muricy cheio de ovo
Joga ovo no Muricy. Mas será que ele é o único culpado desse futebol indigente que o Santos tem mostrado? E os jogadores, não deveriam ao menos acertar os fundamentos básicos?

Regulamento da final, segundo a Federação Paulista

Art. 10 – A fase final da Competição será disputada pelos 02 (dois) Clubes classificados na fase semifinal, que disputarão entre si em jogos de turno e returno, sagrando-se campeão aquele que somar o maior número de pontos ganhos, considerados exclusivamente os resultados obtidos nesta fase, observando-se, caso necessário, os critérios de desempate previstos neste REC.

Art. 11 – Nas partidas da fase final, o Clube que tiver obtido a melhor campanha na somatória de todas as fases anteriores, realizará a primeira partida na condição de visitante e a segunda partida como mandante.
Parágrafo Único. Entende-se por melhor campanha, para efeitos deste Artigo, o quanto disposto no Artigo 17, Parágrafo 3º deste REC.

O santista gosta de ser justo, pois aprendeu que as vitórias e os títulos só podem vir do campo e com méritos. Por isso, temos de reconhecer que o Mogi Mirim, apesar de suas imensas limitações financeiras, montou um time mais eficiente e merecia ter conquistado a vaga para a final do Campeonato Paulista. O aplauso deste blog ao pessoal do Mogi e ao técnico Dado Cavalcanti, que deveria receber o prêmio de revelção entre os profissionais de sua categoria. Trabalha bem melhor do que muitos que se encostaram em clubes grandes e sobrevivem de discursos sem sentido.

Deu pra ver, pelos comentários do blog, que mais uma vez o santista se decepcionou com o “trabalho” do técnico Muricy Ramalho, que teve toda a a semana para preparar o time e novamente só conseguiu colocar em campo um errático amontoado de jogadores. No final, o técnico que recebe 700 mil reais por mês ainda teve a coragem de se desculpar insinuando que está tirando leite de pedra. Ora, já pensou se o técnico do Mogi, que dirige um time cujo maior salário é 30 mil reais, viesse com as mesmas desculpas?

Com mais esse empate, o Santos agora só fará o segundo jogo da final em casa se o clássico deste domingo terminar empatado e o Corinthians ganhar nos pênaltis. Qualquer outro resultado forçará o Alvinegro Praiano decidir o título longe de sua torcida – justo ela que, ao lado do goleiro Rafael, tem sido as únicas armas do time nesses jogos decisivos (veja o regulamento da Federação Paulista no boxe que inicia este artigo).

Na verdade, além de Rafael, ontem merecem elogios, ao menos pelo espírito guerreiro, Renê Junior, Edu Dracena e Léo. Não fosse pelo incansável Renê e o Mogi teria pentrado mais facilmente na defesa.

De qualquer forma, não se pode creditar a Muricy toda a culpa por este futebol limitado que o Santos tem jogado. A verdade é que alguns jogadores contratados para reforçar o ataque estão jogando pessimamente. André não consegue completar uma jogada; Miralles completa apenas uma ou duas na partida inteira; Montillo está tão mal que merece comentários à parte.

Maior salário do Santos depois de Neymar, o argentino só pode estar com problemas psicológicos. Não dá para admitir um jogador profissional de futebol ter uma atuação tão inócua como a de Montillo ontem. O rapaz deve estar com algum problema psicológico – quem sabe um complexo de culpa, já que ganha uma bolada e não consegue fazer nada certo. Ontem ele atrapalhou o time no ataque e na defesa. Tanto, que sua saída, por distensão, pode ter sido fundamental para melhorar um pouquinho o rendimento da equipe. Como disse a faixa da padaria: “Muito faz quem não atrapalha”.

Por falar em distensão, o exímio cobrador de faltas Marcos Assunção teve outra durante os treinamentos e ficará mais tempo fora do time. O rapaz veio para cobrar faltas, três meses se passaram e ele ainda não pôde dar a alegria de um golzinho aos santistas. Parece mandinga…

O problema não diminui quando se analisa o rendimento dos jogadores mais experientes: Arouca tem caido muito, a ponto de não acertar passes; Léo teve um dia amargo, em que foi entortado até pelo novato Caramelo; Felipe Anderson continua no mundo da Lua, e Neymar, sempre bem marcado, nunca rendeu tão pouco para a equipe. Contra o Mogi só deu um chute a gol, na cobrança de falta, e perdeu muitas bolas displicentemente (o que o deixaria na reserva se já tivesse jogando em um clube europeu). As bolas de segurança do Santos passarram a ser as defesas de Rafael nas disputas de pênaltis.

Para piorar, São Paulo e Corinthians estão melhores do que o Santos em todos os aspectos, principalmente no que se refere ao comando técnico. Ney Franco e Tite estão efetivamente trabalhando e não apenas empurrando um contrato milionário com a barriga. Hoje, qualquer um deles seria favorito em uma decisão contra o Alvinegro Praiano. Uma semana será suficiente para mudar esse quadro?

Talvez, desde que os próprios jogadores do entendam a importância de um título como este. Não é apenas um Paulista, são quatro em seguida, um feito que dificilmente se repetirá em 100 anos.

Mas as perspectivas para a decisão que pode levar ao histórico tetracampeonato não são nada boas. Há tempo para treinar jogadas, tentar corrigir alguma coisa, estudar os adversários, experimentar novas opções táticas e motivar o time, mas sabemos que o teimoso Muricy não abre mão de suas preguiçosas convicções que já lhe deram outros títulos. Enfim, tomara que ele esteja certo e nós, errados.

E você, o que acha que o Santos deve fazer para ser campeão?