santos conquistar o Tetracampeonato da Taça Brasil.

Com o regulamento
Apenas três dias depois, as duas equipes voltaram a se enfrentar, dessa, no estádio do Maracanã, para um público de mais de 52 mil torcedores.
O técnico Lula escalou um time mais cauteloso para o confronto, atingindo o objetivo que lhe garantia o título; 0 a 0.
O Santos formou com Gylmar, Modesto e Geraldino; Ismael, Haroldo e Zito; Toninho(Lima), Mengálvio, Coutinho, Pelé e Pepe

Athié não vendeu Pelé
Em entrevista no dia 24 de Maio de 1969, o Presidente Athiê Jorge Cury negou qualquer possibilidade de vender Pelé, o qual definia como patrimônio nacional.
O Flamengo encaminhou por telegrama ao Santos a proposta de 2 milhões de cruzeiros, há um ano da Copa do Mundo do México.
“Enquanto eu for Presidente do Santos FC o Pelé é inegociável, é patrimônio nacional e não será vendido por preço algum.”

Pelé com a camisa do Flamengo
Ele não foi vendido para o Flamengo, mas fez um jogo por lá e levou 139.953 torcedores ao Maracanã, ainda o maior estádio do mundo, no dia 6 de abril de 1979. Flamengo e Atlético-MG realizaram um jogo beneficente para ajudar as vítimas de uma enchete que castigou o estado de Minas Gerais.
Quando estava 1 x 0 para o Atletico MG, teve um pênalti para o Flamengo, a torcida pediu Pelé, mas, após uma conversa com Zico, ficou decidido que o Galinho, com a camisa nove, cobraria. No segundo tempo, Pelé foi substituído por Luizinho. O Flamengo ganhou o prélio por 5 x 1.

Final do Brasileiro de 1983
Serginho Chulapa era a sensação do Campeonato Brasileiro, do qual terminou como artilheiro com 22 tentos. Na primeira partida da decisão no dia 22/05, no Morumbi, vitória santista por 2 a 1, com gol dele e de Pita para o Santos. Baltazar diminuiu para o Flamengo. Público inimaginável para os dias atuais, 114.481 torcedores.
O Peixe formou com Marola; Toninho Oliveira, Márcio, Toninho Carlos e Gilberto; Lino, Paulo Isidoro e Pita; Camargo (Paulinho Batistote), Serginho e João Paulo.Técnico: Chico Formiga.

Na grande final
Jogando no Maracanã no dia 29/05, o Santos foi derrotado por 3 a 0 e ficou com o vice campeonato da Taça de Ouro.
Alguns culpam o excesso de confiança que culminou na derrota, muitos culpam o árbitro Arnaldo Cezar Coelho por inventar e marcar falta dentro da área, mas em dois toques, ao invés do pênalti, quando o jogo estava 1 a 0, e o Santos poderia ter mudado a história do jogo. Mas, ao contrario, os jogadores ficaram revoltados com o lance e perderam a concentração no jogo.
Tire suas duvidas http://www.youtube.com/watch?v=HDKRzlhjPWE

Reação começou contra o Flamengo
Depois da derrota de 4 a 0 para o Vitória no Barradão, o Santos viu sua chances de classificação reduzidas. O próximo jogo da tabela seria contra o Flamengo de Sávio e Romário no Maracanã, e o Santos sem Jamelli e sem Giovanni. Surpreendentemente no dia 09/11/1995, o Santos aplicou 3 a 0, com gols de Marcos Adriano emprestado pelo Flamengo, Camanducaia e Robert ainda no primeiro tempo. Era o Centenário do time Carioca.
O Peixe do técnico Cabralzinho formou com Edinho, Marcelo Silva, Narciso (Pintado), Ronaldo Marconato e Marcos Adriano; Gallo, Carlinhos, Vágner, Robert (Marcelo Passos), Whelliton (Macedo) e Camanducaia.
Essa foi a primeira vitória de uma sequência de seis dos sete jogos finais do returno da primeira fase do Brasileiro de 1995, o que resultou na classificação para as semifinais.

