Blog do Odir Cunha

O ombudsman do Santos FC

Month: janeiro 2014 (page 1 of 3)

Que chocolate! Meninos da Vila colocam o Corinthians na roda!

Os últimos 10 posts deste blog tiveram a média de:
256,3 comentários

Dorval merece um belo presente de aniversário. Conto com você!

Dorval, Mengálvio, Coutinho, Pelé e Pepe, quase uma rima poética
Dorval, o primeiro homem do ataque dos sonhos.

Dia 26 de fevereiro o grande Dorval fará 79 anos. Quem se sente grato a ele pelas alegrias que proporcionou e ainda nos proporciona a cada vez que revemos as façanhas daquele Santos, que deposite o que puder na sua conta bancária:

Dorval Rodrigues
Banco: Bradesco
Agência: 0093-0
Conta: 0091840-7
CPF: 130371068-40

Estou combinando com o amigo Wesley Miranda de criarmos o Dia do Dorval em 26 de fevereiro e comemorarmos seu aniversário em São Paulo, com convite livre a todos que quiserem prestigiar a festa. Vamos ver se tudo corre bem e ele se recupera de um problema de saúde que o tem atormentado. Seria um encontro inesquecível.

Que chocolate! Meninos do Santos botam o Corinthians na roda

gustavo henrique e guerrero
Gustavo Henrique domina diante de Guerrero e Neto sorri. Esta imagem dá uma ideia de como foi o jogo (Foto: Ricardo Saibun/ Divulgação Santos FC)
geuvanio tormentogabriel gol de cabeca
Os rápidos Geuvânio, disputando bola com Ralf, e Gabriel, marcando o segundo gol do Santos, de cabeça, foram tormentos constantes para a defesa adversária (Fotos: Ricardo Saibun e Ivan Storti).
alan santos domina o meioarouca marca
Alan Santos, dominando no peito, e Arouca, abrindo o marcador, mandaram no meio de campo e ainda tiveram fôlego para apoiar o ataque (Fotos: Ricardo Saibun).
oswaldo oliveira comemorathiago marca
Oswaldo de Oliveira comemora sua primeira grande vitória no Santos e Thiago Ribeiro já limpou a jogada e se prepara para fazer o quinto gol (Fotos: Ricardo Saibun e Ivan Storti).
thiago e bruno
Thiago marcou dois gols; Bruno Peres, que entrou no lugar de Mena, mais um. O Santos foi uma alegria só na noite quente de quarta-feira. Quem foi à Vila Belmiro não vai se esquecer (Foto: Ivan Storti).

Fundo musical para ler esta notícia:

Sempre digo que vence o time que quer mais vencer. E os Meninos do Santos não só queriam vencer, como queriam golear. Iam para o ataque com uma volúpia de dar medo, e por isso fizeram cinco, como poderiam fazer mais em um elenco que há pouco mais de um ano foi campeão do mundo.

Percebeu-se claramente o dedo do técnico Oswaldo de Oliveira na atitude do Alvinegro Praiano, pois em outros tempos o Santos faria um gol e passaria a tocar de lado. Desta vez, mesmo diante de um adversário que sempre merecerá respeito, atirou-se ao ataque em toda oportunidade e, como tinha jogadores mais jovens, rápidos e com melhor condicionamento físico, chegou com facilidade à meta adversária.

Arouca foi o destaque do primeiro tempo. Ele e Alan Santos ganharam o meio de campo para o Santos; Gustavo Henrique e Neto permitiram poucas oportunidades a Guerrero e Romarinho; Cicinho apagou Danilo; Cícero achou espaço para armar as jogadas e os atacantes Geuvânio, Gabriel e Thiago Ribeiro deram o chamado suadouro na defesa corintiana.

Bastante disputada e com um nível técnico que há muito não se via no futebol paulista, a primeira etapa terminou com a vantagem de 2 a 1 para o Santos, que chegou a estar vencendo por 2 a 0, gols de Arouca e Gabriel. O gol do adversário veio de um belo chute de Guilherme.

O comentarista Neto disse que no primeiro gol o chute de Arouca passou por santistas que estavam impedidos. Concordo. Acho que o Santos deveria devolver esse gol ao Corinthians, desde que aquele do Ricardinho em 2001, em idênticas condições, também seja anulado.

