Qualquer trainee de marketing sabe que uma grande marca não patrocina um grande clube de futebol devido à rejeição dos torcedores contrários. A Parmalat sentiu isso na pele quando participou da co-gestão com o Palmeiras e constatou que os torcedores dos outros times – principalmente do rival alvinegro da capital – estavam deixando de comprar seus produtos.

Mesmo que um clube tenha, em hipótese, 15% dos torcedores do Brasil, haverá 85% de opositores, o que é um índice de rejeição impraticável para qualquer plano coerente de marketing.

O anunciado patrocínio da Caixa Econômica Federal se torna ainda mais difícil de entender quando se sabe que o alvinegro de Itaquera já é, dentre os clubes brasileiros, o de maior índice de rejeição – antipatia aumentada com a recente liberação, entre isenção de impostos e empréstimo direto, de 800 milhões de reais de dinheiro público para a construção de um estádio, e da nomeação dos discutidos Andrés Sanchez e Mano Menezes para postos-chave na CBF.

Outro detalhe é que uma empresa estatal não pode, por lei, patrocinar instituições que tenham dívidas com o governo, e o alvinegro da capital deve nada menos do que 50 milhões de reais aos cofres públicos.

Lula cumpriu a promessa

Para o jornalista Lauro Jardim, colunista da revista Veja, o patrocínio da Caixa Econômica Federal foi obtido graças à interferência direta do ex-presidente Lula, que já tinha prometido interceder a favor do clube se este não conseguisse o patrocínio master. Depois de sete meses sem que o marketing corintiano apresentasse resultados, Lula resolveu agir. Assim escreveu Lauro Jardim na Veja que está nas bancas:

No início de outubro, sob o título Lula veste a camisa, foi publicada aqui a seguinte informação:

Depois da eleição, Lula se incumbirá de uma nova tarefa. Comprometeu-se com diretores do Corinthians a procurar grandes empresários e resolver de uma vez por todas o patrocínio das camisas do clube. Este ano, o clube de maior torcida de São Paulo, campeão brasileiro, da Libertadores e candidato ao título mundial, não conseguiu se acertar com ninguém. Pediu 35 milhões de reais por um ano.”

E assim foi feito. Ontem, o Corinthians, que estava há sete meses sem patrocinador master, fechou com a Caixa Econômica Federal.

Não deu para ser uma empresa privada. Foi de banco estatal mesmo.

Hoje tem Santos e Bahia pela Copa do Brasil Sub-20

Após um empate de 1 a 1 no primeiro jogo, na Bahia, Santos e Bahia voltam a se enfrentar hoje, às 20h30m, na Vila Belmiro, para definir quem vai para a semifinal da Copa do Brasil Sub-20.

Para se classificar o Santos precisa de uma vitória ou do empate em 0 a 0, já que empatou com gols fora de casa. O resultado de 1 a 1 leva para a decisão por tiros diretos.

O jogo será transmitido pela ESPN Brasil. Mas espero que a torcida de Santos compareça. Os Meninos, alguns deles com boas possibilidades de serem aproveitados entre os profissionais em 2013 – casos de Geuvânio, Leandrinho, Pedro Castro e Giva – precisam muito do incentivo dos torcedores.

E você, o que achou de mais uma ajuda de Lula ao Corinthians?