Rio-SP 1997
Na última decisão, no dia 04/02, jogando no Morumbi, 24.236 espectadores viram o Santos ganhar a primeira partida por 2 a 1, gols de Alessandro e Macedo. Marcelo Ribeiro manteve viva a esperança de reverter o resultado no Rio com um gol aos 40 do 2º tempo.
Nessa primeira partida da final o Santos formou com Zetti, Anderson, Sandro, Ronaldão e Rogério Seves; Marcos Assunção. Vágner, Alexandre (Caíco) e Robert (Baiano); Macedo (Piá) e Alessandro.

Gol salvador
Na segunda partida, o Santos saiu na frente com o lateral Ânderson, mas viu o Flamengo virar ainda no primeiro tempo, com dois gols do baixinho Romário. Um simples empate dava o título ao Santos, mas a torcida rubro-negra já contava com a taça quando Juari acertou um petardo de fora da área aos 32 do segundo tempo, e deu o título ao Santos! Era o quinto Rio-SP, fazendo o clube ser o maior detentor de títulos da competição.
O Peixe do treinado por Vanderley Luxemburgo formou com Zetti, Anderson (Baiano), Sandro, Ronaldão e Rogério Seves (Juari); Marcos Assunção, Vágner, Alexandre (Caíco) e Piá; Macedo e Alessandro.

Quartas-de-Final da Copa do Brasil 2000
O Flamengo era bi campeão Carioca recente, por outro lado o Santos amargava mais um “quase” ao perder para o São Paulo a final do Paulista 2000.
Mas em campo, o jogo do dia 21 de Junho de 2000, no Maracanã, pelas quartas-de-finais da Copa do Brasil não refletiu isso. A partida marcou a melhor exibição do atacante Caio Ribeiro (hoje comentarista da TV Globo) com a camisa do Santos. Aos 28 minutos ele deu bela assistência para Dodô emendar de primeira e abrir o marcador. O segundo gol foi outra bonita jogada de Caio, que arrancou, driblou dois adversários e colocou Dodô livre para marcar o segundo aos 31.
A coroação
No 2º tempo, depois de belo cruzamento de Robert, Caio que foi ídolo na Gaveá marcou um golaço de voleio. Rincón ainda perdeu um pênalti sofrido por Claudiomiro. Mas foi Caio Ribeiro que voltou a brilhar aos 22 minutos, de cabeça, após cobrança de escanteio. Santos 4 x 0 Flamengo, no Maracanã.

O jogo da volta
Na Vila Belmiro, no dia 24 de Junho o Santos consolidou a classificação com nova goleada, 4 a 2. Marcaram para o Santos o lateral direito Marcinho contra e três vezes Dodô. Petkovich e Mozart diminuiram para o Flamengo.

A última vitória
O Santos não vence o Flamengo desde o dia 05/08/2007 quando em partida realizada na Vila Belmiro pelo campeonato Brasileiro, venceu por 3 a 0 com gols de Pedrinho, Marcos Aurélio e Kléber. De lá para cá, são 10 jogos com seis derrotas e quatro empates.
O Peixe formou com Fábio Costa; Adaílton, Domingos e Marcelo; Alessandro, Adoniran, Kléber, Pedrinho (Adriano) e Dionísio (Rodrigo Tabata); Marcos Aurélio (Vítor Júnior) e Kléber Pereira. Técnico Vanderley Luxemburgo.

Um jogo épico, onde a vitória foi do futebol
Um bela exibição de Neymar que rendeu o golaço de placa que ganhou o prêmio Puskas 2011 e a maior apresentação de Ronaldinho Gaúcho com a camisa do time da Gaveá. Duas grandes figuras do futebol brasileiro dos últimos anos e só isso não resume o que aconteceu na Vila Belmiro no dia 27 de Julho de 2011.
O Peixe do técnico Muricy Ramalho formou com Rafael, Pará, Edu Dracena, Durval e Léo; Arouca, Ibson, Elano (Alan Kardec) e Ganso; Neymar e Borges.

Veja essa crônica narrada por Milton Gonçalves

E você, acha que vai sofrer muito no jogo de hoje?