Brincadeiras à parte, o Santos voltou jogando sério e determinado no segundo tempo. Logo no começo, Thiago Ribeiro tratou de fazer o terceiro gol, após contra-ataque fulminante. Pouco depois, em arrancada espetacular de Geuvânio, Bruno Peres fez o quarto. Para completar, Thiago Ribeiro driblou seu marcador e bateu entre o goleiro e a trave para fazer o quinto.

Nem mesmo as contusões de Alan Santos e Mena arrefeceram o ânimo do time. Destas, a que mais preocupa é de Alan, que estava jogando muito. Quanto a Mena, creio que ele já vinha com algum problema nos últimos jogos, pois não conseguia jogar bem.

No final, para alívio do time de Mano Menezes, o árbitro Paulo César de Oliveira não deu nem um segundo de acréscimo. Pelas substituições, deveria dar ao menos mais três minutos.

De qualquer forma, o jogo entrou para a história, pois desde 6 de dezembro de 1964, há 49 anos – quando goleou o Corinthians por 7 a 4, pelo Paulista –, o Santos não marcava mais de quatro gols no rival.

É claro que há muito campeonato pela frente, mas uma vitória como esta tem um valor imenso, pois ocorreu contra um forte adversário e foi produzida por uma equipe destemida, que jogou como o torcedor do Santos gosta, e ainda contou com a participação de seis jogadores vindos da base: Gustavo Henrique, Alan Santos, Geuvânio, Gabriel, Leandrinho e Stéfano Yuri.

Isso evidencia que a capacidade de revelar jogadores é o grande, e talvez o único, antídoto do Santos contra os males provocados pela péssima administração da qual o clube tem sido vítima nos últimos anos.

As investigações para desvendar a venda do passe de Neymar para o Barcelona devem prosseguir, assim como as elucidações sobre essa caríssima e inexplicável contratação de Leandro Damião. Mas ao menos o torcedor volta a ter esperanças de que, no campo, verá um time rápido, impetuoso, brigador, que, sem dúvida, o representará.

Reveja os gols do chocol…, digo, da goleada do Santos:
http://youtu.be/lt8gSjXuFIc

Para não dizerem que esqueci dos corintianos que frequentam o blog, lá vai um presentinho. Imprimam, peguem a caixinha de lápis de cor e divirtam-se:
imagesnumero-5

Como é bom saber que ao menos no campo há esperanças, não?


No mínimo pai de Neymar foi tremendamente antiético

Dorval merece um belo presente de aniversário. Conto com você!

Quem se sente grato a Dorval pelas alegrias que ele proporcionou e ainda nos proporciona a cada vez que revemos as façanhas daquele Santos, que deposite o que puder na conta bancária do Dorval:

Dorval Rodrigues
Banco: Bradesco
Agência: 0093-0
Conta: 0091840-7
CPF: 130371068-40

Estou combinando com o amigo Wesley Miranda de criarmos o Dia do Dorval em 26 de fevereiro e comemorarmos seu aniversário em São Paulo, com convite livre a todos que quiserem prestigiar a festa. Vamos ver se tudo corre bem e ele se recupera de um problema de saúde que o tem atormentado. Seria um encontro inesquecível.

No mínimo o pai de Neymar foi tremendamente antiético

Ouvi com atenção as explicações do senhor Neymar e não mudei em nada a impressão que eu já tinha dele e da transferência de seu filho para o Barcelona. Ele mesmo deixou claro, na entrevista para os companheiros da ESPN, que aceitou um empréstimo de 10 milhões de euros do Barcelona entre agosto e setembro de 2011, portanto três meses antes do Mundial da Fifa, quando já se sabia que a provável decisão do Mundial seria entre o Santos e o clube catalão. Esta foi uma atitude tremendamente antiética e assustadoramente nociva aos interesses do Santos, clube ao qual Neymar estava ligado por contrato.

A atitude correta, digna, não só do empresário de Neymar, mas, principalmente, de alguém que também é seu pai, seria responder ao Barcelona de que não aceitava conversar antes do Mundial, já que os dois times poderiam decidir o título, no momento mais importante da história do Santos desde a final do Mundial Interclubes contra o Milan, em 1963.

Ao aceitar o empréstimo de 10 milhões de euros e iniciar um compromisso que só poderia resultar na transferência de Neymar para o Barcelona – o que sempre foi a vontade do jogador, segundo o pai –, o sr. Neymar pode não ter tido alcance intelectual e moral para perceber, mas na verdade aceitou um suborno branco da equipe espanhola.

