Ontem este blog argumentou contra a escolha do árbitro Rodrigo Braghetto para atuar na decisão do Campeonato Paulista, domingo. Duas horas depois, pressionada pelas manifestações que se espalharam pelas redes sociais, a Federação Paulista de Futebol anunciou que Braghetto estava descartado e que haveria outro sorteio. O árbitro contemplado foi Guilherme Ceretta de Lima.

victor andrade - treinopato rodriguez
A juventude e a velocidade de Victor Andrade e Patito são boas opções para ajudar o Santos a conquistar o histórico tetracampeonato (Fotos: Ivan Storti/ Comunicação Santos FC).

Falamos muito do nosso Neymar como provável fator desequilibrante do jogão deste domingo, mas nos esquecemos de Paulinho, um volante-meia moderno, que está vivendo a melhor fase de sua carreira. Com técnica e personalidade ele tem comandado o seu time e participado de muitas jogadas de gol. Merece uma atenção especial se o Santos quiser comemorar seu tetracampeonato na Vila Belmiro.

Digo isso porque no primeiro jogo da final, no Pacaembu, a falta de marcação em Paulinho explicou o domínio absoluto do Corinthians. Enquanto Marcos Assunção parecia sem pernas para acomapnhá-lo, Paulinho desfilou entre sua defesa, o meio-campo e o ataque com rara desenvoltura. Chegou a tornar-se atacante, de tanta liberdade que tinha.

Se eu pudesse alertar Muricy Ramalho – e fosse ouvido por ele – eu também diria que Danilo, apesar de seu jeito de caipirão que não quer nada, de quem só falta o cigarrinho de palha no canto da boca, é outro que pode decidir o jogo para o rival. É lento e oferece pouco perigo se não lhe dão espaço, mas quando consegue girar e bater na bola com tranquilidade, seus arremates e passes causam grande preocupação.

A velocidade de Romarinho e a habilidade e a malandragem de Émerson Sheick também merecem cuidados. Sem contar o oportunismo de Guerrero e Pato… Enfim, o adversário tem jogadores que em hipótese alguma devem ser negligenciados. O alvinegro de Itaquera não faz sucesso há um ano por acaso.

Entretanto, por mais que se preocupe com o oponente, o Santos precisa predominar no clássico, pois é ele quem necessita da vitória para chegar ao quarto título paulista seguido. O desafio de Muricy é colocar em campo um time que, apesar da categoria e da experiência do adversário, domine a partida, crie e faça os gols necessários para a vitória.

Acelerar o jogo pode ser a solução

O ideal é marcar presença na área adversária, com jogadores especialistas em aproveitar bolas cruzadas e bate-rebates, tais como André e Miralles, ou o Santos deve entrar com um time mais rápido, que se infiltre pelas beiradas do campo e desnorteie a defesa rival?

Há que se levar em conta, ainda, que o Corinthians está um pouco mais desgastado, pois jogou no meio da semana a sua sorte na Libertadores. Nesse caso, a juventude e a velocidade de jogadores como Patito, Victor Andrade e Felipe Anderson não seriam mais eficazes?

Com um meio-campo e ataque formado por Arouca, Renê Junior, Cícero, Felipe Anderson, Patito Ou Victor Andrade) e Neymar, o Santos teoricamente chegará mais rápido à área adversária. E ainda haveria Bruno Peres e Léo fustigando pelas laterais. Seria uma tática ofensiva, sem dúvida.

Mas se Muricy preferir o sistema tradicional, inserirá Marcos Assunção na equipe, pois é o santista que melhor bate na bola e que pode transformar toda falta mais ou menos perto da área em chance de gol. Porém, se tirar Renê Junior, a defesa ficará exposta e Paulinho, novamente, deverá deitar e rolar. Por isso, mesmo com a entrada de Assunção, Renê deverá ser mantido, o que forçará a saída de um jogador de ataque, provavelmente Patito (ou Victor Andrade).

Por outro lado, já que a preferência por Assunção significa apostar nas bolas cruzadas para a área, André ou Miralles seriam escalados, o que tiraria também do time o imprevisível Felipe Anderson, e o meio e o ataque do Santos teriam Arouca, Renê Junior, Cícero, Marcos Assunção (um pouco mais adiantado), Neymar e André (ou Miralles).

Estritamente no papel o alvinegro de Itaquera é mais equilibrado, competitivo e, consequentemente, favorito. Mas o aspecto motivacional deve influir a favor do Santos, pois o título vale muito mais pare ele. Um único título estadual não vale tanto, mas quatro seguidos valem muito. Há, ainda, a tensa atmosfera da Vila, estimulante para o time que joga em casa, angustiante para quem vem de fora.

E para você, como o Santos deve jogar para ser campeão?