Neymar foi escolhido pela Fifa como o melhor jogador nas três partidas que o Brasil realizou pela Copa das Confederações, a imprensa brasileira trocou os artigos sarcásticos contra o garoto pela bajulação pura e o público, claro, agora só aplaude o Menino de Ouro da Vila. Estes são alguns dos milagres operados pela transferência de Neymar do Santos para o Barcelona, como queria Galvão Bueno e seus iguais. Mas este Neymar ainda é o resultado de tudo o que aprendeu e aperfeiçoou desde a mais tenra infância na Vila Belmiro, já que ainda não fez sequer um treino pelo Barcelona.

Porém, para a aliviada opinião pública brasileira o que parece importar mais é que o grande ídolo do nosso futebol não defende mais um time rival, não deve contribuir mais para aumentar a torcida do Santos e não colocará em risco o esquema de espanholização do futebol brasileiro.

Se Neymar pertencesse a algum outro clube brasileiro, ele teria tido um tratamento diferente do que teve sendo jogador do Santos? Acredito que sim. O Santos sempre incomodará mais porque atingiu um nível em sua história – e se manteve nele por 15 anos – do qual nenhum outro clube do País sequer chegou perto.

Imagine o futebol como o atletismo ou a natação. Pois bem. O Santos bateu um recorde que continua até hoje. Os anos passam, surgem e desaparecem campeões, o padrão de qualidade do jogo sobe e desce, mas não surge outro time como o Grande Santos de 1955 a 1969.

E Neymar e Ganso, como Robinho e Diego, contrariaram a tese – defendida pelos desprovidos de cultura e caráter – de que o Alvinegro Praiano só foi Glorioso nos tempos de Pelé. Deve ser difícil ter de defender uma tese tão absurda a vida inteira. O jeito é minimizar tudo o que o Santos e seus jogadores fazem. Esse era o motivo principal para Neymar incomodar tanto a tantos.

O torcedor do futebol, mesmo o mais limitado, sabe que o que importa mesmo nessa roda viva em busca de vitórias e títulos, é atingir um ponto inalcançável, é escalar o Everest da história, é deixar o nome gravado no tempo com letras de ouro, é atingir o ponto de transformar o time, nosso time, em uma lenda. E isso, só o Santos fez.

Agora que assinou com o Barcelona, apesar de nunca ter jogado lá, Neymar já não representa um fator de desestabilização no mercado do futebol brasileiro e é olhado e tratado de outra maneira pela grande maioria dos torcedores rivais e da imprensa esportiva. Porém, a verdade é que este garoto que está carregando o Brasil nas costas nesta Copa das Confederações, ainda é 100% Menino da Vila.

E você, percebeu como mudaram o tratamento ao Neymar “espanhol”?