Torcer por Neymar é o que restou ao santista neste final de Campeonato Brasileiro. Faltam cinco gols para o garoto alcançar Fred, o artilheiro da competição. Além do mais, a cada grande jogada, a cada gol, o nome de Neymar corre o mundo e ele fica mais próximo de se tornar o primeiro jogador a não atuar na Europa entre os três finalistas ao prêmio da Fifa de melhor do mundo.

Mas, além de Neymar, há o Santos, e o eterno sonho do santista de ver novamente um time ofensivo, destemido, eficiente, vencedor. Isso parece uma utopia quando nos deparamos com uma escalação com três volantes – Adriano, Arouca e Henrique – e só o ainda inexperiente Felipe Anderson atuando como meia. Se nem contra o rebaixado Atlético Goianiense – hoje, às 19h30m, em Gama –, em jogo que vale muito pouco para as duas equipes, o Santos terá dois meias, quando isso acontecerá?

Na verdade, sei que Arouca ou mesmo Henrique terão liberdade para avançar de vez em quando, como se fossem meias, mas isso seria apenas um quebra-galho, pois não se tratam de jogadores que ficam à vontade próximos à área adversária. Ambos têm dificuldade no drible, no passe, no chute. Nada como um meia de verdade para cumprir esse papel.

Falta de dinheiro é resultado de mau planejamento

O técnico Muricy Ramalho fez o torcedor tirar o cavalinho da chuva ao afirmar que não haverá dinheiro para trazer Robinho, Diego, Diego Souza ou qualquer outro jogador razoavelmente caro. Por isso, como nos últimos meses, o Santos está atrás de jogadores baratos e, se Deus quiser, bons. O zagueiro Neto, do Guarani, que veio por R$ 3 milhões por dois anos, foi o primeiro deles.

Arriscar com jogadores sem grande prestígio e esperar que um ou outro arrebente, sempre foi uma alternativa para clubes com “problemas de fluxo de caixa”. Às vezes dá certo. Giovanni veio assim. Ailton Lira também. Mas há o risco de se gastar muito e se descobrir que no meio do cascalho não há nenhuma pepita de ouro.

Agora, fica a pergunta: por que o Santos está nesta situação de penúria? Seu presidente não disse que foi um dos clubes que mais arrecadou nos últimos anos? Seu marketing não é um dos melhores do planeta? Ora, ora, ora, quanta falácia. Na verdade, o Santos tem uma folha de pagamentos abusiva para um clube que se resume ao futebol. Por que são necessários 400 funcionários para tocá-lo e por que os salários estão acima da média das empresas de Santos? Isso já tentaram me explicar, mas não engoli.

Fiquei e ainda tenho a clara impressão de que a festa da confraria que assumiu o clube, o cabidão de empregos é que o tornou oneroso demais. A desgovernança financeiro-administrativa fez do Santos um clube sem recursos para se equiparar, em folha de pagamentos dos jogadores e da comissão técnica, aos melhores do País. E a única esperança ficou nos pés de Neymar.

Bem, mas meu coração de santista quer que eu esteja errado. Quer que Felipe Anderson, que hoje jogará ao lado de sua família, mostre que é mais um Menino da Vila que veio para ficar; que André perca os quilos a mais e ganhe de volta a mobilidade que se foi; que Arouca volte a ser o monstro e que o Santos todo reassuma a postura de time implacável, que joga para vencer, e por muitos gols.

Retrospecto Santos x Atlético Goianiense

Por Wesley Miranda

Santos FC e Atlético-GO se enfrentaram apenas sete vezes ao longo da história, com quatro vitórias do Peixe contra uma vitória do Dragão e dois empates. O Alvinegro Praiano marcou 12 gols e o tricolor nove.

Em partidas válidas pelo Brasileiro, desde o primeiro confronto, na Copa Brasil 86, são seis partidas, com três vitórias santistas contra uma vitória goianiense e dois empates. O Santos marcou dez gols e o Atlético oito.

Quem fez gol
Na tábua de artilheiros santistas no confronto, todos empatados com um gol cada: Ribamar, Osmarzinho, Osvaldo, Wesley, Zé Eduardo, Edu Dracena, Madson, Alan Patrick, Marcel, PH Ganso, Patito Rodríguez e Miralles.

O primeiro confronto
Em partida válida pelo Brasileiro 1986, no dia 17/09, jogando no Estádio Serra Dourada, o Santos do técnico Chico Formiga ganhou por 1 a 0 do Atlético do atacante Osmarzinho. O gol foi do meia Ribamar aos 16 minutos do segundo tempo.

O Santos formou com: Rodolfo Rodriguez; Ijuí, Nildo, Maurício, Paulo Robson; Dunga, Ribamar, Juninho; Serginho Dourado, Carlos Alberto Borges(Antonio Carlos) e Serginho Chulapa.

Inconformados com a atuação do árbitro Manuel Serapião Filho, torcedores do Atlético-GO invadiram o gramado para agredi-lo.
www.youtube.com/watch?v=yQ4Sc0fOwxo

Amistoso
Em confronto amistoso também no Estádio Serra Dourada, no dia 02/04/1987, o Santos venceu por 2 a 1 com gols de Osmarzinho (ex-Atlético-GO) e Osvaldo.

O Peixe do estreante técnico Candinho formou com Rodolfo Rodriguez; Raul, Nildo, Toninho Carlos e Claudinho; César Sampaio, Hugo de León, e Mendonça; Osmarzinho (Chicão), Osvaldo e Éder Aleixo.

