Para quem achava que o Santos seria um saco de pancadas depois de sofrer a goleada do Barcelona, até que o time se saiu muito bem no 0 a 0 contra o Cruzeiro, que pela primeira vez não venceu no novo Mineirão. Aplicado na defesa, mas também com disposição para atacar quando possível, o Alvinegro Praiano não mereceu vencer, mas, pela entrega e dedicação, também não poderia voltar de Belo Horizonte sem ao menos um pontinho.

As fixações de Cicinho e Mena nas laterais deram mais segurança à defesa. Aranha foi bem, Durval não comprometeu e Edu Dracena voltou a ter uma exibição excelente, ganhando todas as divididas e usando sua experiência para comandar a marcação.

Os volantes Alison e Alan Santos – que entrou logo no início, no lugar de Arouca – também se saíram bem na função de atrapalhar o avanço dos cruzeirenses pelo meio. Com isso, apesar de o adversário ter a posse de bola por mais tempo, o Santos não correu tanto perigo.

No ataque, Montillo voltou a criar boas oportunidades, mas Neilton e Henrique não estiveram no mesmo nível do argentino. Cícero segurou bem a bola, mas não chutou a gol e nem enfiou bons passes. Thiago Ribeiro entrou no fim e pouco fez. Desta vez o técnico Claudinei Oliveira preferiu não escalar Giva, que há uma semana era o atacante titular.

Pelo elenco que tem, não dá para esperar atuações fora de casa muito melhores do que essa que o Santos teve no Mineirão. Pode-se especular um Léo Cittadini no lugar de Cícero, mas temos de admitir que talvez não dê em nada, pois Léo ainda é muito jovem e pode sentir a titularidade.

Quanto às mudanças pedidas pelos santistas para a defesa, elas perdem o sentido depois de uma exibição como essa, em que Edu Dracena e Durval foram muito bem, com destaque para o primeiro, que realmente agiu como líder e capitão.

O resultado deixou o Cruzeiro na liderança do Campeonato Brasileiro e manteve o Santos perigosamente próximo da zona de rebaixamento. Mas o Alvinegro Praiano, que tem apenas 12 jogos, um a menos do que a maioria dos concorrentes, jogará na quarta-feira, às 19h30, contra o Vasco, na Vila Belmiro, e se vencer se aproximará do G4.

Edu Dracena foi o melhor em campo. Atuações.

Aranha: Não precisou fazer nenhuma defesa difícil, mas quando exigido foi bem. Nota 7.

Cicinho: Anulou Luan, fez cobertura, atacou quando pode e se entregou ao jogo com disposição: 8.

Edu Dracena: O melhor em campo. Não deixou passar nada. Desta vez saltou em todas as bolas e comandou a defesa. 8,5.

Durval: Fez bons cortes, se entregou mais ao jogo: 7.

Mena: Atacou e defendeu. Mostrou uma energia que Léo já não tem mais. 7

Alison: Dedicou-se à marcação com vontade. Armou alguns contra-ataques. 7. (Leandrinho entrou no segundo tempo. Melhorou o toque de bola no meio-campo, apesar de não ser tão bom marcador como Alison. 6,5.

Arouca: Jogou pouco e saiu machucado. Sem nota.

Alan Santos: Marcador implacável, ainda tentou apoiar o ataque, sem muito sucesso. 7.

Cícero: Tem categoria, sabe segurar a bola, mas às vezes demora para dar andamento à jogada. 7.

Montillo: Voltou a jogar bem, mas não tão bem como no meio da semana. Errou alguns passes que poderiam ser meio gol. De qualquer forma, foi o melhor atacante do Santos. 8.

Neílton: Empenhou-se, mas desta vez pouco produziu. 6.

Thiago Ribeiro: Jogou pouco, mas mostrou alguma categoria. 6.

Henrique: Brigador, algumas vezes atrapalhou a saída de bola do Cruzeiro. Mas produziu pouco. 6.

Técnico: Claudinei Oliveira: Armou bem o sistema defensivo e soube motivar o time para marcar o tempo todo. Preferiu Henrique a Giva, que seria o titular natural com a ausência de Willian José. No todo, merece um 7.

Arbitragem de Paulo Henrique Godoy Bezerra (SC), auxiliado por Carlos Berkenbrock (SC) e Fábio Rodrigo Rubinho (MT): Boa, mas caseira, deu cartões amarelos por “cera” para Mena e Thiago Ribeiro, mas deixou de dar outros dois em soladas de jogadores do Cruzeiro. Em quase todas as disputas de bola entre Henrique e Dedé viu falta do santista. Terminou o jogo com 15 segundos de antecedência, quando o Santos partia para um contra-ataque. De qualquer forma, merece um 7,5.

Cruzeiro 0 x 0 Santos. Ficha técnica.

Cruzeiro: Fábio, Mayke, Bruno Rodrigo, Dedé e Egídio; Nilton, Souza, Ricardo Goulart e Martinuccio (Elber); Luan (Lucca) e Vinicius Araújo (Borges). Técnico: Marcelo Oliveira.

Santos: Aranha, Cicinho, Edu Dracena, Durval e Mena; Alison (Leandrinho), Arouca (Alan Santos), Cícero e Montillo; Neílton (Thiago Ribeiro) e Henrique. Técnico: Claudinei Oliveira (interino).

Árbitragem: Paulo Henrique Godoy Bezerra (SC), auxiliado por Carlos Berkenbrock (SC) e Fábio Rodrigo Rubinho (MT). Cartões amarelos: Martinuccio e Vinícius Araújo (Cruzeiro); Alison, Edu Dracena, Mena, Thiago Ribeiro e Leandrinho (Santos).

Veja os melhores momentos da partida:
http://youtu.be/waFYGJXfUZ4

E você, o que achou do Santos nesse 0 a 0 com o Cruzeiro?