messi e neymar
Um mês antes da final o Barcelona tinha pago por Neymar a primeira parte de 10 milhões de euros.

Em novembro de 2011, um mês antes de entrar em campo para enfrentar o Barcelona pelo título mundial, Neymar havia recebido do clube catalão a primeira parte de um pagamento de 10 milhões de euros como adiantamento pela compra de seu passe. Ou seja, o garoto já estava comprometido com o clube que sonhava defender um dia. Então, fica a primeira pergunta: com que cabeça e ânimo o jovem craque deve ter entrado em campo para o jogo mais importante do Santos dos últimos 50 anos?

Como ficamos sabendo nestes últimos dias, Neymar sempre sonhou jogar no Barcelona – que ele considera mais do que um clube de futebol – e atuar como garçom de seu ídolo, Messi. Com a pequena fortuna de adiantamento do Barcelona paga, estrategicamente, a partir de um mês antes do provável confronto entre os dois times, é evidente que o atacante do Santos, na euforia de seus 19 anos, estava totalmente despreparado psicologicamente para atuar naquela partida frente o poderoso campeão europeu.

Uma decisão de Mundial é para se matar ou morrer, é jogo para se dividir com a cabeça, como costumava dizer Clodoaldo – ainda mais para um time sul-americano, que tem nessa competição a chance única de mostrar sua cara e ser respeitado pelo mundo. A forma apática, conformada, com que o Santos se apresentou, pode ser explicada, em parte, pelo desinteresse de Neymar. Ele sabia que se brigasse, arrumasse confusão, fosse considerado hostil pelos jogadores e pela comissão técnica do Barcelona, ainda poderia ter sua contratação vetada. Então, foi dócil, pouco atrevido, quase submisso.

A informação do adiantamento de dez milhões está no site oficial do Barcelona e foi divulgada pelo vice-presidente do clube, Josep Maria Bartomeu. Se o dinheiro foi entregue a Neymar sem o conhecimento do Santos, então o caso deve ir à Fifa, o negócio poderá ser impugnado e o Barcelona arcará com punição pesada. Porém, se o Santos sabia de tudo, o que é a hipótese mais provável, então chega a hora da segunda pergunta: Por que a diretoria santista, o pai de Neymar e o próprio jogador negaram o tempo todo que já tinham um pré-acordo com o Barcelona?

E logo em seguida somos obrigados, nessa busca pela verdade, a fazer outra pergunta crucial: Por que aceitaram um negócio com o Barcelona um mês antes do Mundial da Fifa, no qual, provavelmente, o clube catalão seria o adversário do Santos na disputa pelo título? Será que era tão difícil perceber que isso iria ficar martelando na cabeça de Neymar e reduziria drasticamente o seu desempenho?

Por fim, a questão primordial: por que a direção do Santos escondeu do próprio Conselho do Clube e dos seus 50 mil sócios que Neymar já estava negociado com o Barcelona e já tinha recebido 10 milhões de euros do time catalão? Como fica agora a confiança dos conselheiros, dos sócios e dos torcedores do Santos nessa diretoria?

Não sei, mas acredito que depois dessa quebra total de confiança entre os santistas e a direção do clube, a atitude mais correta e ética que as pessoas do Santos envolvidas nesse caso deveriam tomar é colocar seus cargos à disposição e, se o estatuto permitir, marcar novas eleições para a presidência do clube. Não haverá mais clima para continuar convivendo e aceitando decisões de gente tão mentirosa.

Reveja o desempenho de Neymar contra o Barcelona, na final do MUndial da Fifa:

O que você achou disso tudo?