Hoje a noite teremos na Vila Belmiro um jogo que pode decidir o rumo do Campeonato Brasileiro. Santos e Atlético-MG vão se enfrentar em clima de decisão, já que uma derrota ou empate pode acabar com o sonho de um objetivo maior no campeonato para as duas equipes. O Santos está a 11 pontos do G4 e só a vitória mantém a chama acesa na busca pela vaga da Libertadores, assim como o Galo, que a 9 pontos do Flu pode dar adeus às chances de título no caso de um resultado negativo.

As duas equipes vão jogar buscando a vitória, tornando o jogo aberto e tenso. O Santos jogando em casa vai ter a oportunidade de explorar bem sua estratégia de atuar fechado e nos contra-ataques que deu certo nas últimas partidas. A diferença será um adversário mais organizado e com mais qualidade ofensiva que os anteriores.

Na busca pela vitória o essencial é marcar gols, e a maior dúvida paira na escalação do ataque. Vale a pena correr o risco de escalar Neymar, que atuou ontem pela Seleção Brasileira e realizou um voo longo para retornar ao Brasil? A favor de sua escalação está seu desempenho em situação semelhante contra o Figueirense. Contra está o possível cansaço afetando seu rendimento e o risco de lesão. Neymar também será julgado hoje durante a tarde pelo lance envolvendo o Pará no jogo contra o Grêmio. Mesmo que seja suspenso poderá atuar hoje já que a suspensão só passa valer no dia seguinte após o julgamento.

Caso não surja nenhum imprevisto, jogaremos com Rafael; Bruno Peres, Bruno Rodrigo, Durval e Léo; Adriano, Arouca, Henrique e Felipe Anderson; Neymar (Bill) e Miralles. Praticamente o mesmo time que bateu o Vasco, com o reforço de Neymar. Toda nossa torcida para que o time engate a terceira vitória seguida e continue subindo na tabela.

Retrospecto de Santos x Atlético-MG

Por Wesley Miranda 

Santos FC e Atlético-MG já se enfrentaram oficialmente 83 vezes ao longo da história. O Peixe conquistou 29 vitórias contra 32 do Galo e 22 empates. O time de Vila Belmiro marcou 116 tentos e o mineiro 127.

Em Brasileiros, desde o primeiro confronto, na Taça Brasil 1964, são 53 jogos, com 17 vitórias do Santos contra 21 vitórias atleticanas e 15 empates. Com 67 gols santistas e 79 gols mineiros.

Os artilheiros santistas do confronto
Liderando a tábua de artilheiros em confrontos contra o Atlético-MG está Pelé, com 10 gols. O Rei do Futebol enfrentou o time onde seu pai jogou (Dondinho atuou no Atlético no ano em que Pelé nasceu) em 16 oportunidades, vencendo oito, empatado quatro e sendo derrotado outras quatro vezes.

Na vice artilharia está Toninho Guerreiro, com sete gols, seguido por Kléber Pereira e a joia Neymar, ambos com cinco gols. Elano com quatro, o atacante Nicácio, o lendário Pepe, o ponta Dorval e Mazinho com três gols cada, completam a lista de principais artilheiros do Santos FC contra o Galo mineiro.

O primeiro encontro
O primeiro prélio das duas equipes aconteceu em um amistoso disputado na Vila Belmiro, no dia 05/10/1938. Vitória do quadro santista por 2 a 0, com gols de Rui e Aurélio.

O primeiro título interestadual
No começo da década que iria acontecer o Big Bang do futebol brasileiro, o Santos conquistou seu primeiro título interestadual. Foi no começo de 1951, em Minas Gerais, em um quadrangular que reunia além do paulista Santos, a elite do futebol mineiro: Atlético-MG, Cruzeiro e América.

O jogo de estreia contra o tricampeão mineiro (entre 1943 e 45), o Cruzeiro, aconteceu no dia 26/02. Vitória santista por 4 a 3.

O segundo jogo, contra o único Decacampeão mineiro da história (1916 a 25) e campeão mineiro de 48, o América, aconteceu no dia 01/03. Vitória santista por 1 a 0.

