Hoje Teresina é a capital mundial do futebol

Com o estádio Albertão lotado (mais de 30 mil pessoas), o Santos estreia na Copa do Brasil contra o Flamengo do Piauí, às 22 horas, com transmissão pelos canais Sportv 2, ESPN e Bandeirantes.

Hoje orientado por Tata, o Santos deverá começar a partida com Rafael, Galhardo, Edu Dracena, Durval e Léo; Renê Júnior, Alan Santos, Cícero e Montillo; Neymar e Giva.

O Flamengo, do técnico Josué Terixeira, terá Robson, Niel, Laércio, Rafael Araújo e Rafinha (Wildinho); Alessandro, Marcelo, Leo Maceió e Lúcio Bala; Darlan (Augusto) e Edson Di.

O trio de arbitragem é do Rio Grande do Norte: árbitro Pablo Ramon Gonçalves Pinheiro, auxiliado por Luis Carlos Camara Bezerra e Izac Marcio da Silva Oliveira.

O coração da menina acelera, a boca seca, os olhos se arregalam, a voz fica mais aguda e um suor frio provoca arrepios sem causa aparente. Nos meninos, contrações involuntárias fazem os pés chutarem o ar, enquanto o pensamento fantasia dribles e gols inimagináveis. Estes sintomas têm acometido os jovens piauienses, particularmente os que fazem parte dos 822.363 habitantes de Teresina. A estranha febre atingirá sua temperatura máxima amanhã, às 21h40m, quando o Santos entrar em campo no estádio Albertão (capacidade de 35 mil pessoas) para enfrentar o Flamengo do Piauí, pela Copa do Brasil.

Tudo bem que Montillo também é uma atração, e que outros times grandes do Sul e Sudeste também despertariam grande interesse no público local, mas o que está acontecendo em Teresina é o frisson que só ocorre com a chegada dos grandes ídolos, dos heróis que pairam acima dos simples mortais.

Quando se atinge esse nível, não há volta. Neymar será notícia se jogar bem, se jogar mal, se fizer jogadas maravilhosas, se for bem marcado, enfim, Neymar é notícia por existir, ter talento, liberdade para exercê-lo e uma personalidade forte – atributos que todo jovem almeja.

É por isso que santistas ou não, todos no fundo torcerão para serem testemunhas de uma grande jogada de Neymar amanhã. Para contarem para seus filhos e netos, como nós que vimos Pelé fazemos hoje.

São esses encontros do herói com seu povo que sempre construíram os melhores momentos do futebol brasileiro – momentos que jamais existiriam caso o garoto tivesse ouvido os “conselhos” de seus inimigos e se mudado para a fria e distante Europa.

A viagem de São Paulo (Guarulhos) e a chegada a Teresina:

Garota do Piauí que vai ao jogo de hoje, prepare-se:

E você, já mediu sua temperatura?