Desta vez o Santos, apesar do uniforme escuro, não despertou defunto. Com calma e precisão aproveitou as falhas do virtualmente rebaixado Náutico para marcar quatro gols em 26 minutos e decidir o jogo em Recife. Depois, enrolou até demais, mas no final marcou mais um para fechar sua maior goleada no Brasileiro: 5 a 1, sexto lugar na tabela e esperanças vivas de alcançar o G4.

Os gols fáceis que vinham sendo perdidos se transformaram em três chutes precisos de fora da área (dois de Cícero, um de Thiago Ribeiro), uma bela jogada de Cicinho, que driblou para dentro e bateu de esquerda, e um gol de Éwerton Costa, que ganhou a cabeçada com o goleiro. Nesse particular, só dá para reclamar da negligência de Thiago Ribeiro no lance em que pensou que estava impedido e desperdiçou uma chance na pequena área. Mas o ataque funcionou dessa vez.

A defesa foi bem, com destaque para Aranha. Não teve culpa no gol, um chute perfeito de Maikon Leite. Alison marca como um pitbull, mas passa como um pitbull. Caso desenvolva esse fundamento, será um dos melhores do País na posição. Arouca se cansou e foi substituído por Alan Santos, que entrou bem, deu mais tranqüilidade ao meio de campo e participou do quinto gol.

Montillo saiu no início do segundo tempo e deve ser nome certo para o clássico do próximo domingo, contra o Corinthians, em Araraquara. Thiago Ribeiro foi o mais errático do ataque. Éwerton Costa brigou, segurou a bola, ajudou na marcação e ainda fez um gol improvável. Desta vez não dá para reclamar do rapaz.

O time terá uma semana para se preparar para o grande jogo de domingo. Eu disse “se preparar” e não descansar. O adversário tem uma ótima defesa, mas tem demonstrado muitas dificuldades no ataque. É o tipo de jogo que separa os homens dos meninos, os jogadores gabaritados dos cabeças de bagre. Mais distante da zona de rebaixamento e ainda com chances de conseguir uma vaga na Libertadores, o Santos poderá jogar tranqüilo, mas determinado. Enfim, uma batalha boa.

“Bom Senso FC” deve alterar horário dos jogos noturnos

Está crescendo o movimento criado pelos jogadores profissionais brasileiros, esse tal “Bom Senso Futebol Clube”. Em todos os três jogos deste sábado da Série A, os jogadores dos dois times formaram um círculo no meio do campo, em sinal de união. Ótimo! É preciso mesmo mudar muita coisa para que nosso futebol volte a ser forte e competitivo.

Dentre as muitas coisas que devem mudar está o poder da televisão sobre o esporte. Ela não pode passar por cima da opinião de médicos e fisiologistas e decretar aos atletas – e também aos torcedores – o horário das 22 horas para os jogos noturnos. Isso é prejudicial para todos e, sem dúvida, tem se tornado uma das causas do público cada vez menor nos estádios.

A programação de um canal de tevê não pode ser mais importante do que o interesse de milhões de pessoas que vivem, convivem e alimentam a paixão e o mercado brasileiro do futebol.

Reveja agora os melhores lances de Náutico 1 x 5 Santos:
http://youtu.be/tPPFv9T61S8

O que essa goleada sobre o Náutico significou para você?