É Hoje! Quero te ver lá!

Dizem que quando nosso time é derrotado inesperadamente, mesmo o comentarista mais comedido perde as estribeiras e passa a cornetar. Dizem até que neste blog eu já cornetei o técnico, os jogadores e a direção do Santos. Pois neste exato momento estou respirando fundo e com a maior tranqüilidade do mundo digo que não irei cornetar o técnico Muricy Ramalho, nem ninguém. Mas acho que ao menos tenho o direito de perguntar, já que perguntar não ofende…

Para começar, ilustríssimo professor Muricy, eu lembraria que até o jogo contra o Paulista, no Pacaembu, o Santos fazia a melhor campanha no campeonato e dependia de uma vitória, diante de seu público, para abrir dois pontos de vantagem sobre a Ponte Preta. Como eu sempre ouvi que em time que está ganhando não se mexe, gostaria de saber por que vossa senhoria tirou o zagueiro Neto, 1,95m, 27 anos, que vinha jogando bem, para a volta de Edu Dracena, 32 anos e 9 meses, que retornava após grave contusão.

Também ficaria honrado de saber, se vossa excelência permitir – já que seu tempo é bem mais caro do que o meu –, por que o senhor escalou uma defesa com Edu Dracena, Durval e Léo contra a Ponte Preta. Não sei se vossa reverendíssima sabe, mas a idade dos três, somadas, dá 102 anos e nove meses. Será que não fez falta somar mais juventude e agilidade a essa defesa?

Vossa iminência deve ter notado que no primeiro gol da Ponte Preta esses três veteranos santistas, em linha e estáticos, permitiram que o jogador adversário viesse de trás, todo faceiro, para abrir o marcador diante de um Rafael atrapalhado.

Aproveito ainda para perguntar se vossa santidade ainda não percebeu que o nosso jovem goleiro vive um período instável há meses e que hoje fez mais algumas lambanças – uma delas, constrangedora, responsável pelo terceiro gol da Ponte? O excelentíssimo diplomata não poderia escalar o Aranha enquanto o Rafael treinasse para voltar a jogar como um goleiro que já fez até final de Libertadores e hoje se apavora diante de um jogo no Interior de São Paulo?

Gostaria, finalmente, de saber do digníssimo mestre como um time que tem uma folha salarial infinitamente menor do que a do Santos, com um técnico que ganha menos do que o treinador de goleiros da Vila Belmiro, pode vencer de forma tão inapelável esse milionário Alvinegro da Vila, que paga tão altos salários a seus jogadores e a vossa senhora?

Agradeço se ao menos pensar sobre essas questões, amado mestre. E se a falta de vosso entendimento se deve a repetidas ausências dos bancos escolares, permita-me indicá-lo para aulas nesse estabelecimento de ensino muito descontraído e alegre, especialista em explicar o inexplicável.

Bomba! Muricy Vasconcelos, ou seria José Ramalho?, deu uma entrevista exclusiva ao Jô Soares explicando como escala o Santos. Acompanhe e entenda se for capaz:

E você, que pergunta quer fazer para nosso digníssimo mestre?