Neymar jogou aquela final sabendo que estava enfrentando seu próximo clube, esta é a verdade. É óbvio que isso diminuiu sua motivação e reduziu ainda mais as chances santistas, que já não eram grandes.

Seu Neymar alega que tinha de aceitar o negócio com o Barcelona, em agosto ou setembro de 2011 (ele não precisou o mês) por insegurança quanto ao futuro profissional do filho. Ora, ora, ora, o rapaz tinha o maior salário do Brasil, inúmeros contratos de publicidade e outras propostas de clubes europeus. Por que a pressa em aceitar o “empréstimo”?

Espanto-me como depois disso a diretoria do Santos ainda mantenha relações com este senhor. Se ele, como revelou com muita empáfia, pode fazer negócios com outros clubes brasileiros, que faça. Deixe os Meninos da Vila em paz. O Santos não deveria precisar de intermediário tão interesseiro. O Santos não precisa, ou não deveria precisar, de esmolas do Barcelona, nem de qualquer outro clube.

Agora entendemos melhor porque Gabriel, Victor Andrade e Giva – os três jogadores que o seu Neymar indicou ao Barcelona e se prontificou a monitorar – foram colocados naquele amistoso sem sentido, em que o Santos, novamente humilhado, sofreu um constrangedor e irreparável 8 a 0. O objetivo do técnico interino Claudinei Oliveira não era reforçar o time e evitar o vexame, mas sim obedecer as ordens de expor os Meninos que, como em um mercado de escravos, deveriam agradar aos patrões catalães. Em nenhum momento se pensou no Alvinegro Praiano e em sua rica história. Que triste!

Não acredito, porém, que o pai de Neymar fez tudo sozinho, sem o consentimento da presidência e do comitê gestor do Santos. Portanto, que estes senhores expliquem-se. Na pior das hipóteses a Receita Federal gostará de saber quanto e para quem entrou todo esse dinheiro no Brasil, se é que veio para cá.

Finalmente, não entendo por que alguém precise tanto de dinheiro e faça tantos planos para ganhar mais e mais dinheiros. Seu Neymar quer enganar quem com essa conversa de que só está preservando o futuro da família? Se aplicar o que já tem e o que vai receber do Barcelona nos próximos quatro anos, Neymar terá uma renda de cerca de 400 mil reais mensais por toda a vida. Para quem ia treinar na garupa da velha moto do pai, mesmo embaixo de chuva, está melhor do que a encomenda, não?

Há coisas, porém, que o seu Neymar, como pai e educador, deveria saber que valem muito mais do que dinheiro. A ética é uma delas. E agir eticamente seria, repito, recusar qualquer acordo com o Barcelona antes do Mundial da Fifa. Porque, como o seu Neymar também deveria saber muito bem, já que está naquele livrinho preto que se lê nos cultos, é impossível servir dois senhores ao mesmo tempo.

E pra você, o pai de Neymar fez bem de aceitar o “empréstimo” do Barcelona antes do Mundial?


Santos ganhou sem merecer. 11 perguntas e respostas sobre o jogo.

Que tal darmos um belo presente de aniversário ao Dorval?

Nosso querido Dorval Rodrigues, o homem que começa o melhor ataque de todos os tempos – Dorval, Mengálvio, Coutinho, Pelé e Pepe –, completará 79 anos no dia 26 de fevereiro. Como já conversamos neste blog, esta data nos dá a oportunidade de fazer uma diferença na vida de Dorval e ao mesmo tempo provar nosso amor e gratidão por tudo que ele fez pelo Santos.

Rápido e insinuante, Dorval fez 612 jogos e marcou 198 gols com a camisa do Time dos Sonhos. Alguns deles foram importantíssimos, como nos célebres 6 a 4 sobre a Seleção da Tchecoslováquia vice-campeã mundial; nos 5 a 0 sobre o Botafogo de Nilton Santos e Garrincha, na decisão da Taça Brasil/ Campeonato Brasileiro de 1962, e nos 5 a 1 sobre o Vasco, na decisão da Taça Brasil/Campeonato Brasileiro de 1965.

Destro, ele também podia cortar para dentro e fulminar o goleiro de pé esquerdo. Por isso chegou a quase 200 gols em um ataque que ainda tinha nada menos do que Pelé, Pepe, Coutinho e Toninho Guerreiro. Não foi à toa que jogou 13 vezes pela Seleção Brasileira entre 1959 e 1963, época em que o Brasil era servido por pontas geniais como Garrincha e Julinho Botelho.

