Quatro Meninos da Vila entrarão em campo como titulares hoje, às 19h30m, no Pacaembu, contra o São Caetano: Rafael, Alan Santos, Neymar e Giva. E, se analisarmos bem, outros garotos vindos da base também já poderiam estar nesse time.

Na única oportunidade que teve, o zagueiro Jubal se portou como a classe e a tranquilidade de um Mauro Ramos de Oliveira. Não entendi porque nunca mais voltou ao time. Gostaria de vê-lo ao lado de seu companheiro da base, o grandalhão Gustavo Henrique. Com dois ou três jogos talvez se revelassem mais eficientes – e ágeis – do que os veteranos Dracena e Durval. Como saber sem lhes dar a oportunidade?

Na lateral esquerda o ídolo Léo está fazendo hora extra. Merece uma placa de ouro, coroa de louros, discursos, homenagens, etc, etc, mas precisa deixar o lugar para alguém mais jovem, forte e saudável. Por enquanto, Émerson Palmieri é o cara.

No meio, Alan Santos tem substituído bem a Arouca, justo o mais regular do time. Nessa área do campo o Santos conta ainda com os garotos Leandrinho, Lucas Otávio, Léo Citadini, Pedro Castro… Sem contar Anderson Carvalho, emprestado ao Penapolense.

Para o ataque há, ainda, Felipe Anderson, Victor Andrade, Neilton e Gabriel, além dos titulares Neymar e Giva. Assim, percebe-se que o Santos, apesar da teimosia e da desconfiança de seu treinador, está aos poucos voltando às suas origens de revelar e dar oportunidades aos Meninos surgidos nas suas divisões de base.

O que falta, agora, para realmente fazer jus aos seu DNA, é voltar a fazer gols, a aplicar goleadas acachapantes. Tudo bem que hoje os times jogam com duas linhas de quatro, todo mundo marca atrás da bola etc, etc, mas equipes ofensivas, com jogadores habilidosos e determinados, sempre conseguem marcar muitos gols, como o Atlético Mineiro mostrou ontem.

Prováveis escalações de Santos e São Caetano

Santos: Rafael; Rafael Galhardo, Neto, Durval e Léo; Renê Júnior, Alan Santos, Cícero e Montillo; Giva e Neymar. Técnico: Muricy Ramalho.

São Caetano: Fábio; Samuel Xavier, Bruno Aguiar, Gabriel e Diego; Fabinho, Moradei, Éder e Pedro Carmona; Danielzinho e Jael.?Técnico: Daniel Martine

A arbitragem será de Antônio Rogério do Prado, auxiliado por Anderson José de Moraes Coelho e Ricardo Pavanelli Lanutto. Quem tiver alguma coisa contra esses senhores, que fale agora ou se cale para sempre.

Times argentinos justificam a fama

O Tigre perdeu dos meninos do Palmeiras e apelou o tempo inteiro, confundindo futebol com rugby, ou coisa pior. O Arsenal genérico de Sarandi perdeu para o Atlético Mineiro pelos mesmos 5 a 2 que já havia perdido na Argentina, e cismou de brigar com a polícia. Ou seja, eles continuam os mesmos.

E depois a imprensa esportiva argentina, bem mais passional que a nossa, aproveita a confusão provocada pelos sarandistas para criticar “o país que organizará uma Copa”. Ora, a dor de cotovelo dos caras chega a ser constrangedora.

Uma vez a violência e o jogo sujo de uma seleção da Argentina foi saudada aos gritos de “Animals!” pela torcida inglesa que lotava o estádio de Wembley. Foi uma vergonha para os sul-americanos, olhados como sub-raça. Entra ano e sai ano e percebe-se que eles não mudam. A Argentina ainda está na idade da pedra do futebol.

Reveja agora dois jogos marcantes entre Santos e São Caetano e não se emocione se for capaz:

O futebol não precisa de mais meninos e menos valentões?