A partida fez parte do pagamento do passe do atacante Osmarzinho, tendo o Atlético-GO ficado com a renda. Apesar do acordo entre as duas diretorias, o recém-chegado Candinho queria avaliar melhor o plantel que jogaria três dias depois em Limeira contra a Internacional pelo Paulistão. Apesar do desgaste, o jogo de domingo terminou 2 a 2, tendo Osvaldo e Éder Aleixo marcado os tentos santistas contra a então atual campeã Paulista, mas sem o comando do técnico campeão José Macia, o Pepe.

Curiosidade
O Canhão da Vila Pepe é o recordista de títulos Paulistas com 13 títulos conquistados, 11 como jogador (55, 56,58,60, 61, 62, 64, 65, 67, 68 e 69) e dois como técnico (1973 pelo Santos e 1986 pela Internacional de Limeira) e recordista de títulos Brasileiros, com sete títulos conquistados, seis como jogador (61, 62, 63, 64, 65 e 68) e um como técnico (1986 pelo São Paulo).

Apesar dos desfalques, vitória santista
Com ausência de 23 anos de confronto entre Santos e Atlético-GO, os times voltaram a se encontrar na terceira rodada do Brasileiro de 2010. E, mais uma vez, o Santos jogou no Serra Dourada com nova vitória: 2 a 1 com gols de Wesley e Zé Eduardo e conquistou a primeira vitória no certame.

O desfalcado Santos do técnico Dorival Júnior formou com Felipe; Pará, Edu Dracena, Durval e Alex Sandro; Arouca, Wesley, Marquinhos e Zezinho (Rodriguinho); Zé Eduardo (Giovanni) e Marcel (Maikon Leite).

Nesse jogo do dia 22/05, Neymar, PH Ganso, André e Madson desfalcaram a equipe, pois foram afastados por chegarem atrasados no treino. Robinho se juntou com o grupo da Seleção Brasileira que disputaria a Copa do Mundo de 2010.
www.youtube.com/watch?v=KsujmCylbT4

Santos, o time da virada
No segundo turno do Brasileiro 2010, no dia 15/09/2010, foi a vez do Dragão jogar na Vila Belmiro pela primeira vez. O time goiano chegou a abrir 2 a 0, com Josiel aos 13′ do primeiro tempo e Willian aos 5′ do segundo tempo. A reação peixeira veio com o capitão Edu Dracena aos 6′ e os reservas Madson aos 22′, Alan Patrick aos 34′ e Marcel aos 38′ do segundo tempo. De virada, o Santos ganhou por 4 a 2 depois de um jejum de três rodadas sem vitórias. A equipe formou com Rafael; Pará (Alan Patrick), Edu Dracena, Bruno Aguiar e Léo; Roberto Brum, Danilo, Alex Sandro e Marquinhos (Madson); Neymar e Keirrison (Marcel).
www.youtube.com/watch?v=qlH13niXAS0

O único revés
Mesmo com as voltas de Neymar e Ganso da Seleção Brasileira, o Santos não superou o Atlético no Serra Dourada no dia 13/08/2011, em jogo válido pelo Brasileiro 2011. O time da casa ganhou por 2 a 0 com gols de Anselmo aos 24 e Diogo Campos aos 35 do segundo tempo.

O Santos do técnico Muricy Ramalho formou com Rafael; Pará, Bruno Rodrigo, Durval e Léo; Adriano, Arouca, Henrique (Diogo) e Paulo Henrique Ganso (Felipe Anderson); Neymar e Borges (Alan Kardec).

Gol nos acréscimos
Às vésperas da disputa do Mundial Interclubes, o Santos enfrentou o Atlético-GO pela 35ª rodada do Brasileiro de 2011 no Estádio do Pacaembu. O time tricolor abriu o marcador aos 36 minutos do primeiro tempo com o zagueiro Leonardo. Com o placar a seu favor, os visitantes abusaram de jogadas violentas e se defenderam até os 50 minutos do segundo tempo, quando Paulo Henrique Ganso acertou um belo chute, empatando o prélio.

O Peixe formou com Rafael, Danilo, Edu Dracena (Léo), Bruno Rodrigo, Durval; Adriano (Alan Kardec), Arouca (Felipe Anderson), Henrique e Ganso; Neymar e Borges.

O público de 18.044 pagantes foi o maior da história do confronto, superando os 16.848 pagantes do primeiro jogo do confronto em 1986.

www.youtube.com/watch?v=hwb0iBrh-Xs

Noite Hermana
Sem contar com os selecionáveis Neymar e Ganso e o lesionado Rafael, o Santos enfrentou o Atlético GO no Pacaembu no dia 11/08/2012 pela 16ª rodada do Brasileiro. O time goiano abriu 2 a 0 com gols de Patric logo aos quatro minutos e Wesley aos 36 do primeiro tempo. Na segunda etapa, o técnico Muricy Ramalho promoveu a estreia de Patito Rodríguez no lugar do jovem Leadrinho. Logo aos 10 minutos, o argentino pegou o rebote do chute de Felipe Anderson para diminuir a vantagem e marcar seu primeiro tento com a camisa do Peixe. Para completar a “noite Hermana”, aos 37 minutos da segunda etapa Miralles converteu pênalti sofrido por ele.

O Peixe formou com Aranha; Bruno Peres, Bruno Rodrigo, Durval e Léo; Adriano, Arouca, Leandrinho (Patito Rodríguez) e Felipe Anderson (João Pedro); Victor Andrade e Bill (Miralles). Técnico: Muricy Ramalho

www.youtube.com/watch?v=DVqG2Ni6weo

E você, o que acha do Santos diante do Atlético Goianiense?