Gaúcho do bairro de Partenon, Porto Alegre, Dorval foi revelado pelo extinto Força e Luz e chegou ao Santos em 1956, com 21 anos. Dividiu o quarto com Pelé na pensão de dona Jorgina e em campo cansou de servir ao Rei, que deve muitos de seus gols aos cruzamentos precisos e às jogadas de linha de fundo do generoso colega de quarto.

Como eu já havia antecipado neste blog, falei com Dorval e não sem alguma dificuldade consegui convencê-lo a me passar seus dados bancários, que publico neste post e manterei até a noite do seu aniversário. Fiz Dorval entender que os depósitos em sua conta formarão um grande presente que queremos lhe dar.

Quem se sente grato a Dorval pelas alegrias que ele proporcionou e ainda nos proporciona a cada vez que revemos as façanhas daquele Santos, que deposite o que puder na conta bancária do Dorval. Quem tem conta no Bradesco pode depositar sem precisar do número do CPF do Dorval. Mas nesta segunda-feira conseguirei o CPF.

Dorval Rodrigues
Banco: Bradesco
Agência: 0093-0
Conta: 0091840-7
CPF: 130371068-40

Estou combinando com o amigo Wesley Miranda de criarmos o Dia do Dorval em 26 de fevereiro e comemorarmos seu aniversário em São Paulo, com convite livre a todos que quiserem prestigiar a festa. Vamos ver se tudo corre bem e ele se recupera de um problema de saúde que o tem atormentado. Seria um encontro inesquecível.

Veja o vídeo que o Wesley fez em homenagem a Dorval e ao Dia D:

Santos ganhou sem merecer. 11 perguntas e respostas sobre o jogo.

A verdade é que o Ituano, do técnico Doriva, envolveu o Santos, tocou melhor a bola, criou mais oportunidades e teve mais vontade de vencer o jogo. O único gol da partida – Cícero, cobrando falta, aos 45 minutos do segundo tempo –, salvou as aparências, mas não pode esconder as muitas deficiências que o Alvinegro Praiano mostrou em Itu.

Foi a terceira partida do Santos no Campeonato Paulista e até agora o time não conseguiu jogar bem. Diferente da vitoriosa equipe Sub-20, os profissionais estão se defendendo aos encontrões e chutões para a frente e atacando na base da correria estabanada e com os mesmos chutões, que geralmente saem pela linha de fundo. Ainda se vê o dedo do técnico Oswaldo de Oliveira em um arremedo de sistema tático.

Mas está apenas no começo da temporada, os jogadores estão readquirindo a forma física, técnica, tática e se adaptando ao novo treinador, e blá-blá-blá… Para complicar, Montillo, o jogador mais técnico da equipe, está indo para a China. A realidade é que o Santos se comprometeu a pagar uma fortuna pelo centroavante Leandro Damião e continua sem meia. Nem mesmo um meio meia que consiga organizar alguma coisa na meiúca.

Por tudo isso devemos encarar a vitória sobre o Ituano como um presente dos deuses, mas ela não deve enganar ninguém. Há muito trabalho pela frente para que o santista possa ter um time para torcer em 2014.

Como muitas devem ser as dúvidas dos leitores deste blog, atrevo-me a antecipar-me a elas e respondê-las com a maior sinceridade, serenidade e tolerância que eu puder. Vamos às questões:

O Santos fez tudo errado em Itu, ou dá para salvar alguma coisa?
O ponto positivo é que o time correu. Supriu com garra a falta de técnica e acabou achando um gol no final.

Ninguém jogou bem?
Aranha jogou bem. Todos os outros tiveram altos e baixos.

Neto e Jubal fizeram uma boa dupla de zaga?
Não. Jubal está sentindo o peso da camisa profissional e Neto só soube destruir e despachar o perigo. Mas ao menos não são de parar e pedir impedimento. Jubal ainda teve coragem em um lance capital no fim da partida, quando se jogou em duas bolas que poderiam dar a vitória ao Ituano. Como é uma posição que depende demais de experiência, ainda acho que ele vai melhorar muito. Mas Neto já é veterano.