O último e decisivo jogo foi contra o forte Atlético-MG, bicampeão mineiro (1949 e 50) e coroado campeão do gelo. O galo mineiro também ganhou suas duas partidas: do América por 3 a 2 e do Cruzeiro por 3 a 0.

A partida foi disputada no Estádio Otacílio Negrão de Lima, no dia 04/03. O Santos venceu por 2 a 0, com gols de Nicácio e Odair Titica, e conquistou de maneira invicta o seu primeiro interestadual.

Esse foi considerado um marco para a torcida santista, assim como foi a excursão para o norte do Brasil.

O Santos do técnico Niginho formou com Robertinho; Hélvio e Expedito; Nenê, Pascoal e Ivan; 109 (Alemãozinho), Antoninho (Nando), Nicácio (Leônidas), Odair e Pinhegas

Aniversário do Santos
No dia 15/04/1951, o Atlético-MG disputou um amistoso na Vila Belmiro em comemoração ao 39º aniversário do Santos FC. O Peixe ganhou novamente: 3 a 0 com gols de Nicácio (2) e Pinhegas.

O Santos conquistava sua segunda vitória frente ao quadro atleticano em pouco mais de um mês.

Quartas de final de 1964
Mesmo sendo o Tricampeão Brasileiro com a conquista da Taça Brasil de 1963, o Santos FC estreou na disputa de 1964 nas quartas de final. O Palmeiras, como campeão Paulista de 1963, garantiu a estreia na semifinal.

Para chegar as quartas de final, o campeão mineiro de 1963, o Atlético, eliminou o capixaba Rio Branco (1×1 e 1×0) e o catarinense Metropol (1×0 e 2×1)

O primeiro jogo da decisão aconteceu em Belo Horizonte, no dia 18/10. Com Peixinho no lugar de Dorval e Toninho no lugar de Coutinho, o Santos goleou o Atlético por 4 a 1, com gols de Pepe (2), Pelé e Toninho Guerreiro. Com o resultado, para o Santos bastava apenas um empate no segundo jogo para avançar às semifinais. Para o time mineiro, uma vitória simples para provocar o terceiro jogo.

O Santos do técnico Lula formou com Laércio, Lima, Mauro, Joel Camargo e Geraldino; Zito e Mengálvio; Peixinho, Toninho, Pelé e Pepe.

O segundo jogo da decisão, no estádio do Pacaembu, no dia 25/10, terminou com uma nova goleada santista: 5 a 1, com gols de Toninho Guerreiro (2), Pelé (2) e Peixinho. O Peixe se classificava para jogar as semifinais contra o Palmeiras de Ademir da Guia, Dudu, Ademar Pantera… e, respectivamente, o Flamengo na final, conquistando o Tetracampeonato.

Para esse jogo no Pacaembu o Peixe formou com Laércio, Lima (Aparecido), Mauro, Joel Camargo e Geraldino; Zito (Lima) e Mengálvio; Peixinho, Toninho, Pelé e Pepe.

Torneio Roberto Santos (Taça cidade de Salvador)
Para preencher o calendário dos times que não estavam classificados para a segunda fase do Brasileiro de 1975, o Governo do Estado da Bahia promoveu um torneio com as respectivas equipes: Santos, Bahia, Vitória, Atlético-MG, Vasco, Remo, Figueirense e Coritiba.

Na primeira fase, o Santos enfrentou no primeiro jogo o Bahia, e empatou em 1 a 1, com Pelé voltando a vestir a camisa do Santos. O Rei era embaixador do Torneio. Em seguida, o Figueirense, vitória de 3 a 2.

No último jogo do grupo, o Atlético-MG, e vitória santista por 1 a 0. Os dois times passaram para as semifinais e, em mais um confronto, um empate em 1 a 1, com o Santos conquistando a vaga na final nas penalidades por 4 a 3.

Na final, o Santos derrotou o Vitória por 3 a 0 e saiu campeão do Torneio Roberto Santos.

Semifinais do Brasileiro de 1983
Depois de eliminar o Goiás nas quartas (0x0 e 2×2) com a vantagem de dois resultados iguais, o Santos se qualificava para jogar as semifinais com o Atlético-MG, que eliminara o Sport Recife (0x0 e 4×1).

