O elenco e o técnico não são unanimidades entre os santistas. Faltam jogadores e Claudinei Oliveira ainda não agrada a muitos. Mas a verdade é que o Santos, com um jogo a menos, é o melhor dos times paulistas no Campeonato Brasileiro. Você acha que é o menos ruim? Que seja. O certo é que quem apostava que o time seria rebaixado, caiu do cavalo. Se jogar tudo o que pode, o Alvinegro Praiano terá boas chances de conquistar uma vaga para a Libertadores. Pra começar o Santos deve olhar para a frente e nunca para trás.

Veja os melhores momentos de Santos 2 x 1 Criciúma:
http://youtu.be/kNWvo_xv5r4

SANTOS 2 X 1 CRICIÚMA
Vila Belmiro
Árbitragem: Arilson Bispo da Anunciação (BA), auxiliado por Janette Mara Arcanjo (MG) e Valdebranio da Silva (RO).
Público: 5.147 pagantes. Renda: R$ 126.376,00
Cartões amarelos: Montillo e Arouca (Santos); João Vitor, Elton e Henik (Criciúma)
Gols: Thiago Ribeiro aos 20 e Willian José aos 41 minutos do primeiro tempo. Tony aos 34 minutos do segundo.
Santos: Aranha, Cicinho, Edu Dracena, Gustavo Henrique e Mena; Renê Júnior, Arouca, Leandrinho (Renato Abreu) e Montillo (Pedro Castro); Thiago Ribeiro e Willian José (Giva). Técnico: Claudinei Oliveira.
Criciúma: Helton Leite, Matheus Ferraz (Henik), Leonardo e Fábio Ferreira; Tony, Elton (André Gava), João Vitor, Daniel Carvalho (Fabinho) e Diego Hoffmann; Lins e Wellington Paulista
Técnico: Sílvio Criciúma

gabigol
Gabriel precisa do carinho da torcida para mostrar o que sabe (Ricardo Saibun/ Divulgação Santos FC)

Há jogos que têm tudo para marcar uma arrancada no campeonato. Este que o Santos faz contra o Criciúma, neste domingo, às 18h30, na Vila Belmiro, é um deles. O Alvinegro Praiano tem jogado bem e desta vez atua em casa, diante de uma torcida que começou a comparecer – e a entender o momento do time – diante de um adversário desfalcado e combalido. Tudo nos leva a prever uma vitória santista, mas o oponente merece respeito.

A confiança na vitória do Santos vem da análise dos rendimentos dos dois times, das circunstâncias da partida e dos elencos. Concordo com quem insiste que o Santos não é nenhuma maravilha, mas ao mesmo tempo lembro que não há nenhum time maravilhoso neste Campeonato Brasileiro e que por mais jogadores medianos e inexperientes que tenha, o Alvinegro Praiano ainda possui uma equipe visivelmente mais qualificada do que outras, entre elas o adversário deste fim de semana.

Mesmo sem Alison e Cícero, suspensos, o time que Claudinei Oliveira pode levar a campo tem uma boa defesa, formada por Aranha, Cicinho, Edu Dracena, Gustavo Henrique e Eugenio Mena; um meio-campo que não tem criado muito, mas dificulta demais as ações do adversário, que terá Renê Junior (ou Renato Abreu, ou Leandrinho), Arouca e Montillo; e um ataque que cria boas oportunidades de gol, formado por Thiago Ribeiro, Gabriel e Willian José.

Uma outra opção tática seria jogar só com dois atacantes, com Arouca, Renato Abreu, Montillo e Leandrinho no meio, porém com liberdade para Leandrinho se aproximar do ataque, que teria Thiago Ribeiro e Gabriel (ou Willian José).

