Hoje o Santos venceu o Vasco atuando de uma maneira consistente, se impondo em campo, principalmente no primeiro tempo, dando um fim à desculpa batida de “estávamos sem o Neymar” e recuperando o respeito que a equipe vinha perdendo com as atuações abaixo da crítica.

O que vínhamos cobrando, uma proposta de jogo clara e uma disposição tática da equipe pode ser mais uma vez bem observada hoje, assim como no segundo tempo do jogo contra o Botafogo. A postura mais defensiva e preparada para contra-ataques com certeza não é a nossa predileta, mas se prova eficiente contra equipes com dificuldade de articulação, como foi o caso do Vasco hoje.

A aplicação tática dos jogadores compensou as limitações técnicas, impedindo que o Vasco pudesse levar perigo ao gol santista. A rápida armação dos contra-ataques, com passes em profundidade entre os jogadores da última linha defensiva, se mostraram uma ótima alternativa, gerando diversas chances de gol sendo duas convertidas pelo argentino Miralles.

O sonho da Libertadores permanece distante, mas é fundamental continuar vencendo, aproximando o Santos da parte mais alta da tabela, lugar onde nunca deveria deixar de rondar. Essa conversa de “estamos cada vez mais longe do rebaixamento” pra mim não cola, jogador do Santos devia ser proibido de ter esse tipo de discurso.

A perspectiva começa a ser das melhores. Um time que começa a ganhar forma, com uma proposta de jogo definida e treinada, além do importante reforço de Neymar. Também teremos todos os uniformes disponíveis para jogar. Uma pena que estamos a 2 meses do fim do ano…

Notas dos Jogadores:

Rafael – 5,5 – Praticamente não foi exigido. Conseguiu a proeza de tomar um cartão amarelo por fazer cera aos 40 do segundo tempo com a vitória já garantida. Essa mania dele é extremamente irritante, além de ser uma prática antidesportiva que não combina com o time que exalta a “Técnica e disciplina” até em seu hino.
Bruno Peres – 6 – Um bom retorno, com boas subidas ao ataque e boa atuação defensiva contra o improvisado Wendell. Perdeu uma chance cara a cara com o goleiro, mas hoje ela não fez falta.
Bruno Rodrigo – 7 – Suas atuações seguras estão dando cada vez mais confiança, tanto que várias vezes driblou os atacantes adversários. Torcemos para que continue assim e para que a confiança não acabe derrubando ele do cavalo!
Durval – 6 – Atuação tranquila. Vimos menos de seus chutões-lançamentos hoje, espero que isso passe a ser uma rotina.
Léo – 6 – Voltou com bastante disposição. Uma atuação segura na defesa com muitos desarmes, mas pouca participação no ataque. Caso consiga repetir esse tipo de atuação contra equipes com um lado direito ofensivo mais forte podemos considerar um adiamento na aposentadoria.
Adriano – 6 – Discreto, cumprindo com seu papel tático. Está apresentando melhora nos passes.
Arouca – 6,5 – Sempre firme nos desarmes, fez o papel de condutor do meio campo na ligação de contra-ataques. Com todas as suas qualidades, ainda precisa colocar o pé na forma.
Henrique – 6 – Foi bem na marcação e na distribuição de passes no meio campo. Mostra que está recuperando seu bom futebol, mas sua afobação em algumas jogadas deu a clara impressão de que logo seria expulso.
Felipe Anderson – 6,5 – Está ganhando cada vez mais confiança. É bem exigido por Muricy na questão tática, mas mostra que está amadurecendo e correspondendo. Deu a assistência pro segundo gol e participou de outros lances de perigo, principalmente no primeiro tempo.
Miralles – 7,5 – Voltou a ter várias oportunidades em uma partida e dessa vez não as desperdiçou. Essa questão de sempre ter muitas oportunidades numa partida mostra como é um jogador inteligente e que sabe se movimentar, mas é importante manter o pé calibrado.
Bill – 6 – Deu ótima assistência no primeiro gol e fez um trabalho de pivô razoável. Senti falta de uma maior presença de área e finalizações, mas isso passa muito pela proposta do time que não contribuiu.

Substituições:

Gérson Magrão – 5,5 – Substituiu Henrique com o objetivo de preencher o meio campo pelo lado esquerdo. Cumpriu seu papel tático, mas sem grande destaque.
Patito – Sem nota – Entrou no fim e pouco participou de um jogo que já estava se arrastando.

Muricy – 6 – Seu esquema predileto de defesa bem postada com saída rápida para os contra-ataques parece que está sendo implementado. Tardiamente para um técnico com quase 1 ano e meio de “trabalho”. Nós não gostamos, mas dos 4 títulos brasileiros que ele conquistou, 2 foram assim, então não dá pra discutir com resultado.

Qual a sua avaliação do jogo? Quais foram os destaques negativos e positivos?