O time mineiro, com Reinaldo, João Leite, Luisinho, Nelinho e Éder, jogava por dois resultados iguais e a vantagem da segunda partida em seus domínios.

Na primeira partida, disputada no Morumbi no dia 12/05, o Santos saiu na frente com Serginho Chulapa aos 47 minutos do primeiro tempo. Na segunda etapa, Éder deixou tudo igual aos 13 minutos. Aos 24, Serginho Chulapa deu números finais ao jogo!

O Peixe do técnico Formiga formou com Marola; Toninho Oliveira, Márcio Rossini, Toninho Carlos e Gilberto; Dema, Paulo Isidoro e Pita; Camargo (Lino), Serginho Chulapa e João Paulo.

No segundo jogo, no dia 15/05, mais de 113 mil torcedores esperavam o Atlético fazer valer o favoritismo em sua casa. Mas brilhou a estrela de Marola, que garantiu o 0 a 0, evitando a reedição da final de 1980 entre Atlético-MG e Flamengo e reeditando a final de 1964 entre Santos e Flamengo.

O Santos formou com Marola; Toninho Oliveira, Márcio (Joãozinho), Toninho Carlos e Gilberto; Dema (Lino), Paulo Isidoro e Pita; Camargo, Serginho Chulapa e João Paulo.

Copa Dener
Durante o período da Copa do Mundo de 1994, a federação carioca criou um torneio para homenagear o jogador Dener, que morreu tragicamente em um acidente de automóvel no dia 18/04/1994. Entre os clubes convidados, estavam Santos, Atlético-MG, Botafogo, Cruzeiro, Portuguesa (onde Dener foi revelado) e Vasco da Gama (time que defendia quando morreu).

O torneio foi disputado com jogadores reservas, e o Santos estreou com uma derrota para o Botafogo, no Rio, por 2 a 1. Na segunda partida, em Juiz de Fora, o Santos goleou o Atlético-MG por 4 a 0. Na terceira partida, empatou em 3 a 3 com o Vasco no Rio. Na quarta partida, nova vitória em Minas: 1 a 0 no Cruzeiro e, na última rodada: 4 a 0 na Portuguesa no Canindé.

O regulamento previa uma final em jogo único com os dois melhores da primeira fase. Sendo assim, Santos, com sete pontos, e Atlético-MG, com seis, fizeram a final no dia 16/06/1994, no Rio de Janeiro. O Peixe ganhou novamente do Atlético-MG: 4 a 2, com gols de Luciano (2), Ranielli e Demétrius, e ficou com o título do torneio.

Obs.: o Santos não contabiliza esse jogos nas estatísticas oficiais do clube, pois o torneio foi disputado por um time B do Peixe.

Disputa até a última rodada
No Brasileiro de 1995, Santos e Atlético-MG duelaram por uma vaga nas semifinais até a última rodada do segundo turno. Com a vitória do Galo sobre o Vitória por 3 a 0, em Brasília, bastava apenas um empate entre Santos e Guarani no jogo que acontecia no mesmo horário. Mas o gol salvador de Marcelo Passos a poucos minutos do fim do jogo e o gol nos acréscimos do Messias Giovanni garantiram o Santos nas semifinais.

Apesar da disputa acirrada até a última rodada, Santos e Atlético-MG se enfrentaram apenas no começo do campeonato, no primeiro turno. Vitória santista por 2 a 1 no Mineirão, com gols de Jamelli aos 21 minutos e Camanducaia aos 27 minutos do primeiro tempo.

O time de Cabralzinho formou com Edinho; Marquinhos Capixaba, Jean, Pintado e Marcos Paulo; Gallo, Carlinhos (Camanducaia), Giovanni e Robert; Jamelli (Ronaldo Marconato) e Wellington (Macedo).

Duelo de oito gols
Santos e Atlético-MG protagonizaram um jogo emocionante na Vila Belmiro no dia 19/08/1998, válido pelo Brasileiro. O time mineiro chegou a estabelecer três gols de vantagem por duas vezes no decorrer da partida: 3 a 0 e 4 a 1. Mas o Santos, com o colombiano Aristizabal, Viola e Claudiomiro, conseguiu o empate a 15 minutos do fim. Um eletrizante 4 a 4, digno de ser revisto.

