Mas Claudinei resolveu jogar na defesa mesmo em casa

O Santos ficou no seu campo e esperou o Internacional, em vez de marcar a saída de bola do time do Sul, que só foi apertado nos cinco minutos finais, quando o Santos criou e perdeu três chances para marcar. 0 a 0 foi justo, mas a vitória era possível. Agora o Alvinegro Praiano tem 40 pontos e fará dois jogos decisivos fora: Corinthians e Náutico.

Uma vitória para inspirar o Santos hoje:

De volta, consciente de que as diferenças entre Brasil e Estados Unidos estão mais na corrupção que vem de cima do que na educação rudimentar do povo, espero com ansiedade o jogo desta quarta-feira, às 19h30m, contra o Internacional, convicto de que a vitória virá se o Santos tiver uma mentalidade ofensiva, pois a defesa do Colorado, quando apertada, confessa.

O time está bem escalado. Minha única dúvida, hoje, é se Alan Santos não se sairia melhor do que Arouca, que tem falhado, principalmente no passe. Também acho que Victor Andrade poderia entrar no lugar de Éwerton Costa. Porém, há algo que poucos percebem: Costa sabe proteger melhor a bola e isso é importante para impedir que o time seja pego desprevenido no contra-ataque.

O Santos deverá jogar com Aranha, Bruno Peres, Edu Dracena, Gustavo Henrique e Emerson Palmieri; Alison, Arouca, Cícero e Montillo; Thiago Ribeiro e Everton Costa. O Internacional, agora dirigido pelo ex-goleiro Clemer, provavelmente entrará em campo com Muriel, Gabriel, Jackson, Juan e Kleber; Aírton, Willians, Caio e D’Alessandro; Scocco e Leandro Damião. A arbitragem será de André Luiz de Freitas Castro (GO), auxiliado por Bruno Raphael Pires (GO) e Ricardo Bezerra Chianca (PE).

Os públicos do Santos

Por Khayat

Como torcedor de estádio que sou, louvo sua iniciativa de tentar arregimentar um maior número de torcedores santistas nos estádios, mas acredito que o amigo está cometendo um engano ao tentar comparar a quantidade de público presente nos jogos do Santos F.C. em 2010 e os do presente ano. Para tanto, sirvo-me dos números dos Campeonatos Paulistas disputados em 2010 e 2013 (somente jogos da fase classificatória) que apontam:

2010

Jogos de Mando do Santos F.C: 10 partidas

Disputados na Vila Belmiro: 09 partidas, com média de público de 9.187 torcedores pagantes.

Disputados no Pacaembu: 01 partida, com o excelente público de 32.001 torcedores pagantes em pleno sábado de carnaval.

Não obstante, em 2010 o Santos F.C. disputou o seu jogo inaugural no Campeonato Paulista na condição de visitante nesse mesmo Pacaembu, quando o time recém-formado ainda era uma incógnita, num sábado as 19 h contra o Rio Branco, e 12.153 torcedores santistas compareceram ao estádio.

2013

Jogos de Mando do Santos F.C.: 10 partidas
Disputados na Vila Belmiro: 07 partidas, com média de público de 8.709 torcedores pagantes.

Disputados no Pacaembu: 02 partidas, com média de público de 14.581 torcedores pagantes.

Disputados no Morumbi: 01 partida, com público de 17.155 torcedores pagantes.

Vale destacar que no Campeonato Paulista de 2010 inexistia a campanha de Multiplicação dos Peixes como forma de angariar novos sócios-torcedores, que hoje podem pagar apenas a metade do valor do ingresso nos jogos em que o Santos F.C. é mandante. Portanto, a grande maioria pagava o ingresso “cheio”, isso quando os jogos disputados na Vila Belmiro não eram clássicos, ocasião em que o ingresso era majorado como forma de compensação por jogar em casa e ter um menor público pagante.

Hoje, levando-se em conta que a quantidade de associados praticamente sextuplicou, paradoxalmente o público pagante nos jogos de mando do Santos F.C. (quer sejam realizados na Vila Belmiro, no Pacaembu, no Morumbi, etc…) não subiu na mesma proporção, ou seja, aumenta o número de associados e se mantém (ou diminui) a média de torcedores pagantes nos estádios.

Destaque-se ainda que a quantidade de partidas de mando do Santos F.C. transmitidas em sinal aberto pela detentora dos direitos de transmissão, pouco se alterou de 2010 até os dias de hoje.

Então, caro amigo, a mim fica evidente que a principal mudança de 2010 para 2013 está no atrativo que leva o torcedor santista ao estádio: a qualidade do futebol praticado pelo time em campo. E é por essa razão que a frase “o torcedor santista se afasta dos estádios na mesma proporção em que o time se afasta de seu DNA” não é uma desculpa, apenas uma constatação.

Finalizo observando que particularmente minha opção é uma divisão equânime de jogos do mando do Santos F.C. entre a Vila Belmiro e a Capital do Estado, pois acho que todos os torcedores santistas merecer ter a possibilidade de assistir das arquibancadas dos estádios o seu time de coração jogar.

E pra você, como o Santos tem de jogar para vencer o Inter?