Por Eros Silva.

A pedido da Procuradoria, o julgamento do atacante Neymar, na Quarta Comissão Disciplinar do STJD, será adiado nesta sexta-feira. Assim, o atleta poderá jogar contra o Internacional, neste sábado, pela 28ª rodada do Brasileirão 2012.

Acusado por um pisão no jogador Pará, do Grêmio, o astro santista havia sido denunciado no artigo 250 do CBJD, por ato hostil, mas o ativo, profissional e sempre atento departamento jurídico do Santos conseguiu que a Procuradoria refizesse a denúncia, modificando o artigo para uma possível punição maior (isso mesmo). O advogado Dr. Tico, do Santos, alegando estar despreparado para tal defesa, pediu o adiamento do processo que seria julgado nesta sexta-feira pela Quarta Comissão Disciplinar e, com toda influência, sapiência, simpatia e perspicácia que tem, foi atendido.

Neymar responderia por “ato desleal ou hostil”, com base no artigo 250 do CBJD, e poderia ser suspenso por até três jogos. A procuradoria agora quer que Neymar seja julgado com base no artigo 254-A, que prevê de quatro a 12 jogos, por “agressão física”. Tico sabe que essa pena dificilmente será imposta e conta com o prestígio do Santos junto à CBF, mais precisamente a Marin e Sanches.
Além disso, Dr. Teco, também advogado do Santos, apontou dificuldades para o comparecimento do atleta ao Rio de Janeiro na próxima semana e pediu que o julgamento fosse transferido para a semana seguinte.

O pedido do competente, célere e atuante departamento jurídico do Santos baseou-se no fato do Fluminense ter solicitado o adiamento do caso envolvendo Abel Braga e prontamente acatado pelo STJD, além de lembrar que em 2011, o julgamento de Márcio (mais conhecido como Emerson Sheik), pelo pisão no lateral Daniel, do Avaí, também foi adiado na ocasião, para ajudar o Corinthians na reta final do Brasileirão.

Outro caso que motivou a dupla santista de advogados foi o caso de Bernard, do Atlético Mineiro, que havia sido punido com dois jogos de suspensão pela expulsão no clássico contra o Cruzeiro, na última rodada do primeiro turno. Na ocasião, depois de cumprir a automática, conseguiu efeito suspensivo e agora o STJD decidiu por diminuir o gancho para apenas um jogo.

* Esta é uma obra de ficção, assim como o departamento jurídico do Santos, composto por dois elementos não muito inteligentes. Ou por um elemento com dois neurônios.

* A ficção supra referida apresenta, entretanto, casos verídicos, como o do Márcio (Emerson Sheik), do Abel Braga e do Bernard. E ainda há outros.

* Ainda há tempo. Torcemos para que o brilhante departamento jurídico do Santos leia o Blog do Odir Cunha.


A contribuição do Eros traz um alerta em forma de ácida crítica, mas que pode gerar uma estratégia que pode possibilitar que a suspensão de Neymar ocorra apenas nos jogos em que ele estiver jogando os amistosos da seleção. Não sou muito bom de direito esportivo, mas acho que a suspensão automática não pode ser adiada como ocorre no texto (mas também me recordo que nos idos da década de 90 essa era uma estratégia recorrente dos clubes, principalmente em jogos decisivos), porém no caso de uma suspensão prolongada poderia ocorrer um “encaixe” com os jogos em que já saberíamos que ele estará fora.

De toda forma, juntamos o fato do ridículo “campeonato” que deveria ter sido disputado ontem pela seleção brasileira, com a CBF suprimindo uma data do calendário do brasileirão para dar vaga ao jogo que não ocorreu, para ao mesmo tempo termos nas datas FIFA jogos do brasileirão e amistosos da seleção simultaneamente, com a CBF claramente prejudicando seu próprio campeonato. Os jogadores do Santos são convocados, sofrem o desgaste de longas viagens, correm o risco de uma lesão e nenhuma contrapartida é dada ao clube.

Considerando que o grande craque do país joga no nosso time, temos um enorme prejuízo em todas as esferas. Quais são as possíveis soluções para resolver essa situação de total incompetência? Reformulação do calendário? Reembolso dos vencimentos dos jogadores convocados? Adiamento das partidas de clubes com jogadores convocados?