Meus amigos e minhas amigas, o Samba do Crioulo Doido, como vocês devem saber, foi uma canção composta por Stanislaw Ponte Preta, ou Sérgio Porto, e falava de um compositor de samba enredo que, ao endoidar, misturou as bolas e fez uma salada tremenda. É claro que qualquer semelhança com a administração atual do Santos é mera coincidência.

Há seis meses, 99,99% dos santistas sugeriram que o contrato de Léo não fosse renovado e que o clube oferecesse uma despedida digna ao velho guerreiro. Pois, sem dar ouvidos aos únicos que amam o Santos, a diretoria renovou por mais seis meses com o lateral, pagando-lhe 80 mil mensais.

Hoje, 480 mil reais depois, após um semestre em que o veterano só jogou 45 minutos, seu contrato não é renovado e ele sai, magoado e sem nenhuma homenagem especial – como, aliás, já havia ocorrido com outro ídolo, Giovanni.

E agora que Léo vai se aposentar, quem os gênios do futebol santista querem contratar? Quem? Quem? Ora, Renato, herói da conquista de 2002, só que 12 anos mais velho, encostado no Botafogo.

Se o leitor puxar só um pouquinho pela memória, se lembrará que antes de começar a temporada, 99,9999% dos santistas pediam a contratação de um meia, de um articulador de jogadas. No ataque, o Santos tinha uma garotada boa, com potencial para explodir este ano. Porém, novamente agindo por vontade própria, a diretoria investiu o que não tinha para contratar Leandro Damião por 42 milhões de reais, mais salários de 500 mil por mês.

Agora, bem, agora, atendendo a pedidos do técnico Oswaldo de Oliveira, o clube está disposto a comprar o passe do zagueiro Dória e do já citado veterano meio-campo Renato, ambos do Botafogo. Só o passe de Dória ficará em 20 milhões de reais.

Como está endividado até o pescoço, o Santos recorrerá novamente a um empréstimo da Doyen Sports, que no Brasil é representada por Renato Duprat, o mesmo que levou a suspeitíssima MSI para o alvinegro paulistano em 2005.

Como vai pagar esse dinheirão parece que não é algo com o qual essa diretoria se preocupe. Se esses jogadores ajudarem o time a conseguir uma boa colocação no Campeonato Brasileiro, essa gestão tem a esperança de se reeleger.

Se, o que é mais provável, o Santos cumprir uma campanha medíocre, como tem acontecido nos últimos anos, e os atuais mandatários forem defenestrados pela força das urnas, deixarão um pepino de Itu para a próxima diretoria.

Enfim, a gastança continua. E o pior é que o torcedor faz as contas e percebe que com essa grana toda daria para trazer Diego e Robinho, ou três ou quatro jogadores de bom nível que, somados aos garotos, trariam equilíbrio e competitividade ao time.

Na defesa? Ora, que se coloque qualquer um enquanto os titulares não saem do estaleiro. Agora mesmo, se preciso, eu experimentaria o Alison na zaga. Pra dividir, tirar de cabeça e dar chutão pra frente, não precisa ser nenhum Mauro Ramos de Oliveira.

Perceba que com todos os problemas que Oswaldo vê no setor, o Santos sofreu apenas dois gols nos últimos quatro jogos. O problema maior é mesmo o ataque, que só fez os mesmos dois gols nos mesmos quatro jogos.

Foi em Diamantina, onde nasceu JK…

E você, o que está achando desse samba muito doido do Peixe?