victor andrade e gabriel em barcelona
Victor Andrade e Gabriel em Barcelona. Será que vão voltar? – Ao negociar o passe de Neymar, o Santos deu ao clube catalão a prioridade para contratar três Meninos da Vila. Sabe-se que Victor Andrade e Gabriel estão entre eles (Foto: Vinicius Vieira/ Divulgação Santos FC).

Um tanto fora de forma, depois de ter jogado no pequeno Cagliari, da Itália, Thiago Ribeiro se apresentou ao Santos, ao mesmo tempo em que o ex-santista Neymar, perseguido pela imprensa internacional, se apresentava ao Barcelona. Na sexta-feira os dois times se encontram, no Camp Nou, na chamada crônica da goleada anunciada. Nunca antes, que eu me lembre, o Santos foi para uma partida como o boi para o matadouro. Capitão Edu Dracena deu uma boa notícia: disse que Neymar prometeu “aliviar”. Que vergonha! Por que será que o Santos e o futebol brasileiro chegaram a um nível desses?

Digo futebol brasileiro porque o São Paulo jogará a Copa Audi com a mesma expectativa de não perder feio. E em pensar que já houve tempo em que os times brasileiros iam para a Europa exibir o seu “belo futebol”, como diria Paulo Henrique Ganso. Mas por que será que se chegou a uma situação dessas, em que os clubes brasileiros são meros coadjuvantes no mundo do futebol?

Bem, para harmonizar com a temática do blog, nos restrinjamos ao caso Neymar. Hoje fica evidente que o Santos fez até muito e talvez tenha pagado um preço alto demais por estes pouco mais de três anos que conseguiu segurar o jogador. O Alvinegro Praiano ofereceu o mundo e um pouco mais para um garoto que representava grande visibilidade ao clube e um aumento substancial de sua torcida.

Em determinado momento pareceu que o Santos estava sozinho no afã de segurar a joia preciosa que brotou dos nossos campos de terra batida. Os patrocinadores sumiram, a tevê passou a boicotar os jogos do time, o interesse do status quo do futebol brasileiro não era ver o Santos reinar novamente movido por um Menino da Vila de Ouro.

Que outro clube brasileiro pagou três milhões de reais por mês a um atleta? Que outro clube – dirigentes, colegas, torcedores – tentaram formar uma ilha de proteção e carinho ao Menino que parecia perseguido e desrespeitado de todos os lados? Que outro blogueiro apelou até para a consciência do pai de Neymar – e se sujeitou a ouvir o latido dos cães – para que esquecesse por um momento o dinheiro e mantivesse seu filho no Santos ao menos até depois da Copa de 2014?

Tudo foi em vão, como se sabe. O sonho de Neymar de jogar no Barcelona foi maior, e não se pode culpá-lo diante da enorme diferença entre a estrutura do futebol brasileiro e a do europeu. Fomos ingênuos, nós que lutamos e usamos os argumentos que tínhamos às mãos para tentar convencê-lo a ficar? Provavelmente sim. Um jogador de futebol é um profissional que quer o melhor para si e para sua carreira. Não tem a obrigação de amar um time como nós amamos.

Não tem a obrigação de continuar jogando em um clube que não tem projetos definidos, de continuar morando em um País movido pelo populismo e pela corrupção, que distribui sua riqueza aos apaniguados e é controlado por uma emissora de tevê antiética, que já tem parceria com outro clube. Não, não se pode obrigar ninguém a viver a vida toda aqui.

A verdade é que o Santos e o Brasil não deram a Neymar um sonho maior e melhor do que o Barcelona. Há muitos anos, aliás, nossos pequenos craques não sonham mais com Pacaembus e Maracanãs. Sonham com Camp Nous… E Neymar estará realizando o seu na próxima sexta-feira, contra um Santos que já foi o melhor do planeta, já atingiu um nível jamais alcançado por um time, mas hoje é apenas um coadjuvante no grande espetáculo do futebol.

E pra você, por que hoje há tanta diferença entre Santos e Barcelona?