Fiquei triste ao ver Lucas saindo de campo após uma entrada maldosa do adversário que nem sequer levou cartão amarelo. Ficaria triste ao ver qualquer talento jovem do futebol brasileiro passando por um momento tão doloroso no insípido futebol francês. Coitado do Lucas, não só pela contusão, mas por acreditar no canto de sereia de que se tornaria o melhor do mundo se fosse para a Europa.

O futebol de Lucas continua o mesmo, com as mesmas qualidades e defeitos, só que com menos espaço para jogar e mais pontapés a receber. Lá ele não é o queridinho dos tricolores, pois até no seu PSG há jogadores mais badalados. Virou mais um brasileiro tentando a cada jogo justificar a fortuna que pagaram por ele. Ou seja, é e será um garoto eternamente pressionado para jogar bem, para fazer coisas fantásticas que ele nunca fez, ou fez raramente.

Desde que o garoto do Morumbi desembarcou em Paris e disse, inadvertidamente, que estava indo para a Europa para se tornar o melhor jogador do mundo, percebi que ele tinha entrado numa grande fria. Em primeiro lugar, quem é, é, não precisa ir para lugar algum para ser. Pelé jamais defendeu um time europeu, mas encheu a todos eles de dribles e gols.

Estou triste por Lucas e preocupado por Neymar. Parece que os idiotas da objetividade – que começam no jornalismo esportivo e se infiltram até em torcedores do próprio Santos – já traçaram o destino do garoto. Querem porque querem que ele suma do Brasil e vá para a merda da Europa.

O orgulho dos verdadeiros amantes do futebol brasileiro foi substituido pela ganância de alguns. Tem um monte de gente querendo ganhar dinheiro nas costas do garoto e pouco se importam se um dia ele será chutado, cuspido e insultado pelos arrogantes europeus.

Quem defende que Neymar vá para a Europa não só não gosta de Neymar, como detesta o futebol brasileiro, pois só mantendo seus craques é que o Brasil voltará a ter o melhor futebol do mundo. Veja que não foi à toa que a RAI (Rádio e Televisão Italiana) comprou os direitos dos campeonatos Paulista e Brasileiro. Se outros clubes, a exemplo do Santos, resistirem à tentação de negociar seus jovens talentos, logo uma fortuna de direitos internacionais estará chegando aos cofres de nossos clubes. É justamente essa concorrência que os europeus temem. Será que é tão difícil enxergar isso?

Hoje recebi um texto do santista Ernesto Franze sobre a importância de o Santos e o Brasil manterem Neymar. Como é bem oportuno, publico-o a seguir. Leia e dê sua opinião

Neymar não pode e não deve sair do Santos, agora. Veja por quê

Por Ernesto Franze

Escrevo sobre a campanha que é um verdadeiro bombardeio da imprensa nacional, internacional, de ex-jogadores & Cia, pedindo a saída do Neymar para a Europa.

Mais preocupante que isso é o que pude observar nas redes sociais. Essa campanha acabou contagiando um bom número de santistas, que, começam a sugerir a saída do Neymar devido às suas seguidas ausências nos jogos do Peixe devido às convocações para a Seleção Brasileira.

Outra notícia, já desmentida pelo Bayern de Munique, de uma proposta de 100 milhões de euros pela jóia, e a consequente entrada de 40 milhões de euros nos cofres do Santos também acabou motivando esse fogo amigo.

Crescimento extraordinário. Começou o efeito do fenômeno Neymar

O Santos teve um crescimento de faturamento “absurdamente” grande nos últimos três anos, estima-se que 20% desse valor são de responsabilidade do fenômeno Neymar.

Faturou 117 milhões de reais em 2010, contra 70 milhões em 2009, um aumento de mais de 67%! O maior crescimento do ano entre os clubes brasileiros!

O que veio depois disso é muito maior: em 2011 faturou 189 milhões, e no passado, 2012, o valor chegou a 214 milhões!

O Santos da incomoda posição de oitavo, nono colocado, no ranking dos clubes brasileiros, para o quarto maior faturamento nos últimos dois anos. Não é o terceiro porque o Internacional, que ocupa essa posição, possui grande arrecadação na venda de jogadores.

Superou o Flamengo (clube que junto com o Corinthians fatura doze milhões a mais que o Santos, São Paulo, Palmeiras e Vasco na cota de tevê pelo Campeonato Brasileiro) e também superou o Palmeiras, Vasco, clubes que tradicionalmente arrecadaram mais que o Alvinegro Praiano.

Confira os números e informações desse post no link abaixo, num trabalho que é uma verdadeira radiografia dos clubes brasileiros feito empresa Amir Somoggi Marketing e Gestão Esportiva, do brilhante Amir Somoggi, que segundo as boas línguas faz parte do cardume alvinegro.

http://www.ibdd.com.br/arquivos/Amir%20Somoggi.%20Janeiro%20-%202013.pdf

Abrir mão do Neymar, hoje, seria um prejuízo sem precedentes aos cofres e à história do Alvinegro no curto e no longo prazo.

Objetivamente no curto prazo o clube perderia aproximadamente 50 milhões do seu faturamento/ano, na medida em que se estima que o atleta alavanque a arrecadação do clube em 20%.

O mais importante é o resultado de longo prazo, que não é possível mensurar nesse momento. A verdade é que a presença do craque, que é um fenômeno no campo e na mídia, inclusive na mídia internacional, alavanca o número de torcedores de forma extraordinária, como não acontecia desde os anos de 1960.

Os torcedores, disfarçados de jornalistas oportunistas, têm razões óbvias para querer que o Neymar vá embora. Se o Brasil conquistar a Copa de 2014 aqui no “país do futebol” e o moleque for protagonista da conquista, a torcida do Santos explodirá em crescimento.

Quando Pelé parou, o Santos, que até vinte anos antes era um time de torcida pequena (torcedores quase que só da cidade de Santos) recebeu como legado do Rei uma torcida equivalente a 10% da população brasileira.

O Brasil tinha 90 milhões de habitantes em 1970, e aproximadamente nove milhões eram santistas. Hoje somos sete milhões de alvinegros num universo de 198 milhões de brasileiros.

Confira matéria no link da primeira revista Veja, de 1968:

http://veja.abril.com.br/numero1/p_055.html

Outro Neymar? Será tão fácil e rápido ao Santos como foi para o Flamengo substituir o Zico, tão fácil e rápido como foi para o Palmeiras substituir Ademir da Guia. Com certeza daqui uns cinquenta anos teremos um novo Neymar.

Pensar grande!

Não tenho dúvidas que a missão, o grande objetivo do Conselho Gestor do Santos, é renovar o contrato do Neymar pelo menos por mais três anos pós 2014. O futuro do Santos como um clube gigante no cenário brasileiro e mundial passa por essa missão.

E pra você, Neymar deve ir para a Europa ou ficar no Santos?