Nesses dias sem blog estive mergulhado em algumas pesquisas para o Museu Pelé e ao voltar ao passado para checar momentos marcantes do Rei do Futebol, da Seleção Brasileira e do Santos, constatei uma tendência que agora compartilho com você.

Como se sabe, dificilmente a imprensa esportiva brasileira supervalorizou os feitos do Santos – algo que ocorre até hoje, por sinal. Sempre deu a eles no máximo a dimensão que merecem. Não raro os diminuiu de importância. Por outro lado, ao menos nos jornais em que pesquisei, esta mesma imprensa sempre superestimou os feitos dos times considerados mais populares. Quer exemplos?

No mesmo dia em que o Santos, em uma exibição que a imprensa chilena definiu como “o jogo do século”, venceu a Seleção da Tchecoslováquia por 6 a 4, em uma reedição da final da Copa de 1962, o jornal Folha de São Paulo preferiu dar como manchete do caderno de esportes a vitória de um determinado time contra o Náutico, por um torneio em Recife, destacando o fato de que esse time era “líder e invicto”, e isso depois de apenas duas rodadas.

Em outro instante de minhas pesquisas, encontrei o que precisava dos jogos de Pelé e deparei-me com outro título de primeira página que evocava certo time considerado bom vendedor de jornais. O título dizia algo como “Agora vai!”. Li o lead da matéria e falava de uma vitória desse time contra o Noroeste, último colocado do Campeonato Paulista. Naquele ano, a propósito, o tal time não foi e o Santos, novamente, sagrou-se campeão paulista.

Há algum tempo vimos aqui mesmo, neste blog, que no dia em que os jornais anunciavam mais um título do Santos na Taça Brasil, equivalente a mais um Campeonato Brasileiro, no início dos anos 60, A Gazeta Esportiva dava matéria de primeira página para falar de um plano hipotético que envolvia empresários interessados em contratar Pelé e cedê-lo ao mesmo determinado time “de massa”… Como se sabe, Pelé só foi jogar em outro time, o Cosmos de Nova York, em 1975.

Se um time que costuma vender jornais está indo mal das pernas, não está fazendo nada positivo que justifique uma manchete, então invente uma. Como uma contratação bombástica, por exemplo. Obedecendo a esta reprovável técnica sensacionalista, a mídia esportiva brasileira cansou de assoprar balões e tentar mantê-los no ar, às custas de muita mentira, obviamente.

Pois bem: o que se apreende desse comportamento repetitivo da imprensa esportiva brasileira? Que ela sempre quis vender jornais, ou revistas, e para isso usou recursos questionáveis, como a adaptação da realidade à preferência da camada de leitores que queria conquistar. Hoje, com a desimportância econômica dos veículos impressos, certamente essa imprensa quer mais ibope, mais acessos, mais alguma coisa qualquer que, no entanto, está longe da ética jornalística que deveria cultivar.

Ao colocar o aspecto comercial à frente do jornalístico por tantos anos seguidos, essa imprensa criou um comportamento típico nos torcedores dos times considerados mais populares. Acostumados a verem os feitos de suas equipes, mesmo os mais modestos, serem tratados como extraordinários, esses torcedores passaram a ter uma visão distorcida da realidade do futebol e a se julgarem especiais.

“Todas as histórias são iguais, todos os clubes têm torcedores apaixonados da mesma forma”, me disse ainda ontem Marco Piovan, editor da Magma Cultural que prepara, com carinho, o livro do Centenário do Palmeiras. Piovan também editou os livros dos centenários de Santos e Corinthians e se deparou com casos idênticos de amor ao clube.

Nunca tive dúvidas de que entre os aficionados de equipes consideradas menores – como Ponte Preta, Guarani, Juventus, XV de Piracicaba, Ituano, e tantos outras – também há alguns mais malucos por sua agremiação do que torcedores de times considerados grandes. Acho até que seguir um clube menor exige mais fidelidade e personalidade do que ser mais um a adorar um grande.

Outra convicção que tenho: a divisão de torcidas no Brasil é muito mais fragmentada do que alguns gerentes de marketing querem nos fazer acreditar. Se somarmos os números de torcedores que cada clube diz que tem, o Brasil teria mais habitantes do que a China. Quer ter uma ideia real das divisões de torcida no País? Consulte as porcentagens de apostas no “time do coração” da Timemania e constatará que nenhum time chega a 5% (cinco por cento) de preferência no País.

Não podemos culpar, entretanto, os torcedores desses times bajulados por tanto tempo. Foram e são vítimas de uma longa e constante lavagem cerebral. Se uma mulher, ou um homem, feios, ouvem o tempo todo que são lindos, vão acabar acreditando. A mídia os seduziu e os continua seduzindo porque, simplesmente, quer tirar deles o engordamento de seus ganhos. Puro interesse.

Creio que se os santistas também fossem vítimas de tal estratégia, fatalmente teriam a mesma tendência para a arrogância. A propaganda sistemática consegue tudo, principalmente quando é dirigida a pessoas sugestionáveis, de baixa instrução, como é a maioria do povo brasileiro.

Felizmente, porém, as conquistas do Santos foram, repito, tratadas na dimensão exata que mereceram. Isso deu ao santista um senso crítico maior do que aquele que se vê em outros torcedores. O santista sabe diferenciar o que realmente é importante do que é pintado de cor de rosa para vender jornal, ou dar ibope.

Um título estadual é um título estadual. Não pode se tornar maior porque um determinado clube o conquistou, e nem menor se o vencedor for outro. Essa imparcialidade, essa orientação pelo mérito esportivo, é que acabaria com as diferenças entre as posturas dos torcedores e tornaria a visão que se tem do futebol brasileiro mais realista, menos passional. Mas para que esta visão prevaleça seria preciso que a imprensa esportiva brasileira fosse essencialmente ética, forte, independente, e não dependesse, ainda, de bajular certos clubes para sobreviver.

E você, acha que a imprensa esportiva ainda será pautada pelo mérito?