Não sei qual é a percepção do técnico Oswaldo de Oliveira com relação ao jogo contra o Grêmio, neste sábado, às 18h30m, na Vila Belmiro, mas eu diria que qualquer resultado que não for a vitória já começará a engordar a pulga que começa a se instalar atrás da orelha dos santistas. Depois de dois pontos ganhos e quatro perdidos, está na hora de vencer. Para isso, Oswaldo contará com a volta de Arouca, mas não terá Geuvânio, a quem preferiu manter no banco de reservas.

Não que Geuvânio seja um craque, mas sua ausência causa estranhamento em muitos torcedores, pois o garoto vinha sendo o melhor jogador do time no Campeonato Paulista. Ainda hoje os números comprovam que o rapaz é o jogador mais eficiente do Santos na temporada, com 13 assistências e sete gols.

Por outro lado, Thiago Ribeiro e Leandro Damião, que Oswaldo conservará no time, são os atacantes com os piores índices de aproveitamento. O melhor é outro garoto, Gabriel, que no Campeonato Paulista deu 27 chutes a gol e acertou a meta em 17, ou 67% das vezes.

Não se pode negar que Thiago e Damião são mais experientes, e como também foram mais caros e ganham melhores salários, darão mais prejuízo ao clube se forem para o banco de reservas. Infelizmente, esses são detalhes que acabam influindo na escalação de uma equipe e certamente pesaram para o técnico escolher o ataque com ambos e mais Gabriel.

No meio, Alison sai e entra Arouca, que completará o setor com Alan Santos e Cícero. Com esta formação, Cícero terá mais liberdade para apoiar o ataque, algo que ele costuma fazer bem. Na defesa, como Mena continua em tratamento, jogarão Aranha, Cicinho, Jubal, David Braz e Émerson.

Não sei como Grêmio virá. Sei que é um time que está ferido pela desclassificação na Copa Libertadores, em casa, para o San Lorenzo. Para o Santos, porém, não importa o ânimo do adversário. Ou se ganha os três pontos, ou na próxima rodada o time já poderá fazer parte do desagradável Z4.

Coutinho e Neymar

Coutinho e Neymar são dois dos grandes ídolos da história do Santos. Eu, particularmente, admiro os dois e sou muito grato pelo que fizeram ao time que amo. Porém, fico triste quando leio críticas de Coutinho a Neymar. E críticas debochadas, desrespeitosas. É bonito quando os jogadores se respeitam e, mesmo com motivos, evitam fazer críticas grosseiras a um companheiro. Nesse ponto, Pelé é o maior exemplo de santista que conheço. Percebe-se que o jogador mais completo que o futebol já teve gosta de Neymar e torce pelo seu sucesso. Aliás, como todos os brasileiros nessa véspera de Copa do Mundo.

E pra você, como o Santos deve jogar para vencer o Grêmio?