Fico imaginando como deveria ser difícil ser santista nos anos 50, quando não havia a Internet com suas redes sociais e a imprensa esportiva paulistana podia fabricar notícias favoráveis a seus clubes do coração e tentar apagar ou diminuir (o que não conseguiu) a emergente superioridade do Santos.

Leio uma entrevista de Ricardo Boechat, hoje na Rádio e TV Bandeirantes, e ele diz, analisando o futuro democrático da atividade jornalística, na qual cada um de nós será testemunha de nosso tempo:

“Sete bilhões de pessoas serão jornalistas e trabalharão com a informação primária, difundirão a informação. Tem riscos? Muitos. Mas é melhor ter sete bilhões de pessoas com informações do que sete ou 70 tentando manipular sete bilhões de pessoas”.

Isso mesmo. Como repetimos aqui no blog, cada um dos comentaristas deste espaço é um jornalista e sua participação é importante para difundir a verdade dos fatos, que nem sempre, ou quase nunca, é a mesma divulgada pela “grande imprensa”.

Muito obrigado Léo! Mas já deu!

Léo acena com a possibilidade de renovar mais uma vez com o Santos. Só pode ser brincadeira. Daqui a pouco o time do Santos será tão velho, mas tão velho, que o clube terá de contratar um médico legista.

Dorival não, mas Ney Franco…

Tem santista ainda apaixonado por Dorival Junior, mas ele é o único técnico que, no Santos, só ganhou títulos com derrotas: perdeu para o Santo André na final do Paulista e do Vitória na final da Copa do Brasil. Eu prefiro o Ney Franco, que, pelo jeito, logo estará no mercado.

E você, o que acha do jornalismo esportivo, do Léo e do Dorival?