Oportunidade de trabalho para pessoas com deficiência

Se conseguir emprego pode ser bem complicado para qualquer um, imagine para pessoas que têm alguma deficiência física. Por isso não posso deixar de apoiar a iniciativa do Armazém das Ideias, que criou o “Espaço Oportunidades Especiais” no Shopping Light, no Centro de São Paulo, e até o dia 21 deste mês, das 10 às 22 horas, estará atendendo e orientando portadores de deficiência que querem informações ou procuram uma colocação no mercado de trabalho.

O Shopping Light fica na rua Coronel Xavier de Toledo, 23, Centro, São Paulo, telefone (11) 3154-2299. Fiquei sabendo que há nada menos do que 1.000 (mil) vagas abertas. Espero que esta nota ajude alguém a conseguir trabalho. Sei muito bem como isso é essencial na nossa vida. Também é possível fazer cadastro para as vagas por meio do site http://www.oportunidadesespeciais.com.br/

Logo mais a gente discute aqui a atuação do Santos contra o Cruzeiro

Hoje o jogão Cruzeiro e Santos é a atração da Rede Globo. Portanto, o santista está liberado para assistir na voz do santista Cléber Machado. O veterano Léo, poupado (?), não viajou para Belo Horizonte. O recém-contratado Thiago Ribeiro, fora de forma, só deverá entrar no segundo tempo, no lugar de Giva. Willian José foi expulso contra o alvinegro Itaquerense e hoje não poderá jogar. Claudinei Oliveira deverá escalar o Santos com Aranha, Cicinho, Edu Dracena, Durval e Mena; Alison (ou Leandrinho), Cícero, Arouca e Montillo; Neilton e Giva (depois Thiago Monteiro).

O Cruzeiro joga para voltar a ser líder do campeonato e até agora só venceu no novo Mineirão: foram 13 jogos e 13 vitórias. Hoje o time mineiro é favorito com, segundo meus cálculos, 50% de possibilidades de vitória, com 30% para o empate e apenas 20% de triunfo do Santos. Depois do jogo a gente volta para o blog para comentar a partida e a atuação dos santistas e do técnico Claudinei Oliveira.

Esse time só corre com pressão da torcida?

Alguns jogadores reclamaram que na quarta-feira, antes do clássico, nenhum integrante da diretoria do Santos apareceu para protegê-los da fúria dos torcedores. Só que na partida o time correu, se doou como nunca e merecia ter vencido. O que se depreende disso? Que os jogadores do Santos só se dedicam cem por cento quando jogam sob pressão da torcida?

Será que é por isso que costumam se dedicar mais às partidas quando elas são realizadas em seu campo, e se mostram menos envolvidos – e mais preguiçosos – quando o jogo é na casa do adversário? Não sei, mas sempre me intrigou saber porque jogadores profissionais de futebol atuam com mais disposição diante de sua torcida do que longe dela.

O torcedor do Santos percebeu na quarta-feira que, sob pressão, jogadores como Montillo e Edu Dracena jogam muito bem. Isso quer dizer que não vinham jogando bem por que não queriam, ou por que precisam ser instigados para mostrar o seu melhor? Qualquer que seja a resposta, agora deram ao torcedor mais um motivo para pegar-lhes no pé caso voltem às atuações indigentes de antes.

Contra o Cruzeiro, fora de casa, os jogadores que comeram a grama na quarta-feira, mostrarão a mesma disposição? O torcedor santista teme que não, mas espera que sim, pois sabe que se o Santos for sempre o time determinado que enfrentou o alvinegro de Itaquera, terá alguma chance até de brigar por uma vaga no G4. Afinal, jogar bem futebol não é só questão de técnica e físico, mas de caráter.

Alex disse o que a gente sempre disse

Todo mundo sabe que é a Rede Globo, e não a CBF, que manda no futebol brasileiro. Mas até a entrevista do Lance com o craque Alex, do Coritiba, não me lembro de outro jogador ter afirmado isso. Só mesmo alguém que não tem rabo preso, é inteligente e já fez o seu pé de meia para ter visão e coragem de afirmar isso. Uma das críticas de Alex, que atuou muitos anos na Europa, é o horário absurdo das 22 horas para os jogos noturnos no Brasil, um desrespeito ao torcedor, que fica na dependência do final da telenovela. O engraçado é que Galvão Bueno, o porta-voz da Globo, pressiona os melhores jogadores brasileiros para irem jogar na Europa, mas nunca sugere que a Globo adote procedimentos consagrados no futebol europeu, como realizar os jogos noturnos em horários mais civilizados.

O que é pior: Laor ou o comitê gestor?

Essa ideia de comitê gestor não deu mesmo muito certo. Quando todos mandam, ninguém manda e ninguém se responsabiliza por nada. Pelo jeito, o presidente Luis Alvaro Ribeiro quer mandar sozinho, pois está destituindo pessoas do comitê e escolhendo outras que concordam com suas ideias. O medo do santista é que, se dependesse de Laor, o inoperante e caríssimo técnico Muricy Ramalho ainda estaria sangrando as finanças do clube em troca de um estilo retrancado e pouco criativo de jogar. Laor também foi o responsável pela compra dos 100% dos direitos de Bill e pela onerosa renovação de contrato com jogadores veteranos, além de outras medidas infrutíferas e nocivas ao clube.

E pra você, por que o Santos corre mais quando joga em casa?