Gabriel jogou bem?
Não. Precisa jogar mais para o time, aprender a servir quem está melhor colocado. Victor Andrade entrou no seu lugar e foi um pouco melhor. Ao menos sofreu a falta que gerou o gol de Cícero. Com relação a esses garotos, acho que o clube deveria ter uma norma de proibir cabelos moicanos, chuteiras coloridas e outras bossas antes que se firmassem como profissionais. É até ridículo um jogador entrar em campo cheio de marra e não jogar nada.

Montillo fez falta?
Sim. É o único que vem de trás e consegue fazer uma ou outra tabela. Geuvânio começa bem as jogadas, mas quase sempre entrega a bola para o adversário; Thiago Ribeiro é um centroavante que vem buscar a bola e Gabriel, ou Victor Andrade, são garotos rápidos, que funcionam quando têm espaço para penetrar em velocidade. Repetindo: falta um meia.

Cícero jogou bem?
O mesmo de sempre. Não marca e apoia um pouco melhor. Mas fez o gol.

O Santos deve renovar com Cícero?
Deve ao menos conversar seriamente. Se o clube não contratar meias, ter´de segurá-lo, pois poderá ficar capenga o resto do ano.

Dá pra dizer que arbitragem prejudicou o Santos?
Sim. A jovem Patrícia Carla de Oliveira foi muito infeliz em duas marcações de impedimento contra o Santos. Nessas oportunidades não havia apenas um, mas dois jogadors do Ituano dando condições aos atacantes santistas. Até o narrador Milton Leite se espantou com o erro grotesto da auxiliar do inseguro árbitro Marcelo Rogério.

O Santos está jogando mal por que é início de temporada, por que está desfalcado, ou por que o elenco é fraco?
O único desfalque sensível é Montillo, pois a defesa, de uma forma ou de outra, tem suprido a falta de Edu Dracena. O elenco é limitado, sim, mas como há muitos jogadores jovens, pode-se esperar alguma melhora. Quanto ao início de temporada, realmente tem sido cruel para os times grandes, pois os pequenos de São Paulo ficam meses se preparando para o Paulista, enquanto os grandes voltam de férias e mal fazem a decantada pré-temporada. Quase todo início de Campeonato Paulista tem sido difícil para o Santos e os outros grandes do Estado.

Já dá pra cornetar Oswaldo de Oliveira?
Não. Ele está tentando montar o melhor time com o que tem às mãos, mas precisa de tempo e de reforços. Se uma equipe não sabe sair jogando desde a defesa, não troca bem os passes pelo meio e não consegue penetrar na defesa adversária e chutar a gol com eficiência, geralmente seu maior problema é técnico. Não se consegue manter a posse da bola e envolver o adversário se não se tem jogadores que sabem controlá-la, prendê-la, dar os dribles na hora certa e não errar passes. Por outro lado, fundamento não se corrige da noite para o dia. Não dá para transformar o Neto em um Beckenbauer em um mês. Eu diria que nem em uma vida inteira… A Holanda pôde criar o Carrossel porque tinha ótimos jogadores, além de muito inteligentes. O mesmo exemplo serve para o Barcelona. Por trás de um grande time, mais do que grandes jogadores, há uma cultura, uma fiulosofia de jogo. Isso é algo que deve vir desde a base. Ou a cada ano veremos um Santos iniciar a temporada como um time de catados.

O time será outro com Leandro Damião?
Não. O atacante que veio do Inter (ou melhor, que está para vir) é daqueles que ficam parados na frente esperando um bom passe, uma bola cruzada ou uma jogada de linha de fundo. Ou seja, ele precisa de um sistema ofensivo que funcione para proporcionar-lhe as oportunidades, e esse sistema começa com um meio-campo que saiba lançar, penetrar, tabelar. Hoje o time não tem isso.

O gol de Cícero que caiu do céu para o Santos e castigou o Ituano:

Ituano 0 x 1 Santos

26/01/2014 – 19h30m – Estádio Novelli Júnior, Itu (SP).

Ituano: Vágner, Dick, Alemão, Anderson Salles e Dener; Josa, Paulinho (Rafael Silva), Jackson e Cristian (Esquerdinha); Marcinho (Clayson) e Jean Carlos. Técnico: Doriva.

Santos: Aranha, Cicinho, Jubal, Neto e Mena; Arouca, Alan Santos (Leandrinho), Cícero e Geuvânio; Thiago Ribeiro e Gabriel (Victor Andrade). Técnico – Oswaldo de Oliveira.

Gol: Cícero, cobranco falta, aos 45 minutos do segundo tempo.

Público: 2.527 pagantes. Renda: R$ 90.730,00.

