Se há uma situação que me deixa triste é ver o rostinho de decepção das crianças assistindo ao Santos fazer mais um de seus jogos indigentes. Imagino que os santistinhas no Couto Pereira se perguntavam, confusos: “Este é o Santos, o time que eu estou começando a amar e que quero amar por toda a vida? Este carinha que não consegue dar um drible é o Neymar de quem os adultos falam tanto?”. Bem, eu estava mergulhado nessa melancolia, quando a Suzana, no começo do segundo tempo, afirmou, convicta: “O Santos vai virar esse jogo!”.

Meu Deus, como alguém poderia dizer aquilo àquela altura? Ainda mais porque a bola estava nos pés de Gerson Magrão… Mas paciente que sou e conhecedor dos dons premonitórios da minha mulher, esperei…

No começo, não percebi nada de novo. Pelo lado esquerdo da defesa a avenida Juan continuava com tráfego livre e por ali o Coritiba criava várias oportunidades de gol. Em uma delas o ex-santista Robinho chegou atrasado e o ex-santista Deivid mandou a bola nas nuvens.

Em outra jogada, a bola cruzou toda a área do Santos e quase o time do Paraná faz outro gol igualzinho ao primeiro. A coisa estava feia. Mas aí o Coritiba cometeu o erro de recuar muito e tentar segurar a vitória. Os deuses do futebol não pedoaram…

No gol de empate, Neymar pegou uma bola na entrada da área e penetrou como um furacão, deixando vários adversários para trás – lance em que não faltou sorte, pois um zagueiro quis chutar para a frente e acabou fazendo a bola ricochetar no santista e cair à frente do goleiro. Mais um esforço e Neymar driblou o arqueiro e empurrou para o gol.

Sinceramente, eu já considerava o empate bom, pois não me iludo com briga por vaga na Libertadores. Com esse elenco e esse técnico, fugir do rebaixamento já é lucro. Mas eis que Rafael bate um bom tiro de meta, a bola sobra para Patito Rodríguez que tem a chance de se redimir de mais uma atuação apagada. Mas o goleiro rebate o chute do gringo e quem aparece para pegar o rebote? Quem?…

Pois é. No dia em que fez uma de suas mais apagadas exibições no Santos, Neymar marcou os dois gols da virada que representou a segunda vitória do Alvinegro Praiano fora de São Paulo neste Brasileiro.

Muricy, que mais uma vez inventou e começou o jogo com Gérson Magrão, ao invés de Bernardo, que só entrou no segundo tempo, teve a cara de pau de reclamar de Neymar por ter recebido o terceiro cartão amarelo e ficar fora do jogo contra a Portuguesa. Ora, se não conseguir montar um time para vencer a Lusa no Pacaembu lotado de santistas, então que o professor tenha a hombridade de pegar o seu boné e ir cantar em outra freguesia. E que Geninho – que neste domingo almoçava no magnífico Mar del Plata – seja convidado para dirigir o Santos.

Por falar em desculpas de Muricy, no intervalo ele reclamou que sem um meia de armação para o lugar do Ganso, ele terá dificuldades de montar o time. Ora, o Ganso, por uma série de motivos, ficou a maior parte do tempo fora da equipe. Incrível o repertório de desculpas do professor aposentado em atividade…

Reveja os gols da partida:

http://youtu.be/j-StiPvrTjQ

E você, o que achou de Coritiba 1, Santos 2?