Considero a possibilidade de substituir o garoto Gabriel nesta segunda opção porque a torcida tem pegado muito no seu pé e ele realmente não tem jogado bem. Se começar a ser vaiado, sumirá de campo. Aliás, acho que nessa posição ocupada por Gabriel poderá haver um revezamento entre ele, Neilton e Victor Andrade. Manter sempre um garoto – rápido e atrevido – no ataque é muito bom e embanana a defesa adversária. Quem tiver melhor dos três, joga.

A vitória nesse domingo tem tudo para ser sucedida por outra vitória no meio da semana, frente ao já desanimado Náutico. Estes seis pontos colocariam o Santos na briga direta por uma vaga para a Copa Libertadores de 2014. Mas não se ganha seis pontos de uma vez só. É preciso jogar cada partida com fé, atenção e determinação.

O que esperar do Criciúma?

Todo adversário merece respeito? Teoricamente, sim. Mas se um time favorito respeita demais o outro, e não o ataca e pressiona como deve, esse outro começa a ganhar confiança (ou “gostar do jogo”, como dizem os comentaristas da tevê), e ao se sentir à vontade pode alcançar o gol e tornar a partida dramática. As grandes zebras ocorrem assim, ou por falta de respeito, ou por respeito demais.

Mas é claro que o Criciúma merece cautela. Trata-se de uma equipe que já viveu lampejos vitoriosos neste Brasileiro. Relembre, amigo e amiga, que de 24 de agosto a 5 de setembro o Criciúma, dirigido pelo técnico interino Silvio Criciúma, em quatro jogos venceu três e empatou um: derrotou Vitória (1 a 0) e São Paulo (2 a 1) fora de casa, venceu o Coritiba (2 a 1) em Criciúma e empatou com a Ponte Preta, em Campinas, por 0 a 0. Portanto, já mostrou que merece cuidados.

No momento, porém, o desespero bate à porta do Criciúma. O time não vence há quatro jogos e vem muito desfalcado para a Vila Belmiro. Os laterais Sueliton e Marlon, machucados, não jogam. O reserva de Marlon, Gilson, também está com problemas físicos. Por isso, o lateral-esquerdo do time catarinense deverá ser o garoto Diego Hoffmann, que veio das categorias de base. Nem é preciso dizer que Cicinho, Gabriel e/ou Thiago Ribeiro têm de forçar a barra por ali.

O volante Serginho e o atacante Cassiano, ambos contundidos, também não devem entrar em campo. Outros prováveis desfalques são os ex-santistas Éwerton Páscoa, que deverá ser substituído por Fábio Ferreira, e o centroavante Marcel, cujo lugar deverá ser ocupado por nosso conhecido Wellington Paulista. Outra substituição provável é a de Morais por Daniel Carvalho.

À espera de erros de passes do Santos, ou do aproveitamento de alguma bola parada, o Criciúma, com três zagueiros, provavelmente jogará com Helton Leite, Matheus Ferraz, Fábio Ferreira e Leonardo; Tony, Elton, João Vitor, Daniel Carvalho e Diego Hoffmann; Lins e Wellington Paulista.

A arbitragem será de Arilson Bispo da Anunciação (BA), auxiliado por Janette Mara Arcanjo (MG) e Valdebranio da Silva (RO). Confesso que não tenho maiores referências sobre esse trio. Desejo-lhes boa sorte, apenas.

Enfim, será um confronto que exigirá determinação e fome de gol dos santistas, mas ao mesmo tempo implicará algum cuidado, pois o adversário já conseguiu bons resultados fora de casa. Qual a melhor maneira de encarar uma partida assim? Pode parecer uma resposta comum, mas o ideal é entrar em campo como se fosse para uma decisão mesmo. Se render o máximo que pode, ou ao menos 80% de seu potencial, o Santos vence por uma diferença de dois gols, devolve os 3 a 1 que sofreu no primeiro turno e segue adiante em busca de uma honrosa classificação para a Libertadores.

Aprecie este Santos moleque de 2003, na mesma Vila Belmiro, marcando cinco gols no Criciúma em apenas 23 minutos de jogo:

E você, o que espera do Santos diante do Criciúma?