Arbitragem: Marcelo Rogério, auxiliado por Daniel Luis Marquese e Patrícia Carla de Oliveira.

Cartões Amarelos: Jackson, Josa, Cristian, Mena, Aranha, Thiago Ribeiro, Alan Santos e Gabriel.

E para você, o que a vitória sobre o Ituano mostrou?


Verdades e mentiras sobre o bicampeonato do Santos na Copa São Paulo

copinha - santos campeão 2014
Os Meninos da Vila comemoram mais uma Copa São Paulo, a segunda consecutiva. O volante Lucas Otávio, ao centro, foi escolhido como o melhor da competição.(Foto: Pedro Azevedo/ Santos FC)
serginho
Serginho, um meia canhoto de futuro, comemora o seu gol (Foto: Pedro Azevedo/ Santos FC)

http://youtu.be/1F2TRaj2Tpw

Com gols de Diego Cardoso e Serginho, ambos no primeiro tempo, o Santos se tornou bicampeão da Copa São Paulo de Futebol Junior ao vencer o Corinthians por 2 a 1, no Pacaembu. Ao menos um terço dos 31.481 espectadores saíram do estádio com a sensação de que a justiça foi feita e, mais uma vez, o Alvinegro Praiano superou tudo e todos para conquistar mais um título.

O estranhamento dos santistas começou com a confecção da tabela. Como explicar que, dentre as 104 equipes participantes, justamente os dois finalistas da recém-terminada Copa do Brasil – Santos e Criciúma – tenham caído na mesma chave, sendo que o Santos foi o campeão da Copa São Paulo em 2013?

Bem, o Santos se resumiu a jogar futebol, e o fez com maestria. Líder do seu grupo, o caminho do Alvinegro Histórico prosseguiu difícil, pois teve de enfrentar a sensação do torneio, o time japonês do Kashiwa Reysol, ao qual acabou goleando por 4 a 0. Depois vieram os respeitáveis Grêmio Osasco, Taboão e Atlético Mineiro, todos batidos inapelavelmente. Por fim, o Corinthians, em seu campo e com o apoio de sua fanática torcida. Nada impediu, porém, que o melhor futebol prevalecesse.

Ainda com o frescor dessa revigorante vitória na cabeça, vamos tentar fazer uma análise fria do desempenho dos jogadores, do técnico Pepinho, da organização do torneio, enfim, das circunstâncias que cercaram a participação do Santos na competição e suas implicações futuras. Para encurtar a história, brinquemos de verdadeiro ou falso utilizando afirmações que normalmente ouvimos ou lemos por aí.

Ganhar um título como esse não quer dizer que os jogadores estejam prontos para o profissionalismo.
Verdadeiro. Um time pode ser campeão da Copa São Paulo e não revelar um único bom jogador profissional. Costuma haver uma distância – técnica, física, tática e psicológica – entre garotos dessa idade e profissionais. Se esse trabalho de transição não for bem feito, se o jovem não se dedicar com seriedade e afinco, sua carreira fica só no sonho.

O Santos teve sorte. Usou a base do ano passado e foi campeão, mas isso não significa que o trabalho com a divisão de base está sendo bem feito.
Falso. A sorte não teve nada a ver com a história. O Alvinegro Praiano ganhou oito jogos consecutivos, batendo fortes equipes, com um time-base que só tinha dois jogadores campeões do ano passado: o volante Lucas Otávio e o atacante Stéfano Yuri. Nem o técnico era o mesmo.

O Santos chiou à toa para receber metade dos ingressos, já que a torcida não influiu.
Falso. O Santos reclamou porque tinha o direito, pela campanha e pelo tamanho de sua torcida, de receber metade dos ingressos da final. Nessa idade os garotos são muito sugestionados pelos gritos do público e o adversário jogou como se estivesse em casa, o que o motivou mais e provavelmente tenha influenciado a arbitragem. Neste particular, devemos fazer uma menção honrosa ao comentarista Luiz Ademar, do Sportv, que também criticou a divisão de ingressos feita pela Federação Paulista de Futebol.