O Santos do técnico Emerson Leão formou com Zetti; Anderson, Argel, Sandro e Athirson (Adiel); Claudiomiro, Narciso, Jorginho (Fernandes) e Lúcio; Aristizábal e Viola.

Esses dois pontos fizeram diferença na desclassificação do Atlético-MG, que ficou de fora das quartas de final no critério de números de vitórias, perdendo a vaga para o Grêmio.

Gol argentino em 2001
O argentino Miralles tem aparecido bem na linha de frente marcando três gols nos últimos dois jogos. No Campeonato Brasileiro de 2001, outro argentino, esse zagueiro, balançou as redes no confronto contra o Atlético MG no Mineirão, e garantiu a vitória por 1 a 0. Galván, que atuou no Santos de 2000 a 2001 em 77 jogos, marcando cinco gols, foi contratado junto ao próprio Atlético MG.

O Santos do técnico Cabralzinho formou com Fábio Costa; Preto, Galván e Cléber; Valdir (Elano), Paulo Almeida, Marcelo Silva, Robert (Canindé) e Leandro; Marcelinho Carioca e Viola.

Quartas de final da Copa do Brasil 2010
Depois de eliminar o Guarani nas oitavas (8×1 e 2×3), o Santos chegava para mais uma decisão contra o Atlético. O time mineiro, comandado por Luxemburgo, eliminou nas quartas o Sport Recife (1×0 e 2×0).

No primeiro confronto, no dia 28/04, no Mineirão, o Atlético ganhou por 3 a 2 com três tentos de Diego Tardelli, tendo anotado para o Santos Robinho no último minuto do primeiro tempo e Edu Dracena aos 37 minutos do segundo tempo. Gols que fizeram a diferença na disputa contra o Galo.

O Santos do técnico Dorvival Jr formou com Felipe; George Lucas (Maranhão), Durval, Edu Dracena e Pará; Arouca, Wesley, Marquinhos (Rodrigo Mancha) e Paulo Henrique Ganso; Robinho e André (Zé Eduardo).

O jogo da volta
Sem muito tempo para comemorarem suas conquistas estaduais (o Santos conquistou o Paulista em cima do Santo André e o Atlético-MG conquistou o Mineiro em cima do Ipatinga), os time já voltavam a se enfrentar no jogo da volta das quartas de final na Vila Belmiro no dia 05/05.

O Santos abriu 2 a 0 com André aos 16 minutos e Neymar aos 43, mas viu com preocupação quando Correa diminuiu nos acréscimos da primeira etapa. Na segunda etapa, logo aos quatro minutos, Wesley devolveu a tranquilidade quando marcou 3 a 1. O gol da classificação para a semifinal.

O Santos formou com Felipe; Pará, Edu Dracena, Durval e Léo; Arouca, Wesley e Paulo Henrique Ganso; Robinho, André (Maraquinhos) e Neymar (Zé Eduardo). Técnico: Dorival Junior.

O último encontro na Vila Belmiro
A última vez que Santos e Atlético MG se enfrentaram na Vila Belmiro foi no dia 16/07/2011 pela 10ª rodada do Brasileiro. Sem contar com os selecionáveis Neymar, Ganso e Elano, o recém campeão da Libertadores bateu o time de Dorival Jr por 2 a 1 com gols de Danilo e Borges. Danilo, que marcou 10 gols com a camisa do Santos, tem o Atlético-MG como sua maior vítima, já que também havia marcado na vitória de 2 a 0 no Brasileiro de 2010 na Vila Belmiro. Borges chegou ao seu quarto gol no certame. Terminaria artilheiro máximo da competição com 23 gols.

O Peixe do técnico Muricy Ramalho formou com Rafael, Bruno Aguiar, Bruno Rodrigo e Durval; Pará, Arouca, Danilo, Felipe Anderson (Roger Gaúcho) e Wesley Santos (Vinícius Simon); Diogo (Tiago Alves) e Borges.