Já tinham me prevenido que torcidas organizadas do alvinegro de Itaquera e do tricolor de Vila Sônia estavam orquestrando as vaias a Neymar que ouvimos ontem. Vaias iniciadas por uma minoria de babacas invejosos que se espalhou entre outros iguais e mostrou porque o paulistano é tão mal visto no resto do País. Apupar justo o melhor jogador do time é demonstração patética de complexo de inferioridade.

Dizem que é porque nós, oriundos de São Paulo, herdamos a rebeldia dos anarquistas italianos. Eu acho que é pura babaquice mesmo. Na Copa de 1950 já foi assim. No único jogo que fez em São Paulo, no Pacaembu, o Brasil ficou apenas no empate com a Suíça (2 a 2), embaixo de vaias. Foi por essa partida que Nélson Rodrigues escreveu que São Paulo não fazia parte do Brasil.

Ontem, isso ficou mais uma vez evidente. Espero que a Seleção Brasileira não faça nenhuma partida no suspeito e sombrio Itaquerão, pois lá não teria o apoio incondicional do público. Na verdade, correria até o risco de ser vaiada do começo ao fim. Ainda bem que a decisão da Copa de 2014 está prevista para o Maracanã. O carioca sempre assumiu a Seleção com carinho, como se fosse dele.

Na verdade, a má vontade, ontem, não foi apenas com Neymar – que, repito, xinga a mãe de todos os medíocres com o seu sucesso -, mas sim com o time todo. Em determinado momento gritava-se “olé” para as trocas de passes do violento time da África do Sul, em uma cena vergonhosa. Os afobados africanos estavam dando da medalhinha do pescoço para cima e ainda tinham o apoio de um bando de vendidos.

Por que querem Neymar na Seleção?

A decisão de Mano Menezes de substituir Neymar a um minuto antes do final do jogo foi de mau caratismo ímpar. Ele sabia que com essa atitude covarde serviria o garoto de bandeja para a hostilidade dos torcedores rivais. E depois ainda teve a coragem de dizer que tirou Neymar para poupar-lhe o físico. Ora, poupar um minuto? Que hipocrisia!!! Se quiser mesmo poupar, por que não o dispensa do jogo contra a China, segunda-feira? Quer que o Santos, que paga o salário do jogador, o poupe, mas não está disposto a poupá-lo na Seleção?

Ora, ora, ora, que grande malandro é esse Mano Menezes. Enfim, jogou o seu principal jogador, aquele que mantém o seu emprego, às feras. Acho que faz parte do plano atrapalhar tanto a vida de Neymar no Brasil para que um dia ele aceite ir para a Europa, arrumando a vida de meio mundo.

O que incomoda mais os santistas é que Neymar desfalca o Santos no Brasileiro para passar esses momentos desagradáveis na seleção sanguessua da quadrilha formada por Mano Menezes, José Maria Marin, Ronaldo Fenômeno e Andres Sanchez. É odiável constatar o quanto o mal ainda pode prevalecer sobre o bem, o quanto é fácil disseminar sentimentos negativos sobre alguém de destaque…

Para completar, os problemas para o garoto não estão só no comando pernicioso da Seleção Brasileira ou nas manifestações ensaiadas de um bando de torcedores idiotas. O opositor pode estar travestido de companheiro de time… Ou ninguém percebeu que Oscar evita dar a bola para Neymar?

Ontem isso ficou flagrante quando Neymar tinha um espaço livre até o gol adversário, e Oscar, mesmo vendo a jogada e ouvindo os pedidos do santista, preferiu virar-lhe as costas e passar para Hulk, que estava marcado. No fim do ataque, que não deu em nada, foi possível perceber a decepção de Neymar com o companheiro (que no Sul-americano sub-17 já tinha ouvido do técnico do São Paulo, Paulo César Carpeggiani, o conselho de não passar para o santista).

Enfim, só um cego não percebe o pior dos mundos que algumas pessoas querem inflingir a Neymar para que ele – para alívio dos apátridas interesseiros – se decida por viver e jogar futebol em um país de seres humanos normais. Porém, Neymar sabe que sempre terá o amor incondicional dos santistas e que o povo brasileiro é muito mais generoso do que aquele bando de recalcados que foi ontem ao Morumbi.

E você, o que achou das vaias a Neymar?