Os santistas têm mania de perseguição e já diziam que o árbitro iria ajudar o alvinegro da capital, mas isso não ocorreu.
Falso. Flávio Rodrigues Guerra inverteu tantas marcações que quase muda o resultado da partida. Não viu um pênalti claro do goleiro Henrique em Stéfano Yuri quando o Santos já vencia por 2 a 0. Não viu Fabiano pisar na perna de Diego Cardoso, mas viu motivo para dar cartão amarelo para esse mesmo Diego Cardoso em uma reclamação banal. Viu uma falta inexistente de Stéfano Yuri quando a bola sobrava livre para o ataque santista. Não viu o relógio e só terminou o primeiro tempo depois de um longo bate-rebate na área do Santos. Enfim, viu muito mais para um lado do que para o outro.

Pepinho mostrou que é um técnico pronto para o profissional.
Falso. É um ótimo técnico para a garotada, mas ainda falta muito para assumir um time grande. No segundo tempo não soube mudar a cara do jogo, que caminhava para o sufoco que se viu no final. Tirou três jogadores de mais habilidade, que sabem atacar, para encher o time com defensores e com isso chamou o adversário para a sua área. Não quis colocar o rápido Mateus Augusto, que poderia preocupar a defesa e criar boas jogadas pela esquerda, como já tinha feito contra o Atlético Mineiro. O Santos só não sofreu o empate por sorte, pela atuação surpreendente do goleiro João Paulo e pela ruindade do colombiano Bryan, que perdeu um gol feito.

Este título deve fazer o Conselho do Santos esquecer os problemas com a venda de Neymar.
Falso. Uma coisa não tem nada a ver com a outra. Parabéns aos Meninos, ao técnico Pepinho e aos responsáveis pelas categorias de base do Santos, mas o caso da venda de Neymar tem de ser esclarecido, custe o que custar, doa a quem doer. Não só pelo dinheiro, mas porque Neymar era a grande oportunidade de o Santos se consolidar como um dos times mais fortes e populares do planeta. Que os números reais e os responsáveis apareçam.

Santos 2 x 1 Corinthians

Primeiro tempo: Santos 2 x 0 Corinthians

Pacaembu, São Paulo

25/1/2014, 10 horas

Público: 28.438 pagantes (público total de 31.481)

Renda: R$ 333.360,00

Santos: João Paulo, Daniel Guedes, Paulo Ricardo, Naílson e Zé Carlos; Lucas Otávio, Fernando (Diego Santos) e Serginho (Gustavo Eugênio); Diego Cardoso (Gustavo), Jorge Eduardo e Stéfano Yuri. Técnico: Pepinho.

Corinthians: Henrique, Lucão, Pedro, Luiz Gustavo e Guilherme; Fabiano, Ayrton (Matheus), Zé Paulo e Malcom; Léo (Yan) e Lucas (Bryan). Técnico: Osmar Loss.

Gols: Diego Cardoso, aos 21 e Serginho, aos 30 minutos do primeiro tempo; Malcom, aos 31 minutos do segundo.

Arbitragem: Flávio Rodrigues Guerra (SP), auxiliado por Danilo Ricardo Simon Manis e Alex Angi Ribeiro.

Cartões amarelos: Diego Cardoso, Paulo Ricardo, Zé Carlos e Gustavo (Santos); Lucão (Corinthians).
Cartões vermelhos: Henrique (Corinthians) e Nailson (Santos).

E pra você, o que é verdadeiro ou falso neste título do Santos?


Rolezinhos, 2 jogos no mesmo horário, Montillo, Neymar e Dia do Dorval

O santista tem mania de perseguição, ou o Glorioso Alvinegro Praiano é mesmo perseguido pela mídia e pelos cartolas do futebol? Sei lá, talvez a verdade esteja no meio. O que sei é que nesta terça-feira o time profissional enfrentará o Audax, às 19h30m, no Pacaembu, e os Meninos do Sub-20 farão a semifinal da Copa São Paulo, contra o Atlético/MG, em Barueri, a partir das 19 horas. Ou seja: o Santos jogará simultaneamente em dois lugares diferentes. De quem é a culpa por este inacreditável mau planejamento?

Da Federação Paulista de Futebol, que fez as tabelas? Não creio, já que elas estavam preparadas há meses. Uma diretoria de futebol tem a obrigação de analisar as competições que o clube disputa e agir antecipadamente para evitar bizarrices como esta. Se interviesse há mais tempo, o jogo do Audax seria facilmente transferido. Porém, mais uma vez os homens que dirigem o futebol santista foram pegos com as calças na mão.

É claro também que neste caso a culpa não é da Globo, ou do seu filhote Sportv. E mesmo que fosse, está na hora de o santista saber usar as armas, os recursos que tem. A popular SantosTV é um ótimo exemplo de como a Internet pode ser usada para divulgar positivamente um time de futebol.

