Léo Cittadini fez um gol no tempo normal e outro na disputa de pênaltis. Mostrou categoria e bom passe. Falta ser mais rápido e marcar melhor (Foto: Pedro Ernesto Guerra Azevedo/ Comunicação Santos FC).

A equipe Sub-20 do Santos teve méritos, mas também foi bafejada por muita sorte para vencer o Grêmio Osasco e se classificar para as quartas-de-final da 44ª Copa São Paulo de Futebol Júnior. Na verdade, a fortuna rondou de um lado a outro e houve momentos em que a vitória parecia estar mais perto dos meninos bons de bola e espertos do Osasco.

Quando Leo Cittadini abriu o marcador, aos 15 minutos, com um toque sutil de cabeça que encobriu o goleiro Vinicius, aproveitando cruzamento de curva de Giva, nada indicava que o Santos sofreria para se classificar para as quartas-de-final.

O adversário tocava bem a bola e mostra muita disposição, mas a defesa do Santos, com Wallace no lugar do poupado Gustavo Henrique, nada permitia. Aos 20 minutos, porém, o complicado Canavarros tentou sair jogando, perdeu a bola e na seqüência ganhou cartão amarelo por fazer falta por trás no atacante do Osasco. Da falta surgiu o escanteio e dele um dos gols-contra mais bizarros que eu já vi no futebol.

A bola foi bem cruzada, em curva, mas ela caiu justamente entre sete jogadores de linha do Santos e mais o goleiro Gabriel Gasparotto. Sim, a gorduchinha caiu entre oito jogadores do Santos e um deles, justamente o zagueiro Jubal, que já tem treinado entre os profissionais, meteu a cabeça com gosto e estilo para empatar a partida.

O gol reduziu a tranqüilidade do Alvinegro Praiano e encheu o adversário de ousadia. A partida se tornou equilibrada. Afinal, entre garotos o peso da camisa é bem menor. E como a torcida do Santos não compareceu em massa, os adeptos do Osasco puderam fazer algum barulho.

Brigador, mas inseguro durante boa parte do jogo, o Santos não chegou ao gol da vitória, apesar de pressionar um pouco mais do que o adversário. O empate foi justo e a decisão por pênaltis parecia favorecer psicologicamente o adversário, o que se confirmou logo na primeira cobrança.

Colocado em campo no último instante da partida, no lugar de Wallace, apenas para participar da disputa de pênaltis, Gustavo Henrique estufou o peito e inaugurou as cobranças chutando fraco, no canto esquerdo, para a defesa de Vinicius.

A partir daí o Osasco acertou três pênaltis consecutivos e o Santos viveu uma situação terrível, pois se errasse mais um arremate ficaria dois gols abaixo e dificilmente evitaria a desclassificação. Mas Giva, Léo Cittadini, Lucas Otávio e Neilton converteram suas cobranças.

Pelo adversário, tudo ia bem até que chegou a vez de Glauber, o ríspido capitão do Osasco, que no jogo tinha pisado e chutado alguns santistas. Na hora de mostrar categoria, porém, o moço jogou a bola nos céus de Jaguariúna. Em seguida, Jéferson chutou para Gasparotto se esticar e espalmar a bola que entraria no canto direito. Santos classificado. Em dúvida, os deuses escolheram o time que não deu pontapés.

Agora o Santos enfrentará o Audax, que goleou a Ferroviária por 7 a 0. Estar entre os oito mais bem classificados de uma competição que começou com 100 equipes já é alguma coisa. Mas para a exigente torcida santista – e para o exigente Muricy Ramalho –, os garotos e o técnico Claudinei Oliveira sabem que o céu é o destino.

Análise de cada santista

Gabriel Gasparotto: Bom goleiro embaixo das traves, mas mostrou indecisão no escanteio que gerou o gol do Osasco. Era só ter decisão e gritar “É minha!”. Também tem dificuldade para repor a bola.

Douglas: Por já ter atuado entre os profissionais, poderia ter mostrado um pouco mais. Não marcou e nem apoiou muito bem.

Wallace: Substituiu Gustavo Henrique, poupado. Não comprometeu, mas também não se destacou.

Gustavo Henrique: Entrou no finalzinho mesmo, a ponto de nem tocar na bola. Entrou só para cobrar o pênalti e o fez muito mal. Mas tem crédito pelo que tem jogado na Copa.

Jubal: Lento, fez o gol contra e falhou em algumas jogadas. Tem potencial, mas precisa jogar mais simples e segurar menos a bola.

Canavarros: O mais fraco da defesa do Santos. Falhou no lance que provocou o escanteio do gol do Osasco. Defendeu e atacou mal.

Alisson: Marca com disposição o tempo todo, luta bastante, mas lhe falta mais habilidade e um bom passe.

Lucas Otávio: Incansável, dedicou-se mais à marcação. Desta vez apoiou pouco.

Pedro Castro: Empenhou-se bastante, como sempre. Compensa a falta de maior técnica com muita luta. Se corresse menos e pensasse mais se daria melhor.

Leandrinho: Entrou no lugar de Pedro Castro. Na primeira jogada driblou dois e deu bela assistência, mas foi sumindo do jogo. Continua com muitos altos e baixos.

Léo Cittadini: Toca bem a bola, passa bem, é inteligente, fez um lindo gol de cabeça. Mas precisa ser mais rápido e ajudar melhor na marcação. É driblado muito fácil e isso sobrecarrega o meio-campo.

Stéfano Yuri: Atacante rompedor, com mais garra do que técnica. Fez muito pouco e ainda perdeu dois gols. Giva teve de jogar sozinho.

Neilton: Entrou no lugar de Stefano Yuri. Pouco fez no jogo, mas foi quem melhor cobrou o pênalti, o que acabou dando a vitória ao Santos.

Giva: Melhor em campo, sem dúvida. Cansou de brigar sozinho com a ala esquerda da defesa do Osasco e cansou de correr atrás de passes mal dados e compridos demais. Cruzou com muita categoria para o gol de Cittadini. Leve, lépido, se mostrar essa personalidade entre os profissionais, pode até ser mais uma boa opção para o Campeonato Paulista.

Claudinei Oliveira: Armou bem o time no meio-campo e na defesa, já que o Osasco joga com três atacantes, mas falhou no ataque. Deixou Giva e Stefano Yuri muito abertos pelas laterais, sem possibilidade de tabelar. Leo Cittadini acabou fazendo o papel de centroavante várias vezes, como no lance do gol.

Agora veja os dois gols do jogo e a disputa de pênaltis entre Santos e Osasco:

http://youtu.be/xsJfERKN8bI

Rachid mostra a torcida do Santos na estreia de Montillo

Na quarta-feira, apesar da chuva que durou o dia todo e da pouca importância do adversário, o Grêmio Barueri, quase 16 mil santistas foram ao Pacaembu ver a estreia de Montillo e os novos contratados do Santos. O Rachid esteve lá e fez este vídeo da torcida do Alvinegro Praiano. Confira:

E você, o que achou dos meninos nessa vitória suada?