De qualquer forma, se a vida lhe dá um limão, o jeito é fazer uma limonada. Em outras palavras, transformar fraqueza em força. Quer prova melhor de popularidade se a torcida do Santos conseguir comparecer em bom número tanto no Pacaembu, como em Barueri? Possibilidade há, e grande. Basta querer e ter capacidade de mobilização.

Vejo essa garotada marcando rolezinhos pela rede social e se reunindo, aos milhares, nos grandes shoppings, e em vez de amaldiçoar essa meninada, percebo nisso um exemplo do poder de mobilização que essas ferramentas tecnológicas propiciam. Garotos da periferia viram ídolos do nada e arrastam multidões de gatinhas apaixonadas usando twitter, facebook e quetais. Imagino o que torcedores do Santos, bem organizados, não poderiam fazer.

A TV, como a conhecemos hoje, está com seus dias contados. A próxima mídia que mudará – mudará não, está mudando – o mundo é a Internet. Quem melhor souber usá-la, sairá na frente. Alô marketing santista, estude e aprenda com os rolezinhos com os rapazes da perifa.

O que é um meia?

Montillo vai para a China? Ótimo, mas que os oito milhões de euros de seu passe sejam utilizados para contratar um bom meia, algo que o Santos não tem há muito tempo. Acho que o santista nem sabe mais como joga um meia. Vou ver se acho um vídeo para mostrar. Ah, achei. Está aqui:


Ah, isso é ser meia? Então o Santos está jogando sem há um bom tempo.

O pai do Neymar e a mídia do mal

Estou esperando para ver se o pai de Neymar vai usar o blog do filho para fazer uma declaração contra o jornal espanhol El Mundo, que afirma ter tido acesso aos documentos da venda de Neymar e descoberto que o valor real não foi 57 e sim 95 milhões de euros, dos quais a empresa do pai de Neymar teria ficado com 40 milhões e ele, o pai, com mais 8,5 milhões para prestar serviços diversos, incluindo até a função de descobrir novos jogadores da base do Santos para o Barcelona, mesmo não sendo ele um empresário Fifa. Pode parecer preconceito, mas nunca gostei de evangélico dinheirista. Nunca entendi como podem servir dois senhores com a maior cara de pau: a Deus e ao dinheiro.

dorval
Dorval Rodrigues também fez 13 jogos e marcou um gol pela Seleção Brasileira.

Dia do Dorval

Por falar em dinheiro, tenho uma boa idéia. Não para ganha-lo, pois sempre fui péssimo nisso. Mas para empregá-lo bem, com quem merece e já nos deu enormes alegrias. Nem falei com ele ainda, mas creio que não se oporá. Estou me referindo ao grande Dorval Rodrigues, nosso querido Dorval, o primeiro do ataque dos sonhos, que no próximo dia 26 de fevereiro completará 79 anos!

Nascido em Porto Alegre, Dorval veio do extinto Força e Luz para o Santos em 1956 e, segundo o Almanaque do Santos FC, estreou no Santos em 20 de maio daquele ano, substituindo Alfredinho na vitória sobre o América, em São José do Rio Preto, por 3 a 1. Ficou no Alvinegro Praiano até 1964 e ainda voltou para jogar a temporada de 1967. Fez 612 jogos e marcou 198 pelo Santos, fora as muitas assistências que consagraram Pelé, Coutinho e outros atacantes.

Como muitos sabem, Dorval vive de uma maneira simples e trabalha até hoje pelo pão de cada dia. Que tal se o blog – e outros blogs santistas, por que não? – publicasse o número da conta bancária de Dorval e cada um depositasse o que pudesse, para que ele tenha o seu melhor aniversário dos últimos anos? Poderíamos também reunir os santistas no dia 26 de fevereiro, uma quarta-feira, logicamente com a presença de Dorval, e celebrarmos o dia deste notável ponta-direita. Que tal?

Seria maravilhoso poder retribuir um pouco das incontáveis alegrias que Dorval nos deu. Há coisas – como dar uma bolsa vitalícia aos bicampeões do mundo – que deveriam ser feitas pelo Santos, mas já que ele não faz, façamos o que podemos.

E você, o que acha de tudo isso?


Older posts

© 2017 Blog do Odir Cunha

Theme by